20.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosÁgua na medida certa para a produção de grãos

Água na medida certa para a produção de grãos

O sistema de gotejamento enterrado para grãos já é uma realidade. É o sistema que mais cresce na história com relação a todos os outros sistemas de irrigação.

 

Fotos-Rivulis
Fotos-Rivulis

O gotejamento enterrado conhecido como SDI (Subsurface drip irrigation) no Brasil começou a ser implantado em cereais para grandes áreas em 2008, na Agropecuária Mutum, em Nova Mutum (MT), em uma área de 30 hectares, e de lá se multiplicou em diversas regiões do País. “Em virtude do preço do sistema x preço da terra, o lugar onde mais se desenvolve o gotejo enterrado é no Rio Grande do Sul, onde a terra é mais cara. Ainda assim, podemos hoje encontrar projetos em Goiás, Mato Grosso, Bahia, São Paulo e Mato Grosso do Sul“, relata Guilherme Ferreira de Souza, gerente comercial da Rivulis.

Ainda segundo ele, o uso do gotejo enterrado para grãos ocupa, atualmente, uma área pequena. “Quantificamos por unidade de projetos, mas deve estar em torno de 1.500 hectares“, calcula o especialista.

Guilherme Ferreira de Souza, gerente comercial da Rivulis - Fotos Rivulis
Guilherme Ferreira de Souza, gerente comercial da Rivulis – Fotos Rivulis

De onde veio

A tecnologia de gotejo enterrado é utilizada em vários países, com destaque para EUA, Espanha, Argentina e Austrália, mas acredita-se que sua origem tenha sido em Israel, onde as condições extremamente severas quanto à oferta de água para os cultivos exigiram a necessidade de práticas de irrigação mais eficientes e que não atrapalhassem os tratos mecanizados,aumentando o desempenho dos insumos aplicados nas lavouras via água.

Isso acontece porque o sistema de gotejamento enterrado (SDI) leva água diretamente à zona radicular das plantas. Então,quando se aplica o adubo junto da água esse aumento de eficiência se estende também à aplicação de fertilizantes. Além disso, a busca de um sistema de irrigação automático que possa operar em qualquer formato e tamanho de área e em topografias bem acentuadas fez do sistema SDI uma solução versátil.

Podem ser aplicados via sistema SDI uma vasta gama de insumos agrícolas especializados, desde fertilizantes a inseticidas, fungicidas e dessecantes, desde que sistêmicos, que agem exatamente na parte fisiológica da planta. Essa prática melhora os custos operacionais, já que o próprio sistema de irrigação se torna o condutor desse produto.

Na prática

Em Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia, Guilherme Ferreira relata que há um projeto de gotejo enterrado paralelo a um de irrigação via pivô. “Nesse projeto comprovamos aumento de produtividade nas culturas de soja, algodão, trigo e milho, no primeiro sistema. No algodão, por exemplo, o pivô entregou 280 arrobas por hectare, enquanto no gotejamento foram 303 arrobas por hectare“, relata.

Além disso, quando se considera o custo de manutenção da lavoura, ele informa que foram utilizadas no mesmo período11 aplicações de defensivos no pivô contra três no gotejo, economizando maquinário, fungicida, mão de obra e diesel. Isso porque na aplicação subterrânea não se molha as folhas das culturas, garantindo produtos de maior valor agregado e melhores rendimentos para o produtor.

A grande expectativa da maioria dos produtores é ter disponível o solo para plantio no dia planejado e nas condições de umidade ideais. “Com o gotejo enterrado basta apertar um botão que em dois dias o solo estará pronto para plantar. A irrigação fica praticamente invisível, por estar enterrada, e não atrapalha a mecanização, o que faz aumentar ainda mais a performance das máquinas, evitando manobras desnecessárias“, esclarece Guilherme Ferreira.

A irrigação fica enterrada e não atrapalha a mecanização - Fotos Rivulis
A irrigação fica enterrada e não atrapalha a mecanização – Fotos Rivulis

Cuidados imprescindíveis na elaboração de projetos

O gotejamento enterrado proporciona até 98% de eficiência, contra cerca de 88% do pivô central, que é o segundo mais eficiente. Em outros sistemas de irrigação do tipo aspersão, a eficiência fica entre 65 e 75%. Essa eficiência traz até 20% menos uso de água, adubo, energia elétrica, entre outros.

Segundo Guilherme Souza, a Rivulis tem resultados acima de 40% de desenvolvimento da cultura, com um custo de produção que pode chegar a 15% menos,levando em consideração a parte de aplicação, resultando em 50% mais lucratividade para o produtor rural.

Ao implantar um sistema SDI o produtor terá o suporte técnico que proverá, juntamente com um projeto minucioso e muito bem detalhado, os desenhos, mapas topográficos, orientações técnicas para execução da obra de montagem e uma listagem completa de todos os dispositivos que compõe o sistema.

Os itens de segurança mais comuns que obrigatoriamente devem existir em um bom projeto de irrigação enterrado são gotejadores específicos para o uso enterrado, sistema de filtragem, preferencialmente de areia, válvulas de controle comando e ventosas. Sem algum desses itens o sistema estará com os dias contados, e com certeza o produtor não desfrutará da longevidade que o sistema oferece.

Atualmente, os projetos SDI já são oferecidos com automação completa. Isso significa que os dispositivos de segurança e limpeza dos equipamentos realizam de forma automática operações que outros sistemas demandariam tempo e pessoal para a realização.

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Inoculação beneficia cultura atual e subsequente

Solon Cordeiro de Araujo Engenheiro agrônomo, consultor da Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII) solon@scaconsultoria.com.br   Desde longa data, mais precisamente desde os tempos da...

Produção de coentro em cultivo protegido

Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia robertacamargoss@gmail.com Ernane Miranda Lemes Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia ernanelemes@yahoo.com.br João Ricardo Rodrigues da Silva Engenheiro agrônomo joaoragr@hotmail.com   O coentro (Coriandrumsativum...

Matopiba se destaca por sua vocação agrícola

Região responde por 11% da soja, 32% do algodão, 8% do arroz e 5% do milho brasileiros Mais nova fronteira agrícola do país, o Matopiba...

Propagação de mudas do abacateiro

Givago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com O abacateiro (Persea americana Mill.) é originário da América e seu centro...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!