14.3 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiÁcaro-rajado e tripes - Ameaças ao morangueiro no período seco

Ácaro-rajado e tripes – Ameaças ao morangueiro no período seco

 

Alexandre Pinho de Moura

Engenheiro agrônomo, D.Sc. em Entomologia e pesquisador da Embrapa Hortaliças

alexandre.moura@embrapa.br

Crédito Alexandre Pinho de Moura
Crédito Alexandre Pinho de Moura

A ocorrência de pragas e doenças na cultura do morangueiro é bastante influenciada pelas condições climáticas locais. Dessa forma, muitos agricultores de diversas regiões produtoras do Brasil concentram seus cultivos durante o período seco, visando, principalmente, minimizar a ocorrência de doenças que proliferam com maior facilidade durante o período chuvoso.

Entretanto, durante o período seco, o morangueiro sofre mais frequentemente com o ataque do ácaro-rajado Tetranychus urticae (Acari: Tetranychidae) e de tripes (Thysanoptera), pragas responsáveis por causarem reduções na produção que podem chegar a 80%.

É durante esse período, também, que a ação dos principais inimigos naturais dessas pragas fica prejudicada, principalmente por influência da baixa umidade relativa do ar, afetando sua eficiência de controle, sobrevivência e permanência no cultivo.

Em face disso, muitas vezes os produtores intensificam as aplicações de agrotóxicos, objetivando o combate a essas pragas. Como resultado, acabam prejudicando ainda mais o equilíbrio biológico existente entre as populações das pragas e de seus agentes biológicos de controle nos cultivos.

Nesse sentido, é importante lembrar que as ações efetivadas pelos produtores, visando ao controle dessas pragas, devem ser realizadas de modo que causem o menor distúrbio possível ao ambiente de cultivo, sem anular os efeitos oriundos da aplicação de outras medidas de controle sobre as populações dessas pragas.

Ou seja, devem-se adotar medidas que sejam compatíveis entre si, optando-se sempre pela adoção de planos de manejo integrado das pragas que envolvam dois ou mais métodos de controle, alguns dos quais serão descritos a seguir.

 Ataques severos de ácaros podem causar a morte das plantas - Crédito Ricardo Borges Pereira
Ataques severos de ácaros podem causar a morte das plantas – Crédito Ricardo Borges Pereira

Ácaro-rajado – Tetranychus urticae

As fêmeas do ácaro-rajado colocam seus ovos, de formato esférico e coloração amarelada, entre os fios de teia por elas produzidos, que pode envolver uma ou várias folhas. Apresentam, geralmente, duas manchas verde-escuras no dorso, sendo uma de cada lado.

Sintomas do ácaro rajado no morangueiro - Crédito Alexandre Pinho de Moura
Sintomas do ácaro rajado no morangueiro – Crédito Alexandre Pinho de Moura

Injúrias e sintomas

Esse ácaro ataca a face inferior das folhas do morangueiro. As folhas atacadas apresentam manchas difusas de coloração avermelhada, que progridem para necrose, com posterior queda acentuada e prematura de folhas.

Em ataques severos pode causar a morte das plantas. O fruto, quando atacado, fica endurecido, seco e com coloração marrom. O ácaro-rajado é beneficiado pela presença de poeira, principalmente em plantios localizados próximos a estradas.

Quando da realização de plantio escalonado do morangueiro, sua disseminação é realizada facilmente pelo vento, de uma lavoura mais velha para uma mais nova. Temperaturas elevadas e condições de baixa umidade relativa do ar favorecem o crescimento populacional dessa espécie.

Temperaturas por volta de 30°C são consideradas ótimas para o seu desenvolvimento, enquanto que em baixas temperaturas apresenta pouca atividade.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Monitoramento e controle

O monitoramento do ácaro-rajado deve ser realizado uma a duas vezes por semana, de forma direta, por meio da contagem do número de adultos e ninfas presentes por folíolo, com o auxílio de uma lupa de aumento de 10x.

Deve-se coletar um folíolo por planta de morangueiro, avaliando-se cinco plantas por ponto amostral, em um total de 20 pontos de amostragem por talhão, totalizando 100 plantas avaliadas. Em períodos de maior incidência da praga, deve-se aumentar a frequência das amostragens, dando-se maior atenção aos sinais de clorose, à presença de folhas secas e de teias.

Prevenção

Quando a praga ocorrer em reboleiras, como medidas preventivas recomenda-se realizar seu controle localmente, ao invés de controlá-la em área total. Culturalmente, seu controle pode ser realizado:

– Por meio do uso de mudas sadias, isentas de ácaros;

– Evitando-se o escalonamento dos cultivos;

– Por meio do plantio de lavouras novas sempre no sentido contrário ao vento predominante, de modo a desfavorecer o deslocamento da praga dos plantios mais velhos para os mais novos;

– Por meio da implantação de quebra-ventos (barreiras vivas);

– Evitando-se o plantio de lavouras de morangueiro próximas a plantas hospedeiras do ácaro-rajado, tais como berinjela, jiló, maxixe, pepino, vagem, etc.;

– Realizando a sucessão e rotação de culturas com plantas não hospedeiras do ácaro-rajado;

– Destruindo e incorporando os restos culturais e evitando a manutenção de cultivos abandonados.

De forma complementar às táticas de controle descritas anteriormente, pode-se efetuar o controle do ácaro-rajado por meio da pulverização de calda sulfocálcica ou de óleo mineral, de óleo vegetal emulsionável ou de inseticida à base de extrato de sementes de nim, na concentração de 0,5%. No entanto, deve-se evitar o uso de calda sulfocálcica no período de floração, que pode causar o abortamento de flores.

Essa matéria completa você encontra na edição de outubro  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Berinjela: Qual o manejo nutricional ideal?

Autores Roberto Botelho Ferraz Branco Pesquisador científico - APTA/Instituto Agronômico – Centro de Horticultura branco@iac.sp.gov.br A berinjela (Solanum melongena) é uma espécie pertencente à família...

Como evitar desperdícios pós-colheita?

No cenário de hortifrúti, é de suma importância que no período de colheita os profissionais do agro estejam atentos ao processo de maturação das frutas, verduras e legumes, assim como aos atributos dos alimentos que serão colhidos, já que cada um possui características específicas, por meio das quais é possível detectar se realmente estão prontos para serem apanhados na lavoura e encaminhados ao processo de pós-colheita.

Winning Pack – Qualidade total no que faz

A Winning Pack participa do Fórum Abisolo há três anos, um evento que Marco Antonio dos Santos Souza, diretor comercial da empresa, considera importante...

Isla apresenta novidades na Hortitec

A Isla Sementes, uma das maiores empresas do setor do país, vai apresentar novidades na 22ª edição da Hortitec, que ocorre entre 17 e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!