21 C
Uberlândia
sábado, julho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosA escolha do silo ideal

A escolha do silo ideal

 

Flavio A. Lazzari

Engenheiro agrônomo, doutor, consultor, pesquisador e professor visitante na Universidade do Estado do Kansas (EUA)

flaviolazzari@gmail.com

A escolha do silo ideal - Crédito Casp
A escolha do silo ideal – Crédito Casp

Existem vários tipos de silos baseados no material utilizado para sua construção. Temos os silos metálicos, de concreto, de alvenaria e de madeira (usados na estocagem de sementes), e um tipo de silo denominado silo-bolsa, que é uma modalidade emergencial de armazenamento de grãos ” ele tem sido comumente utilizado nas áreas de cerrados para estocagem de milho e soja.

Capacidade

O tamanho de cada estrutura depende do quanto grão o agricultor quer armazenar e por quanto tempo, além da quantidade de safras por ano. Para grandes produtores, somos favoráveis a se ter mais silos de tamanho médio, isto é, capacidade para armazenar volumes de duas a três mil toneladas por silo.

É mais seguro (e custa menos) ter três silos de duas mil toneladas cada um do que um silo de seis mil toneladas, sobretudo em relação ao controle de pragas e insetos. Obviamente, é melhor ter mais silos de tamanhos menores do que um grande silo, e ter sobra no que diz respeito à capacidade de armazenamento é um fator importante.

Quanto ao tamanho, podemos agrupá-los desta forma:

→ Silos de madeira: para volumes pequenos de sementes ” 60 a 80 toneladas;

→ Silos de alvenaria: podem ir de 100 a 1.200 toneladas;

→ Silos de concreto: de uma a três mil toneladas ou mais;

→ Silos metálicos: podem variar de 60 a seis mil toneladas ou mais.

Armazenagem x comercialização

A armazenagem é parte essencial da comercialização. Que tem silos na propriedade tem uma vantagem competitiva maior. Mas ter silos que permitam a segregação do produto conforme sua umidade, qualidade, variedade, etc. pode ser algo imprescindível na obtenção de mercados específicos que valorizam atributos especiais nos grãos.

O tamanho de cada estrutura depende do quanto grão o agricultor quer armazenar - Crédito Kepler Weber
O tamanho de cada estrutura depende do quanto grão o agricultor quer armazenar – Crédito Kepler Weber

Investimento

O custo é baseado em R$/tonelada, podendo variar de R$ 270,00 a R$ 300.00/t. No custo de um silo metálico, 40% do valor é o chapéu, 30%, o corpo (cilindro) do silo e 30%, os equipamentos (fundo falso, correia transportadora, aeração).

Não devemos esquecer a obra civil, que pode custar até 50% ou mais do preço do silo. A disponibilidade de mão de obra e energia elétrica na propriedade pode ajudar a baratear alguns gastos.

Novidades

Nos últimos 20 anos, mais precisamente a partir de 1991, devido ao alto crescimento na produção de rações, passou-se a dar muita ênfase à qualidade do grão. Por exemplo, milho, farelo de soja e de trigo, triticale, milheto e sorgo começaram a receber bastante atenção no que se refere à presença de fungos e micotoxinas.

O controle da temperatura de secagem do milho passou a ser primordial para evitar danos à proteína do grão e remover grãos quebrados, quireras, fragmentos de grãos etc., sendo adotada como prática rotineira nas fábricas de rações. Mais recentemente, os tratamentos fitossanitários que, se aplicados ao grão para o controle de insetos, têm sido analisados de maneira criteriosa.

Critérios

O volume de produção, safras feitas por ano, a localização da fazenda, o custo do frete na safra, as condições de transporte, a existência de rede de armazenamento próxima, a distância dos mercados e a capacidade de esperar para vender são fatores importantes a serem considerados.

Erros

A falta de planejamento e de apoio de pessoas capacitadas na elaboração do projeto são os principais gargalos da armazenagem. Antes de comprar uma estrutura de armazenamento, o agricultor deve visitar várias unidades de silos, conversar com pessoas idôneas, fotografar, medir e levantar custos, além de aprender com os erros e as falhas de outros produtores.

Se o agricultor não tem experiência com a armazenagem, sugere-se um projeto modular, em que são acrescentados silos em linha na medida da necessidade do produtor. Alguns equipamentos e estruturas são básicos, independentemente de se ter um silo, dois ou uma linha de quatro a seis silos com uma fita ou correia transportadora por cima e uma por baixo.

No primeiro ano, por exemplo, é possível instalar uma moega pequena, um elevador de grande capacidade de escoamento, a pré-limpeza e uma caixa de expedição e/ou um silo. Mas, se o secador é essencial, dado que o grão é colhido muito úmido, então se instala o secador e um silo. É necessário, portanto, pensar grande, começar pequeno e crescer com os pés no chão.

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Girassol é opção de rotação e sucessão de culturas

O girassol é uma cultura de ampla capacidade de adaptação às diversas condições de ...

Koppert apresenta em Araguari solução para broca-do-café

Entre os dias 13 e 15 de março a Koppert do Brasil esteve presente na Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura (Fenicafé), que em 2018 abrigou três grandes encontros: XXIII Encontro Nacional de Irrigação da Cafeicultura do Cerrado, XXI Feira de Irrigação em Café do Brasil e o XX Simpósio de Pesquisa em Cafeicultura Irrigada.

Café orgânico e regenerativo é a aposta de cooperativas

Cooperativas que produzem café Fairtrade estão investindo e incentivando os seus cooperados a mudaram a produção de café para lavouras orgânicas e regenerativas.

Colheita do Bem arrecada R﹩ 1,3 milhão em Mato Grosso

Chega ao final a terceira edição do projeto Colheita do Bem, realizado pela América Insumos, ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!