26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasAmpliação da área agrícola

Ampliação da área agrícola

Corredor Centro-Leste da FCA pode receber 6 milhões de toneladas de grãos de microrregiões em Minas Gerais, Goiás e Bahia; escoamento terá como destino o litoral capixaba

Soja – Créditos: shurtterstock

O agronegócio é um dos motores da economia brasileira e já mostrou resiliência e sua importância mundial, nos últimos anos, com safras e exportações recordes. Atenta a esse cenário, a VLI, controladora da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), executa um plano de desenvolvimento territorial sustentável para aumentar a área agrícola de Minas Gerais, Goiás e Bahia. Com o fomento da atividade, a previsão é elevar o volume de cargas que circulam na Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) em direção aos portos do Espírito Santo.

“Esse projeto vai fortalecer a operação do corredor Centro-Leste e gerar novos volumes no médio e longo prazo. Temos a estrutura pronta para atender e a possibilidade de ampliar nosso serviço conforme a demanda. Com a renovação antecipada da concessão da FCA, o Centro-Leste receberá investimentos de R$ 4 bilhões, resultando em um grande ganho de eficiência no transporte ferroviário de cargas na região”, afirma Marlon Tadeu, gerente geral de Planejamento da VLI.

Até o momento, a VLI investiu R$ 2,7 milhões no processo. Os testes e ações de fomentos são conduzidos pela Companhia de Promoção Agrícola – CPA (CAMPO). O projeto pode revolucionar as regiões Norte e Noroeste de Minas Gerais dinamizando a cadeia de produção. A base da iniciativa é a utilização do pó de rocha (ou pó de basalto) como fertilizante natural para o solo. Os basaltos são rochas silicáticas de origem vulcânica, de ampla distribuição no país.

O Triângulo Mineiro concentra grande incidência desse tipo de material. Essas rochas podem contribuir para a reconstrução da produtividade dos solos. “Já identificamos pedreiras em Goiás que comercializam o item. Estamos apoiando interessadas de Minas Gerais na oferta do pó de basalto. Essa é uma das frentes de trabalho. É possível que no próximo ano tenhamos o início do processo em uma escala maior”, aponta Marcos Ramos, engenheiro agrônomo e consultor de projetos na Campo.

Uma fronteira agrícola à vista

Para o engenheiro agrônomo, ex-ministro da Agricultura e considerado o “pai da agricultura moderna brasileira”, Alysson Paolinelli, o uso dessa técnica será uma transformação importante para o Brasil garantir a segurança alimentar global. “As projeções mundiais de aumento da população e da demanda por comida mostram que precisamos mais do que duplicar a nossa safra atual. O país tem essa responsabilidade e práticas como essa vão aumentar a eficiência do agricultor”, explica.

A logística favorável para o basalto da região de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, associada a uma demanda a ser construída no Noroeste e Norte de Minas Gerais, Sul da Bahia e Leste do Goiás resultam em um mercado potencial de 10 milhões de hectares para a produção de grãos. A remineralização do solo pode aumentar o espaço de cultivo. “Com projeções conservadoras seria possível adicionar 6 milhões de toneladas na produção agrícola nacional em um período de cinco anos”, estima Eduardo Calleia, consultor em agronegócio.

Além da movimentação dos grãos do interior até o litoral capixaba, o projeto viabiliza a comercialização e o fluxo do basalto dentro do estado. Estudos estimam que a cada um milhão de hectares incorporado, há uma geração de R$ 5 bilhões em receitas divididos entre a a produção agrícola, empregos, aquisição de máquinas e logística.

De Minas até o mar pelos trilhos

A ferrovia é o modal mais adequado para transportar grandes volumes em longos trechos. Por meio da FCA, parte da produção de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso e Goiás chega até o litoral. A nova produção agrícola terá um escoamento eficiente até o Espírito Santo contando com a estrutura dos terminais integradores de Pirapora e Araguari.

Suporte ao agro

Uma alternativa que pode vir a ser estudada futuramente para fortalecer esse projeto é a extensão da malha da FCA da cidade de Pirapora até Unaí, conectando Norte e Noroeste mineiros, gerando atratividade para empreendedores logísticos do agronegócio. Para isso, uma opção poderia ser a adoção de novos formatos em discussão atualmente, como o modelo de autorização previsto no Projeto de Lei 261, o novo Marco Legal das Ferrovias. A proposta resultaria, ainda, na ampliação do terminal de Pirapora. A unidade, que integra rodovia e ferrovia, é um exemplo de fomento ao agronegócio regional. Há 10 anos, a VLI inaugurou o ativo após recuperar 150 quilômetros da FCA entre Corinto e Pirapora. O terminal movimenta cerca de um milhão de toneladas de grãos anualmente. Entre 2008 e 2018, a área produtiva nas regiões Norte e Noroeste saltou de 340 mil para mais de 700 mil hectares. 

“Projetos como esse têm a capacidade de revolucionar as regiões. Aumenta a produção, gera empregos, melhora a qualidade de vida das pessoas e estimula toda uma cadeia de fornecedores”, Eduardo Calleia.

Sobre a VLI

A VLI tem o compromisso de contribuir para a transformação da logística no país, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). Escolhida como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar pela revista Você S/A pelos últimos cinco anos e a primeira colocada do segmento de Logística e Transporte em 2019, a VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

ARTIGOS RELACIONADOS

Planejamento da colheita é a melhor alternativa técnico-econômica

Plataforma inteligente da GAtec pode otimizar processo e gerar aumento da rentabilidade das unidades sucroenergética.

Mês da Mulher: o lugar delas é no agronegócio brasileiro

O setor emprega mais de 10 milhões de pessoas e a participação feminina cresce a cada ano.

Quando dobraremos o PIB do agronegócio brasileiro?

Para o ano de 2023, estima-se o valor do PIB do agronegócio superando R$2,62 trilhão, equivalendo um quarto do PIB do Brasil.

Live aborda as perspectivas do controle biológico

A Koppert e a Fealq (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz) promovem, no dia 24 de agosto,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!