20.5 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAdubação e nutrição da macieira - O que você ainda não sabe

Adubação e nutrição da macieira – O que você ainda não sabe

 

Clori Basso

Engenheiro agrônomo da Epagri

 

Créditos Aires Carmem Mariga
Créditos Aires Carmem Mariga

A cultura da macieira, frutífera perene de porte arbóreo, tem peculiaridades que a distinguem de outras espécies quanto a exigências e respostas à adubação. Objetivam-se pomares de alta produtividade, com frutos de boa qualidade no aspecto visual e em capacidade de frigoconservação, mas com foco também na segurança da saúde do trabalhador e do consumidor, bem como na preservação do meio ambiente.

Para atingir o objetivo é necessário tomar decisões e executar práticas diversas ao longo da vida do pomar. Estas incluem atividades que se iniciam no preparo do solo, passando por plantio, condução e manejo do pomar, tratamentos fitossanitários, colheita, conservação e comercialização.

O resultado será sempre o efeito da interação de todos esses fatores envolvidos na produção de maçãs. Este artigo sintetiza as práticas de calagem, adubação e nutrição que permitem obter plantas nutricionalmente equilibradas, fator imprescindível para a produção de maçãs de boa qualidade.

Correção inicial do solo

A calagem e a adequação da disponibilidade de nutrientes tem por base a análise do solo feita antes do plantio do pomar. Medidas corretivas após a implantação do pomar têm efeito limitado, quando possível.

Nessa etapa, deve-se fazer a calagem e a adubação corretiva com P, K e B, conforme recomendações específicas publicadas para a cultura. Isso visa assegurar condições nutricionais ideais para que as plantas cresçam e desenvolvam bem seu potencial produtivo futuro.

Foto 02 - Créditos Aires Carmem Mariga
Créditos Aires Carmem Mariga

Adubação de crescimento

Os três primeiros anos após o plantio são considerados o período de crescimento inicial das plantas. Se a correção do solo antes do plantio foi bem executada, necessitar-se-á aplicar somente N, o qual, juntamente com o manejo e a condução das plantas, formará a futura estrutura que define a capacidade de produção das plantas.

Com o avanço das tecnologias relativas a cultivares, porta-enxertos, densidade de plantio e manejo das plantas, já é possível obter colheita a partir do segundo ano do pomar. Embora as produções sejam pequenas nos primeiros anos, o produtor deve adubar com N e atentar para uma eventual necessidade de adubação potássica.

Genericamente, recomenda-se aplicar em torno de 20, 30 e 40 kg de N por hectare no 1º, 2º, e 3º anos, respectivamente, parcelando as doses no inchamento das gemas e, após, a intervalos de 45 a 60 dias. Havendo produção no 3º ano, aplicar a última dose em pós-colheita. As quantidades podem variar a critério técnico, focando sempre no bom desenvolvimento e formação das plantas.

Adubação de manutenção

Considera-se que o pomar está em plena idade produtiva a partir do 4º ano, quando se inicia a adubação de manutenção, objetivando disponibilizar os nutrientes necessários para obtenção de alta produtividade de frutos de boa qualidade, mantendo o nível de disponibilidade dos nutrientes no solo que fora estabelecido na implantação do pomar.

Omissão ou adubações desnecessárias podem afetar o equilíbrio nutricional das plantas e refletir na produção e na qualidade das maçãs. Os nutrientes exercem funções específicas no complexo metabolismo das plantas.

Podem-se destacar alguns efeitos de nutrientes relacionados com crescimento, sanidade das plantas, produção e qualidade dos frutos. Excesso de N induz exuberância vegetativa que predispõe as plantas ao ataque de doenças, dificulta as pulverizações, desequilibra os nutrientes na planta e nos frutos, diminui o potencial de frigoconservação das maçãs e reduz a coloração da película.

Por outro lado, a falta de N reduz o crescimento das plantas e dos frutos. Já a falta de K no solo resulta em frutos pequenos, de baixo valor comercial. O excesso de K é deletério por competir diretamente com a absorção do solo e a concentração de Ca e Mg nas maçãs. Concentrações de Ca menores que 40 mg kg-1 na polpa fresca predispõe as maçãs a vários distúrbios fisiológicos em pré e pós-colheita.

Fique de olho

É primordial que se obtenha plantas nutricionalmente equilibradas, checando o estado nutricional pela análise foliar e observando a disponibilidade de nutrientes pela análise do solo a intervalos de três a cinco anos.

Não há uma fórmula ou uma tabela de adubação de manutenção que se aplique a todos os pomares. O fruticultor, contando com adequada orientação técnica, deve definir as adubações a serem feitas numa safra, considerando o resultado de uma avaliação multifatorial, dentre os quais se incluem o conhecimento e o acompanhamento das peculiaridades de cada pomar ao longo do tempo.

Devem-se usar dados de análise de solo, de folhas e de frutos, vigor e crescimento anual das plantas, produtividade, ocorrência de sintomas em folhas e frutos, manejo da área do pomar e das plantas, condições climáticas, entre outros. Ao longo do tempo, consegue-se um pomar com boas condições de produção de maçãs de boa qualidade.

Essa matéria completa você encontra na edição de setembro da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Qual a importância e as vantagens da silvicultura de precisão?

Autores Emmanoella Costa Guaraná Araujo Mestra em Ciências Florestais e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal – Universidade Federal do Paraná...

Mecanização e automação na silvicultura

Larissa Nunes dos Santos Juliana Pinheiro Dadalto Doutorandas em Engenharia Agrícola " Universidade Federal de Viçosa (UFV) Haroldo Carlos Fernandes Professor titular do Departamento de Engenharia Agrícola...

BB disponibiliza R$ 12 bilhões para pré-custeio da safra 2017/2018

O Banco do Brasil anuncia a oferta de R$ 12 bilhões para a aquisição antecipada de insumos " o pré-custeio - nesta quinta-feira, 19,...

Tombamento da cebolinha – Como evitar

  Leandro Luiz Marcuzzo Professor de Fitopatologia do Instituto Federal Catarinense - IFC/Campus Rio do Sul marcuzzo@ifc-riodosul.edu.br   Nas culturas que compõem o cheiro-verde, a cebolinha é uma das...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!