Acerola tem 20 vezes mais vitamina C que a laranja

0
379

Aceitação pelo consumidor do sabor da fruta está associado ao forte apelo comercial em razão do elevado teor de vitamina C.A maior preocupação do produtor que quer se dar bem neste mercado, entretanto, deve estar direcionada para a obtenção de mudas que garantam um produto geneticamente melhorado

Crédito Internet
Crédito Internet

Numa análise da expansão da cultura da acerola no Brasil, deve-se realizar uma avaliação de três importantes passos. O primeiro diz respeito à aceitação pelo consumidor do sabor da fruta associado ao forte apelo comercial em razão do elevado teor de vitamina C, até 20 vezes maior que na laranja.

 O segundo refere-se ao tamanho do mercado consumidor, tanto para comercialização interna como para exportação. E o terceiro, quais as condições tecnológicas para o plantio, cultivo e colheita de modo que garanta ao produtor o retorno econômico compatível com o investimento realizado.

Numa análise inicial, a acerola foi promovida e divulgada pela forma agradável de adicionar, na dieta humana, as quantidades diárias de vitamina C. O consumo na forma de suco, sorvete e geleia trouxe uma nova e diferente opção de sabor disponível ao público consumidor.

No Brasil, esta característica de um novo produto disponível, principalmente na forma de polpa congelada, foi um grande passo mercadológico, uma vez que incorporou um mercado consumidor bastante significativo.

Clima

As condições climáticas existentes em grande parte do Brasil, notadamente nas regiõesdo Vale do Rio São Francisco, são excelentes para o cultivo da acerola. Nestas regiões o benefício se deve à associação de temperatura, umidade relativa do ar e disponibilidade de água para irrigação. Tudo isso garante elevado rendimento na produção de frutas e a padronização da qualidade exigida nos mercados internacionais.

 

Mudas

Nossa preocupação maior está direcionada para a obtenção das mudas a serem plantadas. Uma vez que a acerola pode ser propagada tanto via semente, portanto, de forma sexual, possibilitando uma variação enorme na qualidade genética da muda de acerola, e também por via vegetativa, utilizando-se técnicas de estaquia ou enxertia, que tem seu sucesso dependente da escolha da planta matriz.

Deste modo, a origem da muda deve passar por um processo de seleção criterioso de modo a garantir um produto geneticamente melhorado.

Genética

A qualidade genética, uma vez definida, não há como ser modificada num plantio comercial. As variações quanto à cor da fruta, a presença de pilosidade nas folhas e o teor em vitamina C são exemplos de características que estão dependentes da origem do material utilizado como planta matriz para a propagação da acerola.

A identificação de instituições que estão trabalhando de forma a garantir um elevado padrão genético das mudas constitui-se em fator decisivo para o sucesso comercial no plantio da acerola.

Para mais informações sugerimos o curso “Produção de Acerola” lançado pelo CPT – Centro de Produções Técnicas. Leia mais em: http://www.cpt.com.br/cursos-fruticultura-agricultura

Essa matéria você encontra na edição de julho 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.