Adubos nitrogenados para o café

0
29

Marina Scalioni Vilela Engenheira agrônoma, mestra e doutoranda em Agronomia/Fitotecnia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)marinasv3p@gmail.com

Café – Fotos: Shutterstock

A ureia é a principal fonte de nitrogênio (N) utilizada na cafeicultura. Entretanto, essa fonte é sujeita a perdas no campo, principalmente por volatilização. Como alternativa para contornar esses problemas, surgiram, então, os fertilizantes nitrogenados estabilizados, de liberação lenta e controlada.

Esses tipos de fertilizantes possuem como característica a liberação gradual do N no solo, com algumas diferenças entre eles. Nos fertilizantes nitrogenados estabilizados a ureia é tratada com aditivos para a inibição da urease ou da nitrificação, com a finalidade de estabilizar o N.

Os fertilizantes de liberação lenta, os quais não são revestidos, consistem na redução da solubilidade do N de sua composição devido aos polímeros de carbono (C) e N formados em seu processo de produção.

Portanto, sua liberação depende da decomposição dessas cadeias de C e N por microrganismos presentes na matéria orgânica do solo (MOS), podendo ser mais lenta ou mais rápida de acordo com condições que afetam a atividade microbiológica, como a temperatura, umidade, pH, teor de MOS e textura.

Já os fertilizantes de liberação controlada são aqueles nos quais a ureia, por exemplo, é revestida por materiais que promovem uma barreira física e controlam a liberação do N. Essa liberação ocorre de maneira gradual e em sincronia com as demandas do cafeeiro, não sendo dependente da atividade microbiológica do solo.

Benefícios

Esses fertilizantes de eficiência aumentada, devido à liberação gradual do N, otimizam a nutrição do cafeeiro por minimizarem as perdas e, por consequência, proporcionam ganhos no crescimento, desenvolvimento e produtividade. O nitrogênio é importante nesse sentido, visto que esse é o nutriente requerido em maiores quantidades pela cultura, sendo essencial para otimizar o potencial produtivo do cafeeiro.

Como implantar a técnica

A utilização desses fertilizantes segue a recomendação normal de acordo com a necessidade nutricional das plantas. Assim, a quantidade de N fornecida tanto por fertilizantes convencionais quanto de eficiência aumentada será a mesma.

Desse modo, a dose aplicada irá variar somente de acordo com a concentração de N no produto utilizado, com diferenças no modo de aplicação e parcelamento desses fertilizantes. A utilização de fertilizantes de eficiência aumentada pode ser realizada em apenas uma aplicação, com os riscos de volatilização minimizados, enquanto o fertilizante convencional, à base de ureia, deverá ser parcelado de três a quatro vezes, dependendo da lavoura.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.