27.6 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesAgricultura digital pode ajudar o Brasil a atingir projeção de safra de...

Agricultura digital pode ajudar o Brasil a atingir projeção de safra de milho recorde

Foto de arquivo

O Brasil é o terceiro maior produtor de milho do mundo e a expectativa é de aumento de 12,5% na safra de 2022/23 – atingindo o recorde histórico de 127 milhões de toneladas segundo estudo da Conab. Para atingir esta marca, os produtores contaram com um aliado importante: a agricultura digital. Segundo o estudo Guia do Milho, realizado pela Climate Fieldview, 75% usam o recurso na lavoura.

A pesquisa entrevistou agrônomos, donos de fazenda e profissionais de agricultura digital e apontou para duas ferramentas como as mais utilizadas: os softwares de monitoramento, adotados por metade dos produtores, e soluções de previsão climática, usadas por 25%.

Só 12,5% dos produtores de milho usam telemetria agrícola

Entre as tecnologias utilizadas, a telemetria agrícola é a menos usada: só 12,5% dos produtores de milho optam por ela. Com o uso de sensores nos equipamentos da fazenda, esta tecnologia permite a coleta de dados sobre o desempenho do maquinário – e evitar prejuízos decorrentes do mal funcionamento.

Segundo o Guia do Milho, dois recursos dividem a preferência dos produtores: a tecnologia de clima e a tecnologia agronômica. Cada uma é usada em 43,8% das lavouras brasileiras que produzem o grão.

Enquanto a primeira oferece previsões climáticas com antecedência de maneira precisa e traçar estratégias mais assertivas cuidar da lavoura, a segunda ajuda a monitorar, gerir e identificar riscos à qualidade do milho.

Investimento em agricultura digital atingirá US$ 8,33 bilhões até 2026

Para os produtores de milho, a agricultura 4.0 oferece maior eficiência à produção. Segundo a Climate Fieldview, os principais benefícios entre os pesquisados são a aceleração do plantio e da colheita, acesso a dados e informações precisas e monitoramento da lavoura em tempo real.

O controle de doenças e precisão de plantio, aliado à homogeneização do perfil do solo são outros impactos positivos da tecnologia apontados pelo estudo. Não à toa, o uso das soluções tecnológicas para a agricultura são crescerão 183% até 2026. Segundo estudo da 360 Research & Reports, este mercado atingirá o valor de US$ 8,33 bilhões.

“A gestão de informações com plataformas inteligentes e uso de satélites é um caminho sem volta”, explica o pesquisador Fernando Miguel Scaramuzza, do Instituto Nacional de Tecnologia Agrícola.

Já o professor Antônio Luís Santi, da Universidade Federal de Santa Maria, trata-se de um momento promissor para o setor. No entanto, o foco na qualidade é central para o uso da tecnologia na produção de milho. “O importante não é a quantidade de dados, e sim, o que fazemos com as informações que realmente importam”, explica.

Profissionalização para o uso de tecnologia é o desafio de 62,6% dos produtores

Segundo 360 Research & Reports, a agricultura digital será responsável pela criação de 178,8 mil vagas de emprego. No entanto, os produtores de milho enfrentam desafios para usá-la.

A Climate Fieldview constatou que a profissionalização é o principal, citado por 62,6% dos entrevistados. Enquanto 43,8% enfrentam dificuldades na hora de encontrar profissionais qualificados, 18,8% apontam para a baixa oferta de cursos profissionalizantes.

Outros obstáculos constatados pelo estudo são a conectividade e a conexão entre plataformas – lembrados, respectivamente, por 25% e 12,5% dos produtores de milho. 

Custos de produção preocupam 56,3% dos produtores de milho

No que tange às preocupações dos produtores de milho, os custos de produção estão no topo da lista: foram apontados por 56,3%. Já a oscilação do dólar vem em seguida, mencionada por 31,3% devido à margem de lucro e ao preço dos insumos utilizados.

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária aponta para um aumento de 40% nos custos da produção de milho na atual safra. Entre o principal motivo está o custo de fertilizantes, responsáveis por 60% dessa alta. Isso se deve ao fato do Brasil importar 85% do insumo. 

Neste contexto, a projeção da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) é de que o ano ainda sim seja favorável ao produtor. “Será um ano de margens menores, custos de produção ainda elevados, mas boa produção”, explica o diretor técnico Bruno Lucchi.

Para ele, a desaceleração da economia global fará com que importadores não aumentem a demanda. “Acreditamos que a quantidade exportada pelo Brasil aumentará porque teremos uma supersafra de grãos. Esperamos que o volume exportado anule a queda de preços”, conclui.

ARTIGOS RELACIONADOS

Soluções para culturas de verão serão destaque em dia de campo

Herbicidas, fungicidas, inseticidas e acaricidas para soja e milho farão parte do estande da multinacional Ascenza no evento promovido pela Cooperativa Agrária, em Guarapuava-PR.

Câmbio e demanda interna sustentam recuperação do preço do arroz no ano

Depois de anos de preços abaixo dos custos de produção, os arrozeiros puderam desfrutar de cotações maiores pelo cereal, recompondo em alguns casos parte de perdas...

Descubra como acertar na escolha do híbrido de milho para impulsionar a rentabilidade

Silvia Graciele Hulse de Souza silvia.hulse@gmail.com Franciely S. Ponce francielyponce@gmail.com Thiago Alberto Ortiz thiago.ortiz@prof.unipar.br Engenheiros agrônomos, doutores em Agronomia e professores - UNIPAR/Umuarama (PR) O...

Milho safrinha

O cultivo de milho de segunda safra, conhecido como milho safrinha, já é ....

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!