18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Hortifrúti Ácidos húmicos auxiliam no arranque inicial da muda de morango

Ácidos húmicos auxiliam no arranque inicial da muda de morango

 

Nilva Teresinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL)

nilva@unipinhal.edu.br

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Os ácidos húmicos e fúlvicos fazem parte das chamadas substâncias húmicas, que são as frações mais estáveis da matéria orgânica do solo – o denominado húmus. As substâncias húmicas formam aproximadamente 70 a 80% da matéria orgânica na maioria dos solos, e são compostas pelas frações:

  • Humina: insolúvel tanto em meio alcalino como em meio ácido e representam a matéria orgânica intimamente ligada à fração mineral do solo, e por isso insolúvel;
  • Ácidos húmicos: insolúvel tanto em meio alcalino e solúvel quanto em meio ácido;
  • Ácidos fúlvicos: alcalino-solúvel, que se mantém em solução após a remoção dos ácidos húmicos por acidificação.

Os ácidos húmicos são coloides orgânicos muito complexos, de elevado peso molecular (entre 10.000 a 100.000), com 50 a 60% de carbono, 45 a 50% de oxigênio e 3,5 a 5% de nitrogênio. Apresentam, ainda, muitos radicais orgânicos, como carboxílicos, fenólicos, hidroxifenólicos, hidroquinônicos, amínicos, amídicos, imídicos, porfirínicos e cor negra ou parda.

Atuação

Os ácidos húmicos têm ação coloidal sobre argilas do solo, alta capacidade de troca catiônica e grande capacidade de retenção de água. Já os ácidos fúlvicos apresentam-se com peso molecular relativamente baixo, entre 640 a 5.000, com 42 a 40% de carbono; com 30 a 36% de oxigênio e 2 a 4% de nitrogênio.

Apresentam, ainda, muitos radicais orgânicos como carboxí­licos, fenólicos, hidroxifenólicos, hidroquinônicos, amínicos, amí­dicos, imí­dicos, porfíricos e cor amarela clara; estrutura relativamente pouco estável; e média capacidade de troca iônica.

Os ácidos húmicos contêm na estrutura grupamentos auxí­nicos que ativam as bombas de H+-ATPase da membrana plasmática, o que acidifica o apoplasto e, assim, aumentam a plasticidade da parede celular, resultando no aumento do desenvolvimento radicular, principalmente estimulando a formação de raízes laterais.

A tabela 1 mostra alguns dos efeitos dos referidos ácidos no solo. Já a tabela 2 indica alguns dos benefícios dos materiais nas plantas.

Tabela 1 – Alguns dos efeitos das substâncias húmicas no solo

Propriedades

Substâncias húmicas

Resultados no solo

Efeito tampão

Função tamponante.

Ajuda a manter o equilíbrio da solução do solo.

Disponibilização de nutrientes

Desloca o fósforo da superfície das argilas.

Melhora a oferta de fósforo às plantas.

Biologia de solo

Fornece matéria orgânica e ativa o desenvolvimento dos microrganismos.

Melhora a microbiota do solo.

 

Tabela 2 ” Alguns dos efeitos das substâncias húmicas nas plantas

Processo

Substâncias húmicas

Resultados nas plantas

Absorção de água e de nutrientes

Aumenta a permeabilidade celular.

Melhoria da quantidade absorvida, da mobilidade dos nutrientes e transporte dos mesmos.

Fotossíntese

Incremento da taxa de formação das clorofilas.

Aumento da produção de açúcar e, em consequência, de proteínas e óleos.

Respiração

Estímulo da atividade das enzimas do ciclo do ácido tricarboxílico e da cadeia respiratória.

Maior geração de energia e de metabólitos intermediários importantes.

Divisão celular

Estimula a formação de auxinas naturais.

Estímulo à formação de tecidos meristemáticos.

Analisando o exposto e o incluso na tabela 1, conclui-se que a utilização dos ácidos húmicos e fúlvicos nos cultivos agrícolas pode melhorar as propriedades físicas, químicas e microbiológicas dos solos, beneficiando, assim, o enraizamento das plantas, seu desenvolvimento e produção.

Benefícios

 Efeitos diretos da aplicação de tais ácidos sobre o crescimento e metabolismo das plantas têm sido descritos, o que corrobora o resumo inserido na tabela 2. Relata-se que tais materiais aumentam a produção de clorofila e estimulam as enzimas do Ciclo de Krebs.

 Dados de literatura enfatizam o efeito sinergético da interação entre substâncias húmicas e fertilizantes minerais sobre o crescimento de plantas cultivadas em solução nutritiva e no campo, demonstrando que tal associação pode melhorar a disponibilidade e absorção de nutrientes pelas plantas.

Considera-se que tais materiais provocam o deslocamento dos íons retidos pelas partículas do solo, disponibilizando-os às plantas. Ressalta-se que os efeitos relacionados à disponibilidade de nutrientes às plantas pelas substâncias húmicas não ocorrem devido a nutrientes nelas contidos.

Colaboram, ainda, para a capacidade do solo em reter e disponibilizar nutrientes adsorvidos ao solo, principalmente com relação ao fósforo retido, influenciando, inclusive, na capacidade de troca catiônica do solo.

Analisando o exposto e o incluso na tabela 1, conclui-se que a aplicação dos ácidos húmicos e fúlvicos, nos cultivos agrícolas, pode melhorar as propriedades físicas, químicas e microbiológicas dos solos, beneficiando, assim, o enraizamento das plantas, seu desenvolvimento e produção.

Inicio Revistas Hortifrúti Ácidos húmicos auxiliam no arranque inicial da muda de morango