Aumento no nitrato

0
236

Talis Melo Claudino Engenheiro agrônomo e mestrando em Energia na Agricultura– UNESP/FCA – Botucatu-SPt.claudino@unesp.br

Rodrigo Ferrari ContinEngenheiro agrônomo – Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) – Bandeirantes-PRrodrigo_12@hotmail.com

Murillo Pegorer SantosEngenheiro agrônomo – UENPmurillo@rosalito.com.br

Milho – Fotos: Shutterstock

O milho safrinha vem se destacando no cenário nacional por ser uma cultura semeada após a soja, trazendo grande rentabilidade ao produtor rural devido aos altos preços encontrados no ano de 2021.

Para isso, altas produtividades necessitam ser atingidas para que a rentabilidade do agricultor compense o risco que pode haver diante das situações climáticas em diversas regiões onde acontecem estresses hídricos intensos e geadas.

A cultura do milho é altamente responsiva à adição de insumos, principalmente o nitrogênio, sendo a eficiência desse nutriente diretamente relativa à produtividade de grãos (Martin et al., 2011).

Importância do nitrogênio

Em vários estudos foi destacada a importância do nitrogênio na cultura do milho, ligado diretamente ao crescimento, desenvolvimento e aumento da produção de grãos.  Fisiologicamente, o N é fundamental para a síntese de clorofila da planta, ou seja, ele age diretamente na eficiência da planta em utilizar a energia solar para as suas funções essenciais para o crescimento e desenvolvimento, resultando em maior biomassa e, consequentemente, maior potencial da lavoura.

Além disso, é um elemento fundamental para a composição de aminoácidos, os quais são constituintes das proteínas, formação de clorofila e enzimas necessárias para o crescimento das plantas.

O nitrato é um elemento altamente assimilável pelas plantas, fornecendo grande quantidade de nutrientes. É encontrado no solo por participar das transformações do nitrogênio aplicado no solo. Absorvido por fluxo de massa, as raízes têm a capacidade de absorvê-lo e transportar para planta para que ocorra a redutase do nitrito e do nitrato, e desta forma, fornecendo o nitrogênio da forma assimilável para a planta.

Poder no solo

Como se conhece, o N no solo tem um alto poder de volatização ocorrido pelas ureases presentes no solo, e desta forma, não absorvido pelas plantas. A utilização de ácidos húmicos pode contribuir altamente para a melhor aproveitamento deste nutriente de duas formas, realizando o condicionamento do solo, ou até mesmo por alterações nas fisiologias, que ocorrem quando aplicados via foliar.

As substâncias húmicas são uma estrutura supramolecular, dividida em ácidos húmicos, ácidos fúlvicos e huminas, com algumas características, como (Sposito, 2004):

Polifuncionalidade: existem grandes grupos funcionais, proporcionando amplo espectro de reatividade.

Carga macromolecular negativa: tem alta reatividade com outras moléculas.

Hidrofilicidade: a substância húmica uma alta tendência de formar fortes pontes de hidrogênio com a água.

Maleabilidade estrutural: alta capacidade de associação intermolecular e mudança na conformação molecular em função da mudança de pH, dos valores redox, da concentração eletrolítica e ligações a diversos grupos funcionais.

Culturas beneficiadas

As substâncias húmicas são solúveis em água e apresentam alta bioatividade, tanto no solo quanto nas plantas, quando aplicadas via foliar nas culturas, tendo sido observadas respostas nas culturas da soja, cana-de-açúcar, milho e demais culturas.

No solo, como condicionadores de solo os ácidos húmicos têm a função como coloides, com alta CTC e CTA, realizando a complexação de elementos, assim como o nitrogênio. Desta forma, o aproveitamento dele é elevado, pois este insumo alternativo em diversas culturas realiza mudanças químicas, microbiológicas e físicas, podendo resultar em incremento de produtividade em decorrência do resultado que os ácidos húmicos promovem para a estrutura física e química do solo e para o metabolismo da planta.

A ligação do ácido húmico no solo ao nitrato faz com que ele tenha maior disponibilidade e de forma mais gradativa as plantas, e assim leva a maiores produtividades. Já foi observado que fertilizantes nitrogenados com substâncias húmicas têm maior aproveitamento, e assim elevam a produtividade das culturas.

Além disso, as substâncias húmicas apresentam efeitos auxínicos, em contato com a planta, tanto na raiz quanto nas folhas, estimulando o maior crescimento radicular e assim aumentando a área de superfície para a absorção do nitrato e de demais nutrientes fundamentais para a maior produtividade.

Via foliar

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.