15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAdjuvantes - Mais absorção dos defensivos

Adjuvantes – Mais absorção dos defensivos

Willian Alves Machado

Engenheiro agrônomo e sócio-fundador da Super Agro – Soluções em Tecnologia de Aplicação

alvesmachado11@gmail.com

 

Crédito Montana
Crédito Montana

Adjuvantes são produtos adicionados à calda de pulverização com a finalidade de aumentar a performance ou desempenho dos produtos fitossanitários (inseticidas, fungicidas e herbicidas), melhorando sua absorção e translocação nos vegetais, aumentando sua deposição foliar, assim como reduzindo a possibilidade de deriva durante as aplicações.

Eles podem agir como redutores da tensão superficial (iônicos e não iônicos), como protetores solares, anti-evaporantes, anti-espumantes, redutores do pH da calda, emulsificantes e redutores de deriva. São conhecidos também como aditivos, quando previamente adicionados na fabricação dos produtos comerciais.

Quando aplicar

O adjuvante não pode entrar em qualquer pulverização. Isso está relacionado às condições da aplicação, às características físico-químicas das caldas de pulverização e às necessidades de cada cultura.

Em certos casos, os adjuvantes são fundamentais para melhorar o desempenho das aplicações, principalmente quando é possível reduzir o volume de calda e melhorar a deposição.

Outro caso seria a aplicação em condições ambientais de alta temperatura e baixo teor de umidade, quando os adjuvantes apresentam maior efeito protetor de ingrediente ativo. Mas, por outro lado, quando é possível aumentar muito a absorção de certos produtos com os adjuvantes, isso pode causar aparente fitotoxicidade, devido ao aumento da permeabilidade da membrana plasmática nas células vegetais.

Vantagens de usar adjuvantes nas pulverizações

Entre as diversas vantagens do uso dos adjuvantes, pode-se citar: a quebra da tensão superficial das moléculas de água presentes na calda de pulverização, promovendo maior espalhamento cuticular; o efeito emulsificante por melhorar a interação entre produtos hidrofóbicos com a água; a redução do pH da água, permitindo maior vida útil, principalmente de herbicidas e fertilizantes foliares que necessitam de uma calda com pH mais baixo e, principalmente, o uso de água dura para composição da calda.

Outra vantagem é quando eles atuam como protetores solares de inseticidas e fungicidas; e comoanti-espumantes, já que as agitações de tanque podem causar maior presença do ar na mistura dos produtos com a água.

Os adjuvantes podem, ainda, reduzir o potencial de deriva, quando se usam gotas muito finas com pontas de pulverização sob alta pressão. Dessa forma, os adjuvantes podem aumentar o espectro de gotas e, consequentemente, o DMV, causando menor potencial de deriva e maior segurança nas aplicações, principalmente de herbicidas.

Por fim, entre outras propriedades positivas, os adjuvantes também podem ser recomendados para limpeza do pulverizador, entupimentos, entre outros.

Mistura certa

A formação de uma calda de pulverização é realizada da seguinte maneira: primeiro adiciona-se a água ao tanque do pulverizador previamente limpo; em seguida, adiciona-se o adjuvante de forma a preparar o meio para receber o produto fitossanitário, e por último, adiciona-se o produto recomendado.

Na dose certa

Os adjuvantes podem ser recomendados de acordo com a bula de cada fabricante. Os valores variam de acordo com a recomendação. Se forem recomendados por concentração de calda, podem variar de 30 a 90 mL para 100 L de calda. Caso forem recomendados por área, podem variar de 0,1 a 2,0 L/ha.

Influência do adjuvante na eficácia do ingrediente ativo

Os adjuvantes podem influenciar positivamente a eficácia de um ingrediente ativo. Parte-se do pressuposto que pequena porcentagem de produto chega ao alvo numa pulverização, pois existem as perdas, a deriva, os escorrimentos, além de inativações e degradações naturais numa calda de pulverização.

Portanto, a presença dos adjuvantes pode garantir que o produto tenha um bom desempenho, mesmo quando se atinge o alvo de uma pulverização em baixa porcentagem. Por exemplo, os óleos vegetais podem aumentar a absorção e a capacidade de penetração cuticular, promovendo maior efeito do ingrediente ativo.

Os surfactantes permitem maior espalhamento de gotas, levando à maior cobertura e proteção foliar, aumentando o desempenho no controle de pragas e doenças, quando se usam inseticidas e fungicidas.

Os adjuvantes redutores de pH garantem menores prejuízos da “água dura“, com alta concentração de cátions sobre os ingredientes ativos do produto fitossanitário. Os emulsificantes garantem maior mistura dos produtos com a água de pulverização, aumentando a uniformidade da composição da calda.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Desafios das tecnologias Bt no Brasil

  Até 2007 o cenário do cultivo de milho no Brasil era de crescentes perdas por ataques de lagartas, o que assustava cada vez mais...

Cultivo protegido: Proteção e qualidade total para as plantas

  Glaucio da Cruz Genuncio glauciogenuncio@gmail.com Doutor em Nutrição Mineral de Plantas-UFRRJ Everaldo Zonta Doutor em Fertilidade do Solos-UFRRJ Elisamara Caldeira do Nascimento MSc em Fitotecnia - UFRRJ   O cultivo protegido tem...

Projeto Cultivida IHARA distribui 110 mil EPIs para produtores de todo o Brasil

Lançada em 2012, iniciativa que percorreu diversos estados do país, entra em nova fase com entrega gratuita de equipamentos de proteção individual aos agricultores...

ICL apresenta novas formulações de ponta no Congresso da Andav

Pelo terceiro ano a ICL-SF participou do Congresso da Andav. Na ocasião foi destacada a linhas ICL Specialty Fertilizers, que oferece uma gama de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!