12.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesA secagem e o bem-estar das vacas leiteiras

A secagem e o bem-estar das vacas leiteiras

O período seco entre as lactações é uma fase essencial para o próximo ciclo produtivo da vaca leiteira. Durante este período ocorre a recuperação e renovação dos tecidos mamários e secretores de leite, além de ter um importante papel na eliminação dos casos de mastite subclínica do rebanho. É neste período que o desenvolvimento fetal é máximo, a vaca se prepara para o momento do parto e para o início de um novo período de lactação.

Divulgação

A secagem da vaca deve acontecer entre 60 e 45 dias antes da data prevista de parição. Os métodos clássicos, como a secagem abrupta e a secagem gradual, promovem estresse, desconforto e potencializam uma menor eficiência no sistema imunológico, além de poder aumentar a CCS dos animais, o que pode impactar também o crescimento dos bezerros no útero.

“Garantir o conforto e o bem-estar das vacas durante o período de secagem é um dos grandes desafios do produtor rural, principalmente nos rebanhos com animais de alta produção. Tanto o processo de secagem abrupta quanto a secagem gradual interferem no bem-estar das vacas, além de facilitar a ocorrência de mastites , capaz de persistir durante toda a lactação seguinte e trazer importantes prejuízos para o produtor”, alerta Marcos Malacco, médico veterinário gerente de serviços veterinários para bovinos da Ceva Saúde Animal.

Atualmente o produtor de leite tem uma ferramenta para auxiliar durante este processo, um facilitador de secagem. A estratégia, conhecida como “Secagem Inteligente”, que basicamente proporciona ao animal condições favoráveis para que ele possa expressar seu maior potencial genético, otimizando a lactação atual, como menor estresse, menos manejo, menor risco de novas infecções e aumentando a produção de leite na próxima lactação. A medida promove a redução da produção leiteira sem precisar restringir a alimentação da vaca ou as ordenhas, fatores que contribuem para aumentar o CSS do animal e o nível de estresse devido a mudança de lote e/ou dieta , sendo considerada uma estratégia amiga do bem-estar animal.

“A Cabergolina atua na inibição da secreção de prolactina, que é o hormônio responsável por estimular a produção leiteira. Desta forma, a produção diminui de maneira progressiva, sem elevar a pressão intramamária reduzindo sobremaneira o vazamento de leite, evitando a abertura dos tetos e a entrada  de bactérias ou outros agentes no úbere. Outro fator que favorece o animal é que este processo de secagem inteligente aumenta a produção da lactoferrina, uma substância que contribui para a redução os níveis de ferro na glândula mamária e, consequentemente, a multiplicação bacteriana. ”, Malacco explica.

Outra vantagem da secagem inteligente é que as vacas podem ter a lactação estendida, sem interferir na saúde e bem-estar dela ou do bezerro. A aplicação da Cabergolina no momento da última ordenha do período de lactação, e o imediato encaminhamento do animal para o rebanho seco para local adequado, longe dos estímulos de ordenha, atuam prontamente na redução da produção leiteira.

Com soluções inteligentes para rebanhos de todos os tamanhos, a Ceva dispõe em seu portfólio o Velactis®, primeiro e único fármaco a base de Cabergolina destinado ao uso em rebanhos de leite. A aplicação em dose única, de 5 mL por vaca, facilita o manejo, favorece o bem-estar possibilitando que a vaca expresse o seu melhor potencial produtivo na próxima lactação.

“A adoção da secagem inteligente pela fazenda também tem benefícios para o manejo dos animais, já que não é necessário realizar alterações de lote ou de dieta. Para as vacas, que são animais sociáveis e metódicos, e que não apreciam mudanças na sua rotina, esta manutenção básica de manejo é importante porque também atua de maneira positiva no seu bem-estar. Além disso, estudos mostram que rebanhos que passam pela secagem inteligente apresentam cerca de 20% menos de casos de mastite clínica durante o próximo período produtivo. Também em estudo conduzido no Brasil, o uso de Velactis® à secagem proporcionou maior produção de leite na lactação seguinte, com média de mais 1,89 L de leite por dia. ”, finaliza.

A secagem inteligente é, sem dúvidas, o futuro da cadeia de produção leiteira nacional, com benefícios em larga escala para os produtores, focado na qualidade e otimização do manejo e, principalmente, em bem-estar e saúde animal.

ARTIGOS RELACIONADOS

Dryeration lança nova tecnologia na secagem do café

Sistema inovador permite realizar todo o processo de secagem de grãos de café em menos de 24 horas, mantendo a qualidade original que saiu da lavoura

Marcação de animais a ferro quente pode ser proibida

Projeto de lei amplia discussão sobre a importância do bem-estar dos animais de produção e interesse econômico, especialmente quanto à substituição de método cruel.

Gordura protegida e estresse térmico em vacas leiteiras

Em artigo, a coordenadora técnica da Nutricorp, Nathaly Carpinelli, explica como a inclusão de lipídios protegidos na dieta dos animais, além de combater o estresse térmico, gera bem-estar físico ao rebanho e colabora para que sua produtividade seja mantida.

Pouco conhecida, síndrome do intestino hemorrágico prejudica vacas leiteiras

79,3% das vacas acometidas pela enfermidade são retiradas do rebanho por morte ou descarte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!