22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiAminoácidos reduzem estresse do pessegueiro

Aminoácidos reduzem estresse do pessegueiro

Fernando Simoni Bacilieri

Engenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia – ICIAG-UFU

ferbacilieri@zipmail.com.br

Roberta Camargos de Oliveira

Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia

robertacamargoss@gmail.com

José Geraldo Mageste

Engenheiro florestal e professor – ICIAG-UFU

jgmageste@ufu.br

Crédito Pixabay
Crédito Pixabay

No Brasil, os Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, e Paraná destacam-se por possuírem as melhores condições naturais para produção comercial do pêssego, entretanto, São Paulo e Minas Gerais apresentam as maiores produtividades, provavelmente atribuídas ao nível de tecnologia empregada, demonstrando que se trata de uma cultura responsiva ao manejo.

O estresse

Por ser uma cultura perene, o pessegueiro constantemente fica sujeito a condições de estresse durante seu ciclo. Estresse de plantas pode ser definido como “um fator esterno que exerce influência desvantajosa para as plantas“.

Podem ser divididos em estresse abiótico (temperatura, água, luz, nutrientes, vento, geada, granizo, etc.), que normalmente é difícil de ser previsto e controlado, ou estresse biótico (doenças, pragas, ervas daninhas, animais, fitotoxicidez, etc.) que pode ser minimizado por um bom manejo nutricional e fitossanitário.

Sempre que as plantas ficarem expostas a situações de estresse, haverá gasto de energia para recuperação e os processos como brotação, floração e frutificação poderão ser afetados, impactando no crescimento, desenvolvimento e componentes de produção. Quanto maior a intensidade ou duração do estresse, maior será o prejuízo.

 

Os aminoácidos potencializam absorção de nutrientes - Crédito Elmar Floss
Os aminoácidos potencializam absorção de nutrientes – Crédito Elmar Floss

Aminoácidos

Uma prática de manejo fisiológico do pessegueiro que visa à prevenção ou recuperação das plantas em situações de estresse e que tem sido difundida entre técnicos e produtores é a aplicação exógena de produtos compostos por aminoácidos via foliar ou via solo.

Os aminoácidos são moléculas formadas por um carbono central ligado a um grupamento carboxila (COOH), um grupamento amino (NH2) e um átomo de hidrogênio. Além destas três estruturas, os aminoácidos apresentam um radical chamado genericamente de “R“, que diferencia os mesmos.

As proteínas das plantas são formadas a partir de um grande número de aminoácidos: L-Fenillamina, L-Tirosina, L-Treonina, L-Hidroxiprolina, L-Leucina, L-Triptofano, L-Isoleucina, L-Xiprolina, L-Metionina, L-Ornitina, L-Alanina, L-Valina, L-Arginina, L-Aspartato, L-Aspargina, L-Cisteina, L-Glutamato, L-Glutamina, L-Glicina, L-Prolina, L-Serina, L-Histidina, L-Lisina e L-Hidroxilisina.

No mercado brasileiro de fertilizantes, os aminoácidos normalmente estão presentes em misturas com outros compostos ou nutrientes em produtos classificados e comercializados como fertilizantes foliares sem informações quanto à origem e composição, o que dificulta aos técnicos e agricultores escolherem o mais adequado para cada situação.

A aplicação de aminoácidos nas plantas possui basicamente duas funções: fornecer o aminoácido propriamente dito para as plantas, e a de agente complexante de macro e micronutrientes catiônicos.

Como forma de fornecer os aminoácidos, produtos que apresentem o aminoácido prolina podem auxiliar na recuperação de estresse hídrico, pois este aminoácido é um potente osmorregulador.

Na fase de crescimento ou novo fluxo vegetativo, o aminoácido triptofano, por ser um precursor do hormônio vegetal auxina, favorecerá o crescimento vigoroso das raízes para melhor explorarem o solo e absorverem água e nutrientes, que são fundamentais aos processos fisiológicos das plantas.

Produtos formulados com cisteínavão evitar o envelhecimento precoce das folhas, uma vez que este aminoácido é precursor de compostos como a glutationa, que atua na neutralização de radicais livres ou formas reativas de oxigênio que aceleram a senescência.

O aminoácido ácido glutâmico é considerado um “coringa“ para as plantas, porque é a partir dele que são produzidos aspartato, aspargina e demais aminoácidos para produção de proteínas. Seu fornecimento exógeno possibilita considerável economia de energia para as plantas.

 Crédito Pixabay
Crédito Pixabay

Contra pragas e doenças

Na fase reprodutiva, o pessegueiro fica mais suscetível ao ataque de pragas e doenças e o uso de aminoácidos como a tirosina e a fenilanina, que são precursores dos compostos fenólicos envolvidos na defesa das plantas, confere maior resistência ao ataque de pragas e doenças, além atuarem na síntese de lignina, que promove resistência das plantas ao acamamento.

A uniformização da maturação pode ser promovida pelo uso de produtos que contenham metionina no final da fase reprodutiva, pois este aminoácido é precursor da síntese do hormônio etileno, que regula a maturação de frutos nas plantas.

Via solo

O fornecimento de aminoácidos via solo tem ganhado destaque.Aproveita-se o tratamento fitossanitário do solo para controle de nematoides, pragas ou doenças e adicionam-se produtos à base de aminoácidos aos agroquímicos.

No solo, os aminoácidos podem potencializar o efeito dos defensivos agrícolas e proporcionar benefícios como estimular o crescimento das raízes, aumento da CTC e da atividade biológica na região de rizosfera, favorecendo a solubilização e absorção de alguns nutrientes.

O aumento no aproveitamento de nutrientes via foliar nas lavouras pode ocorrer devido à complexação dos elementos catiônicos K+, Ca++, Mg++, Fe++, Mn++, Zn++ e Cu++ com os aminoácidos, formando assim um quelato orgânico que possui alta capacidade de atravessar a cutícula das folhas, que é a primeira barreira para absorção foliar por apresentar propriedades de atração e repulsão onde os nutrientes aplicados na forma de cátions livres levariam maior tempo para serem absorvidos.

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Milho é muito mais do que zinco

Maickon Fernando Ribeiro Balator Coordenador Agronômico da Biosoja Raphael Bianco Roxo Lima Rodrigues Assistente Técnico de Vendas da Biosoja Renato Passos Brandão Gestor Agronômico da Biosoja O milho é o...

Qual a ação e reação dos organominerais no pomar de citros?

Autores Rhaiana Oliveira de Aviz rhaianaoliveiradeaviz@gmail.com Luana Keslley Nascimento Casais luana.casais@gmail.com Graduandas em Agronomia - Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) Luciana da Silva...

Pinta-preta – Perigo ronda lavouras de tomate e batata

Cultivos de tomateiro e batateira destacam-se por apresentarem um amplo histórico de problemas fitossanitários, responsáveis por perdas significativas na produção.

Panorama da produção de uvas e vinhos no Brasil

Loiva Maria Ribeiro de Mello Pesquisadora da Embrapa Uva e Vinho loiva.mello@embrapa.com   A área cultivada com videiras no Brasil, em 2016, foi de 77.786 ha, apresentando redução...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!