24.6 C
Uberlândia
segunda-feira, junho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAdubação foliar em milho utilizando fertilizantes multinutrientes

Adubação foliar em milho utilizando fertilizantes multinutrientes

Antônio Marcos Coelho

Pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo

antoniomarcos.coelho@embrapa.br

CréditoPixabay
Crédito Pixabay

No Brasil, a adubação foliar utilizando fertilizantes multinutrientes na cultura do milho tem se intensificado nos últimos anos, tendo contribuído para isso os seguintes fatores: o desenvolvimento de híbridos com elevado potencial produtivo e com maior exigência nutricional; correção de deficiências eventuais; aproveitamento de operações para aplicação de defensivos e a grande disponibilidade no mercado de fertilizantes contendo vários nutrientes.

As seguintes condições têm levado a um agravamento geral das deficiências de micronutrientes, tornando-se uma obrigatoriedade as análises de solo e planta, visando um adequado diagnóstico das suas necessidades: no caso específico dos micronutrientes, o uso de fórmulas de fertilizantes de alta concentração, principalmente em nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), reduzindo a oferta de micronutrientes, como impurezas; o avanço da fronteira agrícola para os solos ácidos e pobres – inclusive em micronutrientes – dos Cerrados (com exceção do manganês); a correção de acidez com a elevação do pH do solo, diminuindo a disponibilidade (com exceção do molibdênio) dos micronutrientes zinco, boro, cobre, ferro e manganês, originalmente deficientes, podendo diminuir até 100 vezes a disponibilidade de manganês e zinco, além de reduzir a atividade do cobre e de ampliar os riscos de perdas de boro por lixiviação.

Determinar as fontes, doses e épocas de aplicação mais adequadas, bem como verificar possíveis efeitos fitotóxicos às plantas, pela aplicação de fertilizantes multinutrientes, pode auxiliar sobremaneira no planejamento da adubação.

Como diagnosticar a necessidade de adubação foliar

Sintoma de Phaeosphaeria + deficiência de fósforo - Crédito Miriam Lins
Sintoma de Phaeosphaeria + deficiência de fósforo – Crédito Miriam Lins

Considerando que na cultura do milho a aplicação de nutrientes via foliar normalmente é utilizada para correção de deficiências nutricionais observadas no campo, principalmente na fase inicial de desenvolvimento das plantas, período vegetativo de quatro a 10 folhas completamente desenvolvidas, a diagnose visual constitui ferramenta primordial.

Nessa fase, a análise foliar apresenta problemas operacionais, como o tempo gasto na coleta de folhas no campo, o envio ao laboratório e o recebimento dos resultados, o que demanda tempo, não permitindo, assim, a tomada de decisão para a correção do problema em prazo hábil. Por outro lado, os resultados da análise foliar de plantas de milho, obtidos nessa fase da cultura, não apresentam respaldo de dados de pesquisa para sua interpretação.

Assim, os sintomas de deficiências nutricionais são, no campo, um elemento auxiliar na identificação da carência nutricional. No entanto, para a identificação da deficiência com base na sintomatologia, é necessário que o técnico tenha razoável experiência de campo, uma vez que deficiências nutricionais, sintomas de doenças e distúrbios fisiológicos podem ser confundidos.

Para um preciso diagnóstico é importante obter informações adicionais, as quais incluem: condições climáticas, análises de solo, aplicação de agroquímicos (fertilizantes, herbicidas, inseticidas, etc.).

Os fertilizantes multinutrientes

Com adubação foliar, as deficiências podem ser corrigidas durante a fase de crescimento - Crédito Ana Maria Diniz
Com adubação foliar, as deficiências podem ser corrigidas durante a fase de crescimento – Crédito Ana Maria Diniz

A adubação foliar, utilizando fertilizantes multinutrientes, não substitui total ou parcialmente a quantidade dos nutrientes NPK recomendada para aplicação por ocasião da semeadura ou em cobertura na cultura do milho.

Em culturas extensivas, como o milho, com maiores exigências em nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), haveria necessidade de um grande número de aplicações foliares para suprir a demanda destes nutrientes, o que tornaria a prática inviável.

Neste caso, a adubação deve ser via solo. A adubação foliar pode ser utilizada para a correção de deficiências eventuais (suplementar), aproveitando-se de outras operações para aplicações de inseticidas e fungicidas. Nas condições brasileiras, a recomendação generalizada de aplicação via foliar de macronutrientes (NPK) em pequenas doses raramente tem encontrado respaldo nas pesquisas.

Entretanto, em função da pequena quantidade aplicada, seu custo é relativamente baixo, e por isso muitos agricultores se utilizam da prática sem a mínima segurança a respeito do real benefício.

Para os micronutrientes, por exemplo, o zinco (Zn), o boro (B), o manganês (Mn), etc., as exigências nutricionais do milho são em pequenas quantidades e, consequentemente, com menor número de aplicações, normalmente duas a três, no máximo, o que possibilita sua utilização com grande eficiência, principalmente para correção de deficiências eventuais observadas no campo.

Na adubação foliar, a resposta à aplicação é rápida - Crédito Shutterstock
Na adubação foliar, a resposta à aplicação é rápida – Crédito Shutterstock

Fase ideal para aplicar

Para a cultura do milho, a fase ideal para aplicação de nutrientes via foliar compreende os estádios de desenvolvimento vegetativo de quatro e sete folhas desenvolvidas (V4 e V7). Este período é conhecido como a “janela ideal para aplicação via foliar“, principalmente para os micronutrientes, conforme ilustrado na Figura 1.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de janeiro 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fundação MT difunde informações agrícolas para mais de duas mil pessoas em Mato Grosso

O tradicional evento realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, que antecede o plantio da soja, foi encerrado...

Fertilizantes organominerais diminuem perdas por volatilização de nitrogênio

Vanessa Junia Machado vanessajm@unipam.edu.br Carlos Henrique Eiterer de Souza carloshenrique@unipam.edu.br Engenheiros agrônomos, doutores e professores do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM) O nitrogênio figura entre...

Tecnoagro debate tendências para o setor agrícola e mostra tecnologias de ponta para culturas de soja e milho

Evento de Chapadão do Sul terá apresentações técnicas sobre o novo fungicida Vessarya®, da DuPont Proteção de Cultivos, para doenças da soja   Nos dias 15...

JF Máquinas lança site e anuncia parceria com Fazenda Paraíso

Léo Chaves, da dupla Victor e Léo, proprietário da Fazenda Paraíso, esteve presente no evento e foi o palestrante do dia No dia 17 de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!