Agricultura biodinâmica desenvolve cosméticos e medicamentos naturais

0
29
Divulgação

Há anos os prós e contras da agricultura são pauta para discussão entre estudiosos, cientistas e ativistas, que buscam por soluções mais sustentáveis de cultivo e em escalas menores. Para contribuir de forma mais harmônica entre o meio ambiente e a agricultura, desenvolveu-se a agricultura biodinâmica no início do século 20 por Rudolf Steiner, filósofo austríaco e pai da antroposofia. Trata-se de uma prática agrícola que não usa químicos e que respeita o fluxo natural de crescimento da plantação e todos os fatores de influência, como estações do ano e fases da lua.

Hoje no mundo existem algumas empresas engajadas em promover essa agricultura sustentável, como por exemplo a Weleda, marca suíça de medicamentos antroposóficos e líder mundial em cosméticos orgânicos.

O cultivo biodinâmico é considerado sustentável pois é baseado em um sistema de produção de base ecológica que integra junto a outros tipos de sistemas de produção existentes à ciência da Agroecologia. Além de práticas conhecidas na agricultura orgânica, a Biodinâmica possui suas características próprias, podendo destacar o uso de preparados biodinâmicos que enriquecem o solo e o acompanhamento do calendário astrológico (além das fases da lua, usa outros astros, como os signos para reger os elementos da terra), contribuindo para a qualidade das plantas. “Na chácara da Weleda, usamos dois tipos de preparados via dinamização e pulverização: o Chifre Sílica — produzido através de quartzo, para estimular a fotossíntese – e o Chifre-esterco — feito de esterco bovino, para aplicarmos no solo antes de qualquer semeadura, melhorando a vida e equilibrando os nutrientes do solo. Sem os preparados não conseguimos realizar o nosso cultivo, são pré-requisitos para termos a certificação de agricultura biodinâmica”, explica a engenheira agrônoma, Luzia Pereira.

“Esse tipo de cultivo tem vantagens como a capacidade de regenerar as paisagens e a produtividade do solo, além de produzir e economizar água e demais recursos naturais. A partir disso, respeitando o tempo e o ciclo de plantas, são produzidos medicamentos e produtos que causam menos alergias e oferecem resultados promissores”, afirma Beatriz Branco, Gerente de Branding e Sustentabilidade da Weleda.

Processo de cultivo de plantas para a produção de medicamentos

As plantas produzem, por meio das rotas metabólicas, as substâncias que utilizamos normalmente para alimentação, como: carboidratos, proteínas, lipídeos, entre outros. No caso da produção de medicamentos, procuramos outras substâncias, os metabólitos secundários, que são produzidos quando as plantas precisam se defender de algum estresse abiótico ou biótico, como um ataque de inseto. Ao respeitarmos o momento certo de cultivo, de acordo com as condições climáticas, temos mais garantia que a planta estará com os princípios ativos na hora da colheita. Quando temos biodiversidade, ou seja, várias espécies de animais, plantas, microrganismos, nenhum se sobressai. É muito importante respeitar esse processo de cultivo e plantar no momento adequado, caso contrário, será necessário usar substâncias de controle de pragas e doenças, porque a planta está no sistema com condições de clima que não são as adequadas.

Os medicamentos desenvolvidos a partir da agricultura biodinâmica ajudam e respeitam não só a natureza, mas também o corpo humano ao restabelecer a saúde de uma forma natural, respeitando os processos do organismo humano. “São medicamentos harmonizadores, que ajudam o paciente a encontrar o equilíbrio sem mascarar os sintomas”, diz o especialista técnico-científico da Weleda, Rodolfo Schleier.

Na antroposofia considera-se o que está por trás de cada sintoma, por exemplo, o estilo de vida da pessoa pode ser muito estressante, o que causa ansiedade. Junto aos medicamentos antroposóficos, é importante consultar médicos que atuam na área da antroposofia. Dessa forma, é possível descobrir o que está provocando os sintomas. “Com isso, conseguimos encontrar técnicas – além dos medicamentos antroposóficos – que estimulam as forças de cura do próprio organismo humano, atuando em diversos níveis, físico, emocional e mental, de acordo com a individualidade de cada paciente”, explica Rodolfo.

Os medicamentos antroposóficos têm um impacto positivo no meio ambiente, por fomentarem a agricultura natural em diversas regiões do planeta. Uma propriedade biodinâmica tem capim, plantas ornamentais e uma grande diversidade que são importantes para o ecossistema. Além dos processos serem limpos, por não emitirem fumaças tóxicas no ar e nem resíduos perigosos nos rios e nos mares.

Cuidados com o solo – O trabalho realizado na agricultura biodinâmica ressalta a importância de cuidar do solo e da biodiversidade. Elaborado pela Convenção das Nações Unidas para Combater a Desertificação (UNCCD), o relatório Global Land Outlook 2 aponta que até 40% do solo do planeta está degradado, o que afeta diretamente a saúde e a sobrevivência de plantas, micro-organismos e animais. Por essa razão, o uso adequado do solo, da água e da biodiversidade deve ser repensada.

Ou seja, com a agricultura biodinâmica é possível cuidar da natureza da melhor forma, sem agredi-la, ao mesmo tempo repondo o que tirou dela. “Além de respeitar o processo de cada planta, devolvemos ao solo o que tiramos. Ao colhermos as plantas, enviamos para a fábrica, onde as plantas são trituradas e coadas, em seguida, o resíduo é deixado em um local para se decompor e virar um composto orgânico. Assim, conseguimos utilizá-lo como adubação”, ressalta a engenheira agrônoma.

A utilização de produtos e medicamentos com ativos sustentáveis é uma das formas de contribuir para a preservação do meio ambiente. Além disso, é importante buscar práticas mais sustentáveis no dia a dia e promover um consumo mais consciente. Seja na alimentação, no consumo de produtos, descarte correto de resíduos e no desperdício de água e energia. Práticas como essas contribuem com a natureza e, consequentemente, impactam positivamente o ser humano.

Tendências do consumidor – Muitos consumidores ainda associam o medicamento antroposófico a outras categorias de medicamentos, como fitoterápicos e homeopáticos – que também utilizam plantas na produção, mas que se diferem nos processos. Por isso, a Weleda tem trabalhado para informar o público geral, investindo em treinamentos técnicos de médicos e farmacêuticos, além de instruir nas embalagens que os medicamentos são antroposóficos, assim, o consumidor sabe o que está consumindo.

Para Schleier, a função de informar mais sobre a possibilidade de utilizar medicamentos antroposóficos tem trazido resultados, já que há uma grande procura pelo SAC da empresa para conhecer a composição dos produtos. “Pesquisas mostram que o consumidor atual tem uma preocupação cada vez maior com a saúde do corpo e da mente de uma forma preventiva, ele não espera mais ficar doente para só então procurar um profissional, ele já busca antes mesmo um estilo de vida mais saudável, uma alimentação mais equilibrada, atividade física regular, busca satisfação no seu trabalho, no social”.

Hábitos saudáveis são importantes para a saúde como um todo. Por isso, o consumidor também tem uma consciência ambiental maior, buscando por marcas e produtos que não agridam o meio ambiente. “São prioridades bem diferentes do consumidor de 20, 30 anos atrás. O consumidor atual está disposto a pagar mais por esse benefício e investir mais na sua saúde, na saúde da sua família, consumindo alimentos e medicamentos mais naturais. Esse mercado vem crescendo a cada ano”, conclui.

Sustentável desde a origem – A empresa carrega como um dos seus pilares a sustentabilidade e utiliza ativos naturais biodinâmicos em suas fórmulas. A marca conta com oito jardins próprios e mais de 50 fornecedores certificados ao redor do mundo onde são plantadas as matérias-primas. Localizado em São Roque, está o jardim da Weleda no Brasil, onde existem mais de 200 espécies de plantas no total, sendo 40 para a produção de seus medicamentos antroposóficos.
  Totalmente sustentável, esse tipo de agricultura acredita na totalidade do meio ambiente e entende que cada ser tem sua função. Por isso, em um único cultivo há várias espécies de plantas e animais. Livre de agrotóxicos, o adubo é natural e as plantas se misturam e garantem a vitalidade que o ambiente completo precisa. A conservação da biodiversidade, um solo forte e saudável e uma matéria-prima natural e de altíssima qualidade, são fundamentais para a agricultura biodinâmica.