22.9 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAmipa inaugura sua sede em Uberlândia

Amipa inaugura sua sede em Uberlândia

Crédito Divulgação
Crédito Divulgação

Uma estrutura de primeiro mundo. Esse é o melhor conceito para definir o novo prédio que abriga a sede filial da Associação Mineira dos Produtores de Algodão (Amipa), em Uberlândia (MG). A obra custou cerca de R$ 9 milhões e tem mais de 2.500 m² de área construída em um terreno de 6.000 m², localizado no bairro Alto Umuarama II, na zona Leste da cidade.

Para Inácio Carlos Urban, presidente da Amipa, é um orgulho o empreendimento. “Essa é a nossa casa, a casa do produtor, onde conseguimos analisar o nosso produtono laboratório Minas Cotton,para que possamos de fato vendê-lo com qualidade e confiabilidade para a indústria“, diz.

Ocupada desde o ano passado ” antes a filial funcionava em imóvel alugado na cidade -, a nova sede da Amipa em Uberlândia foiinaugurada oficialmente no dia 30 de março, em evento altamente prestigiado, que contou com a presença dos principais representantes do agronegócio brasileiro do algodão, produtores associados ” entre eles da agricultura familiar ” e várias autoridades políticas, entre elas o prefeito municipal Odelmo Leão e o secretário de Estado da Agricultura Pedro Leitão.“Prezo e valorizo muito a agricultura familiar, e fico muito honrado com a presença dos produtores de algodão do norte de Minas“, diz o presidente.

A modernidade e características sustentáveis do novo prédio renderam à Amipa e ao arquiteto autor do projeto arquitetônico, Luiz Márcio, da Destra Arquitetura, o 1º lugar na categoria Projeto Comercial e Predial, na 10ª edição do Grande Prêmio de Arquitetura Corporativa promovido pela Flex Eventos, em São Paulo, em outubro de 2013, quando a obra estava ainda em construção. O prêmio é o mais importante na área da arquitetura para edifícios corporativos da América Latina.

Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa - Crédito Luize Hess
Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa – Crédito Luize Hess

Estrutura sólida

A nova filial da Amipa, erguida em dois pavimentos, abriga o centro administrativo, auditórios com capacidade para 90 lugares, as duas filiais tecnológicasda entidade(um laboratório de análise de fibras de algodão e outro de controle biológico de pragas- Minas Cotton e Biofábrica, respetivamente), museu, área de descompressão, salas de reuniões, entre outras dependências.

A estrutura foi projetada e erguida seguindo um conjunto de medidas que visam a sustentabilidade da edificação, tais como ventilação cruzada, reuso de água e eficiência energética, por meio de células fotovoltaicas.

Essa estrutura é servida por um estacionamento para mais de 70 veículos. No local trabalham diariamente cerca de 25 funcionários, incluindo 21 apenas na Biofábrica. Em período de safra, o número sobe em cerca de 40 trabalhadores, principalmente por conta do aumento das atividades no laboratório Minas Cotton-que é considerado um dos mais modernos e precisos do mundo em análise de fibras do algodão.

Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa - Crédito Luize Hess
Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa – Crédito Luize Hess

Evolução da cadeia cotonicultora

Ao longo desses quase 17 anos de trabalho, a associação busca assegurar a produtores associados, algodoeiras, cooperativas, corretoras, indústrias têxteis e governos estadual e municipais um caminho de crescimento e sustentabilidade em toda a cadeia produtiva têxtil do algodão.

Um dos beneficiados foi Neviton Costa Freitas, produtor de algodão nos municípios de Mato Verde, Catutí e Pai Pedro, onde tem 24,5 hectares plantados com a pluma. Ele, que é produtor de algodão desde a década de 70, se associou à Amipa há cerca de oito anos, quando iniciou a cooperativa dos produtores em Catuti. “Há alguns anos fui beneficiado pelos programas governamentais. Existia uma indústria de algodão do governo em Janaúba para beneficiar os agricultores e comercializávamos a produção sem atravessadores, com um bom lucro. Quando não tínhamos para quem vender, precisávamos dos atravessadores, que abocanhavam nossa renda“, conta.

Com a formação da cooperativa de Catuti e com a filiação na Amipa, Nevirton passou a vender sua produção de forma direta, sem atravessadores, e garantiu bons preços, além de técnicos presentes na lavoura para auxiliar no uso de tecnologias. “A Amipa é muito boa para nós, e faz um trabalho muito bonito, com muita organização“, elogia.

Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa - Crédito Luize Hess
Evento para apresentação das inovações trazidas pela Amipa – Crédito Luize Hess

José Alves de Souza compartilha da opinião do colega. Produtor de algodão no norte de Minas, ele é associado da Amipa desde 2008, e atualmente produz 16 hectares da pluma. “Nos associarmos à Amipa nos ajudou a continuar produzindo algodão. O apoio e o incentivo da empresa nos mantiveram animados, em busca de melhorias. Por sermos associados, temos melhores preços para aquisição de defensivos, por exemplo. A Amipa realmente investe na gente, o que nos dá mais força. Nos oferecem soluções e temos mais facilidade para saber as reais demandas da produção“, diz.

Adelino Lopes Martins, conhecido como Dila, associado da Amipa desde 2007, é produtor de 27 hectares de algodão também no município de Catutí. Ele conta que nesse ano a produção não está boa porque a estiagem foi muito grande. Mas, desde que se tornou associado da Amipa, ele afirma que sentiu melhora no preço do algodão.

“Quando vendíamos por atravessadores, pegávamos 60% do preço do algodão. Agora vendemos o algodão direto para a tecelagem e pegamos o valor total da venda. Faço parte da diretoria da Amipa e tenho muito orgulho disso!“, diz.

 Inácio Carlos Urban, presidente da Amipa - Crédito Luize Hess
Inácio Carlos Urban, presidente da Amipa – Crédito Luize Hess

Alavancada por ações estratégicas que disseminaram em Minas Gerais as melhores tecnologias produtivas utilizadas no País e no mundo, a produção mineira de algodão segue evoluindo e aumentando a sua representatividade no agronegócio estadual, nacional e mundial, com uma produtividade competitiva, nas últimas safras, em relação aos patamares brasileiros.

Diante disso, a Amipa reconhece que tal patamar de evolução da cadeia produtiva mineira do algodão seria inimaginável até alguns anos atrás sem a atuação de parceiros estaduais e nacionais, que juntos ajudaram a associação a viabilizar tanto a criação quanto a manutenção dos diversos projetos para o necessário suporte técnico, tecnológico e administrativo ao cotonicultor associado.

Por consequência, a Amipa se projeta nos cenários nacional e internacional como associação de referência na organização de uma cadeia produtiva agrícola, destacando-se pelo seu apoio aos associados na obtenção de algodão de alta qualidade, hoje reconhecido no exterior, e produzido sob normas mundiais de sustentabilidade.

É assim que a Amipa cumpre os seus firmes propósitos de consolidar cada vez mais a cotonicultura como uma das mais promissoras atividades do agronegócio mineiro e levar o produtor associado a conquistas sempre maiores e mais satisfatórias na cultura do algodão.

Essa matéria você encontra na edição de maio 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância dos micronutrientes na cultura da batata

  Daniela Vitti Engenheira agrônoma, doutora em Ciências e Coordenadora Técnica da Bio Soja Emanuel Alexandre Coutinho Pereira Consultor de Vendas da Agrozap, Uberaba (MG) Renato Passos Brandão...

Aplicação de regulador de crescimento na Cotocultura

O cultivo do algodão vem crescendo de forma substancial no Brasil, devido ao ...

Telas coloridas otimizam produção de HF

João Eduardo Ribeiro da Silva Engenheiro agrônomo e doutor em Fitotecnia - ICIAG-UFU johned87@yahoo.com.br Daniel Lucas Magalhães Machado danielmagalhaes_agro@yahoo.com.br Diego Tolentino de Lima diegotolentino10@hotmail.com Engenheiros agrônomos e doutorandos em Fitotecnia -...

Cool Seed lança secador de Múltipla Intermitência – SMI

De 01 a 03 de julho a Cool Seed realizou em Franca (SP) a sua convenção de vendas para a Divisão de Negócios Café...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!