28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAgronegócio - Um pé no dólar e outro no clima

Agronegócio – Um pé no dólar e outro no clima

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

 

Moeda valorizada, que neste momento ajuda o produtor, pode jogar contra na próxima safra. As alternativas assinaladas por especialistas são o barter e vendor, modalidades que podem servir de seguro à lavoura

 

O agronegócio será a boia de salvação do PIB em 2015. É o que aponta uma projeção do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), afirmando que setor deve expandir-se 1,2% nesse ano. Trata-se de uma boa notícia em meio a um mar de números ruins ” e, se não permite a ninguém nadar de braçadas, é essencial para evitar naufrágios.

Especialistas preveem uma retração de 0,8% no resultado geral da economia. A indústria, segundo revelou um estudo da Fiesp, deve sofrer um recolhimento de 4,5%. Comparado a outros segmentos, o agrícola tem conseguido se manter praticamente imune à crise.

Há duas explicações para entender de onde brota a força do agronegócio, mesmo em tempos de crise interna. A primeira é que ele foi o único setor a registrar um ganho real de produtividade, adubo essencial para o crescimento do País.

No barter e vendor, o produtor entra com parte da safra como pagamento pelos insumos - CréditoShutterstock
No barter e vendor, o produtor entra com parte da safra como pagamento pelos insumos – CréditoShutterstock

Enquanto em outras áreas o aumento do custo com a mão de obra corroeu a competitividade das empresas (basicamente porque os salários subiram acima da produtividade), no agronegócio os avanços obtidos com pesquisa e tecnologia mantiveram o país em condições de disputar o mercado internacional.

Nos últimos 35 anos, a área plantada de soja espraiou-se 248%, enquanto a produção subiu 506%, segundo um estudo da Conab. E aí vem a segunda explicação para a boa situação do setor: a produção brasileira é voltada para a exportação, não apenas para o mercado nacional.

Por isso, é por natureza mais competitiva e sofre menos com a queda na atividade interna. Explica o secretário nacional de Política Agrícola, André Nassar: “Em vez de um país com 200 milhões de pessoas, o nosso mercado é o mundo todo, com 7 bilhões“. O Brasil, atualmente, é o maior exportador de soja, açúcar, carne bovina e frango do planeta.

A situação poderia ser ainda melhor, não fosse pela retração no preço internacional das mercadorias que o Brasil exporta. Nesse particular, a valorização do dólar ajudou.

 A próxima safra vai exigir muito planejamento dos produtores - CréditoShutterstock
A próxima safra vai exigir muito planejamento dos produtores – CréditoShutterstock

Calculadora na mão

Desde que o dólar cruzou a barreira dos R$ 3,00 em março, os produtores brasileiros começaram a fazer contas. Depois de quase uma década de expansão, eles podem ser obrigados a reduzir o plantio de grãos no próximo verão. Se por um lado a alta da moeda destrava os negócios e ajuda a exportação da safra que está sendo colhida, por outro pesa nos custos de produção e desenha um cenário duvidoso para a temporada 2015/16.

Segundo André Pessôa, coordenador do Rally da Safra, projeto que mapeia todos os anos a produção de soja e milho no país, a subida do dólar beneficiou os produtores, que conseguem preços e margens melhores do que os previstos inicialmente.

“Mas, antes de tudo, plantar vai exigir muito planejamento“, alerta o analista da FCStone, Vinícius Xavier. Mesmo com a queda de 55% na cotação do petróleo, o que, teoricamente, deixaria os preços de alguns insumos mais baratos, a taxa de câmbio deve anular esse ganho ou até provocar aumento, explica o consultor da Cerealpar, Steve Cachia.

O grande desafio de 2015 será acertar a tendência do dólar e a melhor forma de se proteger é eliminar o risco da volatilidade, recomendam os especialistas. “É preciso tomar cuidado para não assumir um custo de largada alto e depois acabar tomando um tombo se o dólar voltar a cair“, pontua Xavier. Ele recomenda o barter, modalidade de compra de insumos com pagamento em produto em que as relações de troca são travadas na hora da contratação.

É possível calcular o potencial da sua margem de lucro para otimizar a produtividade - CréditoShutterstock
É possível calcular o potencial da sua margem de lucro para otimizar a produtividade – CréditoShutterstock

“Um dólar a R$ 4,00 pode significar valores maiores na hora da venda, mas também custos de produção mais elevados. Por outro lado, um dólar recuando de volta para próximo a R$ 3,00 seria sinônimo de preços em queda no mercado interno, mas não necessariamente custos de produção caindo tão cedo ou tão rapidamente“, compara o analista da Cerealpar.

 antes de dicas importantes

Dicas importantes

 

O aumento do dólar vai impactar o custo de produção da soja com uma previsão de aumento de cerca de 30%. O alerta foi dado pelo analista da Embrapa Agropecuária Oeste, Alceu Richetti.

Ele explica que o custo total médio, por saca produzida, na safra 2014/15 foi de R$43,00 por hectare. Na próxima safra, os cálculos realizados, com taxa de variação cambial estimada de R$-3,044, o valor deverá saltar para R$55,75, um expressivo aumento, que ainda deverá ser confirmado na prática quando as atividades de plantio da soja tiverem início, a partir de setembro.

Este é um ano de estoques recordes e quem tiver o melhor preço acaba ganhando o cliente - CréditoShutterstock
Este é um ano de estoques recordes e quem tiver o melhor preço acaba ganhando o cliente – CréditoShutterstock

Segundo Alceu, além do dólar, o aumento no valor dos combustíveis e dos insumos também contribui para essa significativa elevação do custo. Na safra 2014/15, o custo por hectare com o combustível, que era de R$ -162,24, passará para R$ 173,46 por hectare na próxima safra.

O pesquisador concorda com a afirmação anterior Vinícius Xavier, da FCStone, quando reafirma que a próxima safra vai exigir muito planejamento dos produtores. “O produtor deverá anotar detalhadamente tudo o que for investido, pois somente assim poderá calcular corretamente o seu custo de produção. Deve, ainda, manter os dados organizados”, acrescenta.

Essa é parte da matéria de capa da edição de maio da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua para leitura completa!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância da qualidade das mudas de abacate

A qualidade das mudas de abacate é um ponto crucial no plantio de um novo pomar, uma vez que a produção de frutos é totalmente dependente. Para isto, o fruticultor deve considerar a aquisição das mudas como um investimento e não como custeio, pois o abacate é uma cultura perene que pode iniciar sua produção entre o segundo ao quarto ano e frutificar o ano inteiro.

Mercado de nutrição para a sojicultura

Segundo a Abisolo, segmento movimentou R$ 7,6 bilhões na última safra, com alta de 19% e deverá crescer mais 20% este ano; concentração antecipa tendências de...

Tendência – Fungicidas protetores voltam às lavouras

  Fernando Cezar Juliatti Professor da Universidade Federal de Uberlândia e pesquisador do CNPq juliatti@ufu.br Os fungicidas protetores são moléculas químicas que atuam na germinação de esporos...

Adubação orgânica significa sustentabilidade e versatilidade no campo

A utilização de matérias-primas para geração de energia, produção animal e indústria alimentícia gera resíduos orgânicos muitas vezes descartados de forma inadequada, com grande risco de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!