27.6 C
Uberlândia
sábado, abril 20, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosA importância de mais crédito para o agro em 2024

A importância de mais crédito para o agro em 2024

Investir no agro é investir no desenvolvimento sustentável, na segurança alimentar e no crescimento econômico do país.

Por Henrique Galvani, CEO e cofundador da Arara Seed

Henrique Galvani
Créditos: Divulgação

Com o desafio de alimentar 10 bilhões de pessoas até 2050 e o Brasil atingindo a marca de US$ 339 bilhões em exportações, o agronegócio entra em 2024 com a missão de ser cada vez mais produtivo, sustentável e tecnológico. Desta forma, torna-se essencial tornar o ecossistema de crédito mais democrático e acessível, para que seja possível investir cada vez mais em pesquisa e tecnologia no campo.

Não há dúvidas que a agricultura evoluiu muito, afinal, em 40 anos, o Brasil saiu do âmbito de importador de alimentos para um dos principais exportadores do mundo. Dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) mostraram que o país registrou um superávit de US$ 98,8 bilhões em 2023, maior valor desde o início da série histórica, que começou em 1989. Apesar disso, ainda há pontos a serem melhorados na profissionalização do campo, na gestão da propriedade, sustentabilidade, “tecnologização” e, como não poderia deixar de citar, o acesso ao crédito. 

A conta é simples: com o crescimento e a importância do agronegócio para o PIB do Brasil, aumenta também a necessidade dos produtores de terem mais dinheiro em caixa, seja para custeio de produção ou para investimentos em novas áreas, maquinários, tecnologia, armazenagem e etc. Assim, o crédito se torna fundamental para que os produtores e o agronegócio brasileiro continuem alimentando o mundo e sendo protagonistas da nossa economia.

Cenário do crédito em 2023 e expectativa para 2024

Marcado pelas dificuldades econômicas e orçamentos reduzidos, sobretudo para as operações oficiais de crédito, o ano de 2023 registrou diversos momentos em que os programas de crédito rural se encontravam suspensos, sem a possibilidade de acesso por parte dos produtores de grande porte, bem como, para os pequenos agricultores familiares. Com essas frequentes suspensões e dificuldades de acesso, o mercado privado foi o grande aliado do produtor. Os Fundos de Investimentos nas Cadeias Agroindustriais (Fiagros) tiveram um salto de investimento de 126% entre os meses de setembro de 2022 e de 2023, enquanto as Cédulas de Produto Rural (CPR) aumentaram 54% em estoque no mesmo período. Alguns produtores também recorreram a plataformas de crowdfunding e peer-to-peer lending.

O expressivo aumento na utilização das ferramentas privadas mostra que a parceria entre o agronegócio e o mercado financeiro privado deu muito certo e tende a crescer. Com a previsão de que a Selic permaneça próxima aos 9,00%, ao final de 2024, os produtores irão demandar ainda mais recursos com taxas de juros competitivas ao crédito rural. Os desafios fiscais e monetários que o país enfrentou em 2023, e continuará enfrentando em 2024, podem colocar algumas políticas agrícolas em risco.

No último plano safra as taxas de juros variaram entre 7% a 12,5% ao ano (subvencionada), contudo, a realidade é que esse orçamento não é suficiente para o tamanho do agronegócio brasileiro. Como alternativa, alguns produtores recorrem a outras fontes de financiamento, para ajudá-los na produção. Atualmente, os produtores encontram taxas de mercado (não subvencionadas) próximas a 15% ao ano para o crédito rural, o que para muitas atividades agropecuárias, ainda é possível encaixar em suas margens. Nessa linha, a tese de equity crowdfunding (investimento coletivo) no agronegócio, começa a ser vista como um importante parceiros para que produtores consigam investir mais em suas operações, aumentando a eficiência e produtividade.

Agro em constante desenvolvimento

Nesta circunstância, em que crédito rural tem sido um instrumento importante para promover a produtividade e o aumento de renda no Brasil, a política criou programas voltados para o apoio e desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Com maiores investimentos em tecnologia, aumentou-se a produção agrícola e compreensão das melhores práticas de manejo e aplicação de fertilizantes e defensivos, impactando diretamente na produtividade agrícola, melhorando a eficiência dos recursos e insumos. 

No entanto, o acesso a capital ainda é um desafio para o avanço e prosperidade do agro, é necessário mais dinheiro para quem contribui muito para economia. Em 2023, o Brasil registrou superávit recorde na balança comercial do agro – o maior da série histórica, que começa em 1989, e não podemos permitir que o desperdício, a falta de tecnologia, investimentos e gestão deixem de alimentar pessoas no Brasil e no mundo. Estamos com a faca e o queijo na mão.

ARTIGOS RELACIONADOS

Agroligadas celebra cinco anos

O encontro será realizado no dia 01 de setembro, em Cuiabá, com muita conexão e aprendizado.

Por que investir em análise microbiológica do solo

Investir em análise microbiológica do solo é o primeiro passo para o sucesso da sua produção agrícola.

Efeitos do Pacto Verde Europeu no agro brasileiro

A Plenária do Congresso trará informações essenciais para o dia a dia da Distribuição de Insumos Agropecuários, a partir de palestras, painéis, fórum e talk shows.

Startup ignitia e Fundação MT rumo à otimização do agronegócio

Dados fornecidos pela climatech possibilitaram a identificação de variáveis climáticas que contribuem para o aumento da produtividade nos sistemas de produção adotados em Mato Grosso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!