23.3 C
São Paulo
quarta-feira, julho 6, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Ácidos húmicos e fúlvicos com Trichoderma no sulco de plantio

Ácidos húmicos e fúlvicos com Trichoderma no sulco de plantio

Nilva Teresinha Teixeira

Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora do Curso de Engenharia Agronômica do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL)

nilvatteixeira@yahoo.com.br

 

Crédito Case IH
Crédito Case IH

Os ácidos húmicos abrangem um complexo de substâncias que se caracterizam por serem coloides orgânicos muito complexos, de elevado peso molecular; apresentarem entre 40 a 60% de carbono; 30 a 40% de oxigênio; 5% de nitrogênio; radicais das mais diversas naturezas, como carboxílicos, fenólicos, hidroxifenólicos, hidroquinônicos, amínicos, amídicos, imídicos, entre outros; cor negra ou parda.

Além disso, apresentam ação coloidal sobre as argilas, têm alta capacidade de troca catiônica, estrutura estável e grande capacidade de retenção de água. Já os ácidos fúlvicos apresentam peso molecular relativamente baixo; entre 40 a 60% de carbono; 40 a 50% de oxigênio; 1% de nitrogênio; muitos radicais orgânicos, como: carboxílicos, fenólicos, hidroxifenólicos, hidroquinônicos, amínicos, amídicos, imídicos, porfirínicos, etc.

Tabela 1 ” Propriedades das substâncias húmicas

Propriedades Humina Ácidos húmicos Ácidos fúlvicos
Peso molecular >100.000 10.000 a 100.000 640 ” 5.000
CTC (cmolc kg-1) <500 ~1.400 ~500
C (%) >62 51 ” 62 42 ” 47
O (%) <30 45 ” 50 31 ” 36
N (%) >5 3,6 -5,5 2,0 ” 4,1

Assim, ao introduzir no solo produtos contendo substâncias húmicas, haverá aumento nas cargas do solo, aumentando a capacidade de troca iônica, favorecendo assim a retenção de nutrientes no solo e aumentando a oferta às plantas. Nota-se também que tais substâncias promovem a adição de carbono nas áreas, o que melhora a vida microbiológica.

Benefícios

Como tais materiais têm ação coloidal, eles beneficiam a estruturação do solo (tanto argiloso como arenoso). Ainda, sua capacidade de retenção de água é importante para o aproveitamento da mesma pelas plantas. É de conhecimento que os referidos ácidos contribuem para a melhoria da disponibilidade de nutrientes às plantas, principalmente do fósforo.

Em adição aos efeitos no solo, os ácidos húmicos e fúlvicos influenciam o desenvolvimento das plantas, estimulando a taxa fotossintética, o ciclo de Krebs e a cadeia respiratória, processos metabólicos fundamentais para o desenvolvimento e produção das plantas.

Ainda, promovem a formação de auxinas responsáveis pela divisão celular beneficiando, desta maneira, o enraizamento, o desenvolvimento vegetativo, a floração e a frutificação.

Veja nas tabelas 2 e 3 outros efeitos que os ácidos húmicos e fúlvicos exercem no solo e nas plantas.

Tabela 2 ” Efeitos dos ácidos húmicos e fúlvicos no solo

Propriedades Características Efeitos no solo
Cor Varia doamarelo ao quase negro. Interferência no matiz e no croma do solo; retenção de calor.
Retenção de água Podem reter até 20 vezes a sua massa. Armazenamento de água no solo.
União de partículas

Sólidas

Cimentam partículas do solo, formando agregados. Formação de estruturas no solo; porosidade e densidade do solo.
Desagregantes das argilas Promovem a melhoria das propriedades físicasde solos compactados. Auxilia na descompactação de solos.
Complexação Formam complexos (Cu++, Mn++, Zn++, Al+++,Ca++, Cd++) Detoxificação de íons tóxicos

(Al+++), aumenta a mobilidade de íons.

Tabela 3 ” Efeitos dos ácidos húmicos e fúlvicos nas plantas

Processo Substâncias húmicas Resultados nas plantas
Absorção de água e nutrientes Aumentaa permeabilidade celular. Melhoria da quantidade absorvida, da mobilidade dos nutrientes e transporte dos mesmos.
Fotossíntese Incremento da taxa de formação das clorofilas. Aumento da produção deaçúcar e, em consequência, de proteínas e óleos.
Respiração Estímulo da atividade das enzimas do ciclo do ácido tricarboxílico e da cadeia respiratória. Maior geração de energia e de metabólitos intermediários importantes.
Divisão Celular Estimula a formação de auxinas naturais. Estímulo à formação de tecidos meristemáticos.

O Trichoderma

Trichoderma é um fungo habitante natural do solo. Ele tem a capacidade de se alimentar ou produzir substâncias que inibem o crescimento de diversos patógenos habitantes do solo, como Fusarium, Rhizoctonia e Sclerotinia, bem como fitonematoides.

Atua também na decomposição e mineralização dos resíduos vegetais, contribuindo na disponibilização de nutrientes para as plantas. Age como antagonista, prejudicando o desenvolvimento de fungos fitopatogênicos.

O Trichoderma é de crescimento rápido e pode ser empregado como fungicida e nematicida biológico, com inúmeras vantagens como, por exemplo, a de não contaminar o meio ambiente.

São vários os mecanismos de ação utilizados por esses fungos, dentre os quais destacam-se a produção de metabólitos e enzimas com propriedades antifúngicas, o hiperparasitismo e a competição por nutrientes. Ainda, algumas citações de literatura informam que isolados de Trichoderma agem na solubilização de fosfato e outros minerais, colocando-os disponíveis para as plantas.

Produzem compostos semelhantes às auxinas, induzindo a elongação celular, estimulando assim o desenvolvimento vegetal.Algumas espécies de Trichodermatêm alta capacidade de colonizar o sistema radicular (rizocompetência), influenciando a região de cerca de até 03 mm ao redor das raízes, denominada de rizosfera.

Assim, protege as raízes dos agentes patogênicos, por meio dos antibióticos que produzem, pelo parasitismo por meio das enzimas que degradam as paredes dos patógenos, pela competição por nutrientes ou pela indução de resistência.

O uso conjunto dos ácidos húmicos e fúlvicos e de Trichoderma pode proporcionar aos cultivos agrícolas:

Ãœ Maior resistência às pragas e doenças;

Ãœ Maior enraizamento, o que permite melhor exploração dos nutrientes e da água presente;

Ãœ Aumento na disponibilidade dos nutrientes às plantas;

Ü Plantas mais produtivas.

Essa matéria completa você encontra na edição de novembro 2016 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

Inicio Revistas Grãos Ácidos húmicos e fúlvicos com Trichoderma no sulco de plantio