23.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAdubação biológica é recurso para enfrentar a compactação do solo

Adubação biológica é recurso para enfrentar a compactação do solo

Fabiano Pacentchuk

Doutorando da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)

fabianopacentchuk@gmail.com

Criz Renê Zanovello

Mestrando ” Unicentro

renecriz@hotmail.com

JhonatanSpliethoff

Mestrando ” Unicentro

jhonatanspliethoff@hotmail.com

Leandro Rampim

Professor da Unicentro

rampimleandro@yahoo.com.br

Crédito Pixabay
Crédito Pixabay

Com o aumento da área cultivada e a elevação constante da demanda por alimentos, cresce também a demanda por novas tecnologias de produção. Dentre os novos desafios da agricultura moderna, tem-se o manejo dos atributos físicos do solo associado à manutenção do estoque de carbono orgânico no solo, principalmente em sistema de plantio direto (SPD).

A manutenção do estoque de carbono orgânico do solo, em SPD, está relacionada ao manejo adequado das culturas, devendo associar diferentes culturas no sistema de rotação e sucessão, repercutindo em adequada quantidade de resíduos vegetais na superfície do solo durante todo o ano (Steiner et al., 2011). Neste contexto, uma das formas de equacionar os mencionados atributos físicos do solo é por meio do uso de adubos verdes.

Compactação do solo

A função primordial do solo é dar sustentação para a planta, além de ser fonte de nutrientes e reserva de água. Essa interação com o solo é feita pelo sistema radicular, igualmente vivo ao restante da planta. Diferente da parte aérea, o sistema radicular não realiza fotossíntese, porém, precisa de energia para manter-se vivo (Taiz e Zeiger, 2013).

Quando um solo apresenta-se em estado de compactação, há redução dos poros, que prejudica circulação de gases no solo. A compactação também provoca aumento na resistência à penetração do sistema radicular, que acaba por reduzir o comprimento e massa do sistema radicular de culturas comerciais (Jimenez et al., 2008), o que reduz a produtividade de grãos.

Consequentemente, prejudica a captação dos nutrientes e da água, pois, com menos raízes, é reduzida a absorção destes recursos pela planta, o que a deixa mais suscetível à deficiência hídrica e ao ataque de pragas.

A infiltração de água no solo também é prejudicada, pois, uma vez que o solo está mais adensado, fica pré-disposto ao aumento do escoamento superficial da água e pode agravar o déficit hídrico (Lanzanova et al., 2007). Tudo isso resulta no lucro do produtor, que está diretamente relacionado à rentabilidade de cada área de cultivo.

A compactação é ocasionada pela forma de manejo da área agrícola, principalmente devido ao intenso tráfego de máquinas agrícolas, de variadas dimensões e pesos, o que interfere diretamente sobre o solo. Porém, é sabido e incontestável que as máquinas agrícolas são indispensáveis na agricultura moderna para realizar o manejo adequado das áreas de cultivo. Desta forma, devem-se buscar meios de se manejar a área para que os efeitos da compactação do solo sejam minimizados ou mesmo anulados.

Alternativas

Kunz et al. (2013) citam que uma das alternativas para a redução dos efeitos da compactação do solo pode ser a escarificação da área, especificamente das camadas superficiais compactadas. Porém, a escarificação altera intensamente a qualidade física do solo, podendo prejudicar produtividade das culturas (Araújo et al.,2004; Kunz et al., 2013). Isso ocorre devido à elevada desagregação do solo ao executar a escarificação, que intensifica a infiltração da água (adequada para reduzir a erosão hídrica), sobretudo, minimiza o armazenamento de água no solo, que intensifica o déficit hídrico.

Tanto que tem avançado o uso de escarificação e implantação de espécies de adubos verdes na mesma operação, para auxiliar/agilizar a estruturação/agregação do solo, a fim de que o cultivo sequencial à escarificação já tenha sido cultivado por um adubo verde (aproveitando os benefícios de seu uso).

A estruturação do solo desempenha papel de destaque no crescimento de plantas e no controle da erosão e, por conseguinte, na produção de alimentos e na conservação do solo e da água (Portela et al., 2010). Deste modo, outras alternativas também devem ser exploradas a fim de se reduzir os efeitos da compactação do solo.

Adubo verde

Para Calegari et al. (1993), adubo verde é a prática do cultivo de plantas até o estágio de floração ou até o desenvolvimento incompleto de sementes, com posterior corte e/ou incorporação de sua biomassa no solo. Os adubos verdes são plantas com características que possibilitam melhoria em médio e longo prazos das propriedades físico-químicas do solo, além do cultivo para fins comerciais.

As plantas que são consideradas adubos verdes podem ser usadas em cultivo mínimo (escarificação), sistema convencional ou plantio direto. O processo de escolha da espécie de adubo verde deve estar relacionado ao propósito do produtor rural para cada área de cultivo, assim como o aspecto fitossanitário (Valadares et al., 2016) relacionado às culturas antecessoras e culturas a serem implantadas pós adubo verde.

Em ambientes tropicais tem-se diversidade de espécies de adubos verdes, como da família Fabaceae, Brassicaceae, Asteraceae e Poaceae (Valadares et al., 2016). Espécies leguminosas têm sido utilizadas como adubos verdes, assumindo importante papel para aumentar a quantidade e qualidade da matéria orgânica do solo (Lima et al., 2012), devido à fixação de nitrogênio por bactérias diazotróficas.

O foco principal do uso de adubo verde é melhorar as características químicas, físicas e biológicas do solo para elevar ou estabilizar a produtividade das culturas comerciais (Ferreira et al., 2016; Valadares et al., 2016). Consequentemente, aumenta-se a sustentabilidade dos sistemas agrícolas, devido potencializar a capacidade de absorver nutrientes das camadas subsuperficiais do solo e liberando-os pela decomposição dos seus resíduos (Bernardes et al., 2010).

 

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Isla Sementes lança adubo em sachê, ideal para o Varejo

Praticidade no ponto de venda, valor acessível, aumento do ticket médio e apresentação única. Essas são algumas vantagens do adubo Organomineral FertiGarden em novo formato:...

Tomatec – Produção ecológica e lucrativa

  José Ronaldo de Macedo jose.ronaldo@embrapa.br Cláudio Lucas Capeche Adoildo da Silva Melo Pesquisadores da Embrapa Solos   O desenvolvimento do sistema de produção do Tomate Ecologicamente Cultivado (Tomatec®)...

Fosfito previne requeima e doenças bacterianas no tomateiro

  Adriana Rizzo Engenheira agrônoma, doutora em Produção Vegetal e proprietária da Cheiro do Verde dririzzo@hotmail.com   Na cultura do tomate é utilizado o fosfito de potássio para o...

Fundecitrus lança aplicativo para ajudar a calcular pulverizações

Sistema auxilia citricultor a otimizar aplicações e proporciona redução dos custos O Fundecitrus " Fundo de Defesa da Citricultura criou um aplicativo para ajudar o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!