20.6 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiAlgas: Mais tempo de prateleira para o tomate

Algas: Mais tempo de prateleira para o tomate

Autores

Aline Mendes de Sousa GouveiaEngenheira agrônoma, doutora em Agronomia/Horticultura) e professora – Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos (UNIFIO) aline_mendes@fio.edu.br

Veridiana Zocoler de MendonçaEngenheira agrônoma e doutora em Agronomia/Energia na Agricultura – UNESP/FCAveridianazm@yahoo.com.br

Plantação de tomate _ Créditos: Shutterstock

Para melhorar o rendimento das culturas, sem impactar negativamente o meio ambiente em diversas regiões do mundo, produtos à base de algas marinhas têm sido cada vez mais aplicados na agricultura.

O uso de extratos concentrados de algas marinhas (ECAM) como biofertilizantes e/ou bioestimulantes mostra-se uma alternativa na produção de alimento livre de resíduos químicos. Apresentam em sua composição os macro (N, P, K, Ca, Mg, S) e micronutrientes (Cu, Zn, Mn, B e Co), além de aminoácidos, vitaminas (B1, B2, C e E) e fitohormônios, como as citocininas, auxinas, giberelinas, betainas e laminarinas.

Seu uso revela um potencial muito interessante, uma vez que promove o aumento na produção de fitoalexinas, compostos com propriedades antimicrobianas em plantas hortícolas e frutíferas. Outros efeitos benéficos relacionam-se à assimilação de nutrientes, por ajudar no transporte de micronutrientes e vitaminas que melhoram os processos fotossintéticos.

Dessa forma, podem alterar o crescimento das plantas, estimulando a expansão celular e aumentando o conteúdo de clorofila, na síntese de proteína, como a melhora da germinação, crescimento e rendimento em plantas cultivadas.

Maior tempo de prateleira do tomate

Pesquisas sobre a utilização de extratos de algas no processo pós-colheita de tomate estão em fase incipiente. Entretanto, alguns estudos revelaram que o uso de extratos de algas melhora a qualidade dos frutos de tomate, por ter em sua composição potássio (K) e cálcio (Ca), macronutrientes indispensáveis para a produção de frutos.

Estes são frutos de tamanho uniforme, cores mais intensas, mais resistentes ao transporte, por serem mais firmes, com altos teores de sólidos solúveis (°Brix) e maior durabilidade pós-colheita, em torno de 30%.

Manejo

Dos três grupos principais de macroalgas, as Ascophyllum nodosum e Ecklonia maxima são as mais comumente usadas na agricultura. Tradicionalmente, os produtores utilizam algas marinhas, frescas ou secas, como adubo ou composto. Mais recentemente, os produtores começaram a usar produtos comerciais de extrato de algas marinhas como sprays foliares e/ou aplicados ao solo em concentrações que variam 0,2 a 0,5%, de acordo com o fabricante do produto.

De forma geral, a época de aplicação varia com a destinação do produto. Para tomate de mesa pode-se trabalhar da seguinte forma: no transplantio da muda, fazer uma solução de 1:2.000 ppm de extrato de alga e imergi-la por 10 min, com posterior plantio no canteiro. Outra forma seriam aplicações foliares na pré-florada; no pegamento do fruto; 14 dias após o pegamento; 30 dias após o pegamento; entre dois e três dias de cada colheita.

Para processamento industrial de tomate, aplicações foliares com a planta entre 15 a 20 cm de altura; na primeira pré-florada; no primeiro pegamento do fruto e opcional 14 dias depois do pegamento do fruto.

[rml_read_more]

Recomendações

Os extratos de algas não devem ser utilizados sozinhos. O uso não exclui o manejo de adubação tradicional, pois irá potencializar a adubação organomineral, especialmente nas práticas de cultivo moderno. A concentração do extrato de algas varia entre os fabricantes.

Desse modo, é preciso seguir uma orientação técnica de acordo com o proposto pela fabricante. Por ser um produto de ação diferenciada, que varia entre as produções de tomate segundo as diversas condições edafoclimáticas, a experiência e os testes a campo servirão para estabelecer a recomendação (dosagem) mais adequada para o produtor.

Relação direta com a produtividade

De acordo com a literatura, observou-se que, em relação ao cultivo do tomate, houve aumento significativo de produtividade em torno de 50%. Também foram obtidos aumentos significativos nos atributos de qualidade dos frutos, incluindo tamanho, cor, firmeza, sólidos solúveis totais, níveis de ácido ascórbico e minerais.

Os produtores que utilizam extratos de algas mencionam uniformização e aumento da germinação de sementes e emergência de plântulas, melhor desenvolvimento do sistema radicular, maior aproveitamento de nutrientes, obtenção de flores e frutos de tamanho uniforme e com cores mais intensas, além de sensível melhora da resistência da planta contra fitopatógenos.

A ação bioestimulante do extrato de algas sobre estas características refletem de forma indireta no estímulo à atividade microbiana do solo, potencializando a absorção de NPK e, consequentemente, levando ao aumento da produtividade do tomateiro em torno de 11 toneladas por hectare. 

Ainda, melhora o aspecto nutricional das plantas, garantindo maior capacidade de suportar o estresse hídrico, pois influencia processos fisiológicos e metabólicos desde o processo de germinação de sementes até o período pós-colheita do tomate.

Como agregar à técnica

A condução de trabalhos em campo e, principalmente, sob condições tropicais, é de grande valia para a obtenção de resultados mais próximos da realidade dos produtores brasileiros, uma vez que os efeitos da aplicação do extrato de alga são dependentes de vários fatores, como: dose, época, modo e frequência de aplicação do produto; espécie e estação de coleta da alga (primavera, verão, outono ou inverno), assim como o modo de obtenção do extrato (compostos utilizados para extração); estado nutricional, idade da planta, espécie e cultivares em que o produto é aplicado. Assim, estudos a campo e pesquisa científica embasarão o uso eficiente e agregação desta tecnologia nas culturas agrícolas.

Custo

Felizmente, os extratos de algas estão ficando mais acessíveis ao produtor. A utilização está vinculada às épocas de preços valorizados dos frutos. No entanto, o uso dos extratos de algas é realmente eficiente quando faz parte do manejo de adubação do produtor. 

O emprego do extrato de algas não é apenas uma tendência, é o caminho para o futuro da horticultura sustentável. Produzir mais com menos custo, aumentar a produtividade, qualidade e durabilidade dos frutos destinados à mesa e ao processamento industrial, e reduzir o uso de fertilizantes químicos na lavoura são os objetivos principais no desenvolvimento de produtos à base da algas marinhas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Bioestimulante aumenta perfilhos e longevidade do canavial

O bioestimulante é a chave para um canavial próspero, com maior número de perfilhos e longevidade das plantas.

Bioativador à base de algas marinhas pode aumentar a produtividade do arroz

A Koppert está lançando no Brasil uma linha de bioativadores formulados com o extrato da alga marinha Ascophyllum nodosum, mundialmente reconhecida por promover o crescimento das plantas e melhorar sua resistência frente aos estresses e ao ataque de pragas e doenças.

Manejo da raiz rosada em cebola

Solos alcalinos, ou de pH mais elevado, favorecem a ocorrência desse patógeno.

O diferencial dos fosfitos líquidos para os povoamentos florestais

José Geraldo Mageste Engenheiro florestal, doutor e professor" Universidade Federal de Uberlândia (UFU) jgmageste@ufu.br Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Agronomia " UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Pollyane da Silva Hermenegildo Engenheira...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!