16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosA necessidade de proteção das lavouras

A necessidade de proteção das lavouras

João Paulo Rodrigues da Cunha

Professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

 

Crédito Montana
Crédito Montana

O homem fez-se agricultor para garantir a produção regular de alimentos e, sem dúvida, os primeiros agricultores já conheceram, sofreram e lutaram contra as adversidades naturais de seus cultivos, de forma que se estabeleceu uma inevitável batalha que chegou até os dias atuais.

A proteção das lavouras é inerente à própria agricultura, criação humana que nasceu para satisfazer muitas de nossas necessidades de maneira estável. A agricultura precisa proporcionar alimentos e também produtos de uso comercial e industrial, mas, sobretudo no primeiro caso, em quantidade e com a qualidade adequada.

Ademais, o agricultor necessita obter um proveito econômico de seu trabalho e o consumidor deseja preços justos. Nada disso seria possível sem uma proteção contínua das lavouras, dentro da qual o emprego dos produtos fitossanitários ocupa um online casino papel muito importante.

Grande parte da responsabilidade de se conseguir eficácia nos tratamentos fitossanitários, com mínimo risco ao operador, ao consumidor e ao ambiente, corresponde às máquinas de aplicação. Na maioria das vezes, dá-se muita importância ao produto a ser aplicado e pouca atenção à técnica de aplicação.

No entanto, além de se conhecer o produto, também é necessário dominar a forma adequada de aplicação, de modo a garantir que o produto alcance o alvo de forma eficiente, minimizando-se as perdas.

Certificação

Neste contexto, uma importante ação iniciada em 2014 foi o CAS (Certificação Aeroagrícola Sustentável). O CAS é um programa de certificação realizado pela Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (FEPAF), em parceria com a ANDEF (Associação Nacional de Defesa Vegetal), tendo como entidades coordenadoras três universidades: UNESP, UFLA e UFU.

O objetivo é incentivar a capacitação e a qualificação das empresas de aviação agrícola e de operadores aeroagrícolas privados. Trinta empresas já estão certificadas no nível I.

Sem dúvida este novo cenário contribuirá para o avanço do setor, uma vez que o programa intensifica os cuidados com a aplicação aérea, diminuindo riscos de acidentes e danos ao ambiente e também proporcionando mais capacitação e incentivo à tecnologia no campo.

 

Essa matéria você encontra na edição de janeiro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Dia internacional do milho

O milho, espécie originária da América Central, é o principal grão produzido em Santa Catarina ...

Nutrição foliar: Desenvolvimento acelerado do algodoeiro

Autores Sarah Maysa Perim Silva saraahpe@gmail.com Arthur Felipe Eustáquio e Silva arthurestaqui22@gmail.com Graduandos em Agronomia - Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Roberta Camargos...

Goiás estima 10,8 milhões de toneladas de milho safrinha, segundo a CONAB

Produtividade goiana está 14,1% acima da média nacional. A região Sudoeste do Estado é mais produtiva

Adubação biológica é alternativa para redução de custo

  Camila Leite Santos Técnica em Florestas e Agropecuária, e graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras (UFLA) camila_leite96@hotmail.com A compactação vem trazendo diversos problemas...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!