26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesAcácia-negra

Acácia-negra

Débora de Melo AlmeidaEngenheira florestal, técnica em Controle Ambiental e mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFPE)debooraalmeida@gmail.com

Fernanda Moura Fonseca LucasEngenheira florestal, técnica em Controle Ambiental e mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal – Universidade Federal do Paraná (UFPR)

João Gilberto Meza Ucella FilhoEngenheiro florestal, técnico em Agronegócio e mestrando pelo programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira – Universidade Federal de Lavras (UFV)16joaoucella@gmail.com

Acácia negra – Crédito: Shutterstock

A Acacia mearnsii De Wild., pertencente à família Fabaceae, é natural de regiões temperadas, úmidas ou subúmidas do Sul e Sudeste da Austrália. É uma espécie de rápido crescimento, que apresenta entre cinco a 18 m de altura, alcançando sua taxa máxima entre três e cinco anos de idade.

Adapta-se a zonas climáticas úmidas e subúmidas, quentes e frias, com temperatura máxima média do mês mais quente entre 22 e 28ºC e precipitação pluviométrica variando entre 625 e 1.600 mm.ano-1, não suportando longos períodos de estiagem.

No Brasil, a espécie é conhecida popularmente como acácia-negra. O primeiro plantio foi realizado no Estado do Rio Grande do Sul em 1918. Em 1930 foi iniciado em escala comercial e atualmente, está entre as principais espécies cultivadas no país. O gênero Acacia ocupa a quarta posição, com mais de 160 mil hectares plantados, atrás das culturas de eucalipto, pinus e seringueira (Figura 1).

Figura 1. Histórico área plantada pelo gênero acácia no Brasil de 2010 – 2018 (IBÁ, 2019).

O Estado do Rio Grande do Sul detém 64% dessas plantações, especialmente com a espécie Acacia mearnsii. Grande parte desses plantios está localizada na região fisionômica natural do Rio Grande do Sul, denominada de Serra do Sudeste (Escudo Rio-Grandense) e Depressão Central.

Os benefícios do cultivo da espécie se expandem para mais de 40 mil pequenos produtores que trabalham com a acacicultura, desempenhando um importante papel socioeconômico.

Demanda garantida

O cultivo de florestas de acácia-negra se tornou uma atividade econômica atrativa, por gerar benefícios para diversos produtores, destacando-se:

1) Geração de renda;

2) Redução da jornada de trabalho;

3) Aproveitamento de áreas com uso restrito para agricultura;

 4) Integração com outros cultivos agrícolas e com a pecuária.

O rápido crescimento da acácia-negra, associado ao aproveitamento da madeira e da casca, torna essa espécie ideal para reflorestamento e utilização industrial. A madeira é utilizada na produção de celulose, papel e carvão, além de ser tradicionalmente utilizada como lenha.

A casca é matéria-prima para a extração do tanino, sendo a principal fonte para a indústria em nível mundial. O tanino é utilizado para o curtimento do couro e peles e empregado na indústria farmacêutica. Além disso, a biomassa da copa (galhos e folhas) apresenta potencial para ser utilizada na geração de energia. Assim, constata-se que a acácia-negra pode ser considerada uma leguminosa de uso versátil, com valor comercial agregado na madeira e casca.

Sustentabilidade

[rml_read_more]

Além de exercer importante papel socioeconômico, essa espécie possui grande relevância ambiental, tendo em vista que apresenta bom crescimento em sítios inadequados para a agricultura, propiciando melhorias na fertilidade do solo.

Essas modificações edáficas se encontram relacionadas à capacidade da espécie de fixação biológica de N e elevada ciclagem de nutrientes via serapilheira, acarretando inúmeros benefícios, principalmente na recuperação e proteção dos solos. Em função disso, recomenda-se o plantio da acácia-negra para recuperação de áreas degradadas.

Apesar dos povoamentos de acácia-negra promoverem a fixação de N, o sistema de manejo utilizado é responsável por definir a sustentabilidade do sítio. Além da madeira, a espécie fornece a casca como importante subproduto, o que aumenta a exportação de nutrientes.

Isso implica em possíveis desequilíbrios no balanço nutricional ao longo das rotações. Sendo assim, o uso de fertilizantes minerais é essencial, principalmente para espécies arbóreas de rápido crescimento como a acácia-negra, visando atender as demandas de produtividade e sustentabilidade dos sítios em rotações presentes e futuras. Para haver manutenção da produtividade, a reposição nutricional deveria ser pelo menos igual à exportada do sítio por meio da colheita.

Nesses plantios, os nutrientes exportados do solo em maiores quantidades, em ordem decrescente, são N > K > Ca > Mg > S > P. Este cenário pode causar grandes impactos na fertilidade e provável requerimento de fertilização do solo para uma nova rotação na área.

Produção da biomassa

A biomassa total em plantios de acácia-negra varia em função do sítio e idades. Estudos indicam que a produção total de biomassa em plantios de zero a oito anos pode variar entre 24,10 e 174,67 mg ha-1. Ao final do ciclo da espécie, a maior parte dessa biomassa se encontra acumulada na madeira, seguido da casca, galhos e folhas.

Em estudo realizado no Rio Grande do Sul para avaliar a capacidade energética da madeira e casca da acácia-negra em diferentes espaçamentos (2,0 m x 1,0 m e 1,0 m x 1,5 m) aos 36 meses de idade, encontrou-se na casca elevados valores de poder calorífico superior, teor de cinzas e teor de carbono fixo, assim como na madeira, que apresentou elevados valores de massa específica básica, teor de materiais voláteis, biomassa e densidade energética, independentemente do tipo de espaçamento.

O preparo do solo na linha de plantio, com a adubação de fundação utilizando esterco bovino, NPK, superfosfato triplo e calcário influenciaram positivamente o crescimento e a produção de biomassa de outra espécie de acácia (Acacia mangium) no Rio Grande do Norte, como mostrado em um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Estado.

O método de cultivo mais intensivo respondeu positivamente ao incremento na produção de biomassa e apresentou alta produtividade do lenho até o quarto ano de idade (idade máxima de observação na pesquisa). No terceiro ano do plantio, obteve-se um incremento médio de 23,26 m3/ha/ano.

Plantio e manejo

Para o plantio, o mais usual é a utilização de mudas. As mudas selecionadas para o plantio devem apresentar diâmetro de coleto acima de 1,5 mm e altura de 15 a 30 cm. O espaçamento utilizado varia entre 2,0 m x 2,0 m (2.500 plantas ha-1), 3,0 m x 1,5 m (2.222 plantas ha-1) e 3,0 m x 2,0 m (1.667 plantas ha-1).

Em geral, quanto menor o espaçamento, maior a produção de madeira e casca, no entanto, menor é a concentração de taninos. Durante a condução da floresta, na fase inicial deve-se manter a área livre de plantas daninhas. A cultura não necessita de desramas ou podas ao longo do ciclo.

As formigas devem ser monitoradas desde a implantação da cultura. Entre as pragas de relevância estão o cascudo serrador (Oncideres impluviata) e a lagarta-da-acácia-negra. Dentre os patógenos, a doença que se destaca é a gomose (Phytophthora sp.), que gera lesões necróticas na casca, formando exsudação de goma através dos órgãos da planta, enquanto a murcha de Ceratocystis é uma doença de menor relevância.

Em povoamento de acácia-negra situado em Latossolo Vermelho-Amarelo Distrófico típico no sudeste do Paraná, recomenda-se a aplicação de 40 g/planta de P2O5 e 40 g/planta de K2O em conjunto, resultando em aumento do volume de madeira. No Rio Grande do Sul, em povoamento de acácia-negra aos seis anos de idade situado em Argissolo Vermelho-Amarelo distrófico típico, recomenda-se a aplicação de 40 kg ha de N e 80 kg ha de P.

O fósforo é considerado de extrema importância para o crescimento das árvores. Com a adição de P são observadas respostas de crescimento linear das variáveis diâmetro à altura do peito (DAP), altura e volume.

Produção de madeira

Estudos que avaliaram a produção de acácia-negra em diferentes tipos de solos observaram que nos Argissolos e Cambissolos a produção de madeira foi 30% superior quando comparado aos Neossolos.

Dessa forma, pode-se constatar que em solos mais profundos, com boa drenagem e com maior disponibilidade de nutrientes, a acácia-negra apresenta melhor desenvolvimento. Isso ocorre em função da acácia-negra possuir sistema radicular superficial, tornando-se suscetível ao tombamento e a danos no colo. Por isso, é necessário evitar áreas com a presença de ventos fortes, principalmente quando implantada em solos com muito cascalho.

Estoque de carbono

A colheita pode ocorrer entre cinco a 10 anos, de acordo com o clima, considerando-se sete anos a idade na qual os teores de tanino da casca apresentam a melhor qualidade. A produtividade gira em torno de 10 a 25 m³ ha-1 ano-1 de madeira e 15 t ha-1 de casca. No Paraná, experimentos indicam produtividade de 31-36 m³ ha-1 ano-1.

Em relação a valores, a tonelada da casca é cotada a R$ 300,00 e o metro da madeira a R$ 75,00. A espécie também apresenta elevada importância quando se considera o papel das árvores no ciclo global do carbono.

Os plantios da espécie atuam na fixação do carbono atmosférico (CO2), podendo armazenar mais de 60 mg ha-1 na biomassa das árvores aos sete anos de idade. No final do ciclo, a maior parte desse carbono se encontra acumulado na madeira, seguido dos galhos, raízes, casca e folhas.

Um estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná revela que a espécie fixa carbono em sua biomassa de modo análogo às principais espécies do setor florestal brasileiro, podendo variar entre localidades e idade.

Tabela 1. Valores de Teor de Carbono da Copa (TCC) e Teor de Carbono no Fuste (TCF) para povoamentos de Acacia mearnsii, cultivados no Estado do Rio Grande do Sul.

Grupo Teores Médios de Carbono
Copa Fuste
Jovem 47,58% 44,49%
Média inicial 47,16% 44,44%
Média avançada 46,89% 44,43%
Madura 46,62% 44,45%

(Fonte: Martins et al. 2020 – Carbono nos componentes da biomassa de Acacia mearnsii De. Wild.)

ARTIGOS RELACIONADOS

Café é a 2ª bebida mais consumida no Brasil

O café é a 2ª bebida mais consumida no Brasil, só ficando atrás da água.

Cultivo com irrigação por gotejamento subterrâneo

A germinação dos cultivos de cereais utilizando-se de sistemas de irrigação se tornou uma prática comum e necessária, principalmente aos produtores que desejam potencializar sua produtividade fazendo três safras em um ano agrícola.

Ouro roxo: açaí gera mais de R$ 3 bilhões para o Brasil

De olho nesse mercado bilionário, família do Paraná inova e começa a comercializar o açaí raiz para sorveterias, que terão a chance de gourmetizar o produto conforme a escolha do cliente.

Tecnologia inédita para projetos de crédito de carbono

Moss Forest, primeira solução brasileira capaz de fazer monitoramento digital de florestas com inteligência artificial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!