Adubação foliar

0
875

Bianca Prisco SoaresGraduanda em Agronomia pela Faculdade de Ensino Superior e Formação Integral (FAEF, Garça – SP)biancapriscoagro@gmail.com

Marcelo de Souza Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia/Horticultura e professor de Agronomia – FAEF – Garça – SPmrcsouza18@gmail.com

Folha de café – Crédito: Crédito: Shutterstock

O suprimento nutricional com macro e micronutrientes para as plantas em níveis adequados tem despertado grande interesse pelos cafeicultores, sobretudo nas últimas décadas, permitindo um balanço positivo entre a entrada através dos fertilizantes e corretivos e a saída através da colheita, acarretando ganhos consideráveis de produtividade e qualidade do produto colhido.

Neste sentido, a adubação foliar tem se tornado uma alternativa valiosa para complementação da adubação via solo, contudo, seu uso deve acontecer em situações específicas, como em casos de deficiências ou necessidade nutricional das plantas do cafeeiro.

Vale destacar que a maioria das plantas consegue absorver os nutrientes minerais aplicados via foliar de três formas, devido ao desenvolvimento de mecanismo de evolução, como as camadas de cutícula logo após a epiderme, presentes tanto na face inferior quanto superior das folhas.

Entenda melhor

A penetração desses nutrientes nas folhas do cafeeiro ocorre através da cutícula e dos estômatos, porém, na aplicação de nutrientes via foliar, alguns obstáculos à penetração são encontrados. A primeira barreira é a cutícula, constituída por uma camada cerosa, mais externa, apolar e hidrofóbica, e por uma camada de cutina, mais interna, mais hidrofílica, com a capacidade de se hidratar com a presença de água. 

Além desse obstáculo, uma segunda barreira à penetração de solutos é constituída pela plasmalema e uma terceira barreira é encontrada no simplasto, onde, posteriormente, os solutos se encontrarão à disposição da planta. Neste sentido, existem quatro condições básicas nas quais a adubação foliar deve ser realizada na cultura do cafeeiro:

 1 – Corretiva: visa corrigir deficiências nutricionais que possam surgir no decorrer do ciclo do cafeeiro, em virtude da resposta rápida à aplicação do adubo via foliar;

2 – Preventiva: normalmente realizada quando um determinado nutriente não está em níveis considerados ideais e sua aplicação via solo não foi eficiente;

3 – Complementar: nessa ocasião, o adubo foliar atua como complemento à adubação via solo, ou seja, parte do(s) nutriente(s) é aplicada via solo e o restante via adubação foliar.

4 – Suplementar: nesta situação, a adubação foliar é encarada como um investimento a mais, como por exemplo, em situações em que se objetiva aumentar a produtividade e/ou a qualidade do café.

Detalhes importantes

Para aumentar os índices produtivos do cafeeiro, deve-se levar em consideração alguns aspectos, como o estado vegetativo das plantas, o potencial de produção e/ou a expectativa de colheita, além das características do local de cultivo e os adubos a serem utilizados.

A recomendação usual leva em consideração a extração dos nutrientes (em função da expectativa de carga pendente) e as características do solo (fertilidade) constantes na análise, previamente realizadas.

Para se obter os melhores resultados, como aumento dos índices produtivos, os nutrientes devem estar disponíveis para o cafeeiro na época de maior demanda, o que ocorre durante o período reprodutivo. Lembrando que cada nutriente tem um comportamento específico no solo e na planta.

Os fertilizantes foliares devem ser aplicados quando a planta não está absorvendo água em sua máxima potência. É importante que o produtor realize as aplicações nos momentos em que as plantas não apresentem aspectos como murcha, do contrário, a eficácia da técnica pode ser reduzida consideravelmente.

Os momentos mais críticos para a aplicação ocorrem quando as plantas estão em períodos de grande crescimento ou quando a planta está saindo do seu estado vegetativo e passando para um estado reprodutivo, logo, as aplicações devem ser priorizadas nessas situações. Vale destacar que a maioria das aplicações foliares devem conter nitrogênio para agir como um eletrólito carregando os íons de micronutrientes para dentro da planta. Pequenas quantidades de fósforo também são recomendadas para a circulação interna.

Na dose certa

A dose recomendada para aplicação no cafeeiro vai depender da expectativa de produtividade e dos teores dos nutrientes encontrados no solo e nas plantas. Lembrando que a adubação foliar com macronutrientes, em substituição ou suplementação à adubação NPK no solo, é ineficiente e representa um gasto desnecessário.

Em situações de solos muito argilosos, faz-se necessário a suplementação da adubação foliar com zinco, com três a quatro pulverizações por ano, devendo ser efetuadas no período de setembro a março. Necessariamente, deve-se fazer uma aplicação em pré-florada. Lembrando que o acompanhamento dos seus teores mediante análises foliares periódicas é indicado para evitar teores elevados, prejudiciais à produção. Normalmente, a dosagem a ser utilizada é de 0,6% de sulfato de zinco. 

Para adubações borácicas, a dose recomendada normalmente é 0,3% de ácido bórico, realizada três a quatro vezes por ano. A aplicação pré-florada é essencial para uma maior fixação das flores, resultando em maior frutificação efetiva.

A ação do tratamento foliar com boro não é duradoura (cerca de 60 dias) e, nos casos de deficiências graves, é necessário suprimento adicional de boro via solo, que mantém os teores adequados por mais tempo.

Já em relação ao suprimento de cobre, normalmente as pulverizações normais com fungicidas cúpricos, usados contra a ferrugem ou outras doenças, controlam também as carências de cobre. Havendo necessidade, deve-se preconizar o uso de fungicidas cúpricos (0,5 a 1%) ou sulfato de cobre (0,3 a 0,5%).

Complementar, não substituta

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.