18.6 C
Uberlândia
segunda-feira, maio 27, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAnálise de nematoides

Análise de nematoides

Vanessa Alves GomesEngenheira agrônoma, mestra em Fitopatologia, doutora em Proteção de Plantas e professora – Centro de Ensino Superior de São Gotardo (CESG)vavvgomes@gmail.com

Carolina Alves GomesEngenheira agrônoma e mestranda em Produção Vegetal – Universidade Federal de Viçosa (UFV/CRP)carol.agomes11@gmail.com

Nematoide-das-galhas – Crédito Arquivo

Os nematoides são um grande problema para os produtores no Brasil e no mundo. Existem diversos nematoides importantes e capazes de causar prejuízos em diversas culturas. Antigamente, pouco se sabia a respeito destes patógenos.

Os produtores não realizavam o monitoramento das áreas, por meio das análises nematológicas, bem como ao descobrir um nematoide na área nada era feito. Muitas vezes o produtor mantinha a informação em sigilo, sobre a presença de nematoides em determinadas propriedades, em busca de não desvalorizar suas terras.

Atualmente, vemos uma valorização dos estudos dos nematoides. Com o passar dos anos, os produtores receberam mais informações e sentiram as perdas produtivas na presença deste patógeno. Diante disso, foi possível gerar uma maior aceitação do problema em questão e iniciar medidas de manejo visando reduções populacionais.

Prevenir é o único caminho

Quando um nematoide é inserido na área, a sua erradicação é dada como impossível. Assim, é necessário ficar atento às medidas preventivas existentes e aplicáveis às propriedades. A partir do momento que uma área se encontra infestada por nematoides é necessário manejar em prol de reduções de populações para possibilitar o cultivo e não inviabilizar a área.

A disseminação dos nematoides acontece de forma passiva. Esses patógenos não se locomovem sozinhos e infectam novas áreas. Podemos observar a disseminação acontecendo por meio do solo aderido às botinas, rodas de carros, máquinas e implementos, enxurradas e até mesmo pelo vento, quando há o transporte de partículas de solo.

Visto a facilidade de disseminação desses patógenos, é importante monitorar as áreas produtivas buscando impedir a entrada do patógeno no local ou, quando já presentes, evitando sua disseminação nos talhões onde o nematoide ainda não está presente.

De olhos abertos

O monitoramento é realizado por meio das análises nematológicas. Assim, o produtor faz a coleta de solos e raízes, envia a um laboratório especializado e obtém o laudo de como está a saúde de seu solo em relação à presença de nematoides.

Ao comprar ou arrendar uma área é necessário, antes, buscar informações a respeito dos nematoides e realizar a análise nematológica, bem como são realizadas as análises de solo.

[rml_read_more]

Antes de iniciar o plantio é necessário conhecer o solo, se há nematoides na área, para organizar o sistema de rotação, a escolha de cultivares e determinar todo o manejo da área. A depender da presença de nematoides, algumas medidas precisam ser adaptadas para não proporcionar um aumento do patógeno na área e apresentar quedas quali-quantitativas na produtividade.

A coleta do material deve ser realizada respeitando a distribuição espacial e atemporal. As amostras devem ser coletadas de forma estratificada e sistemática, tendo em vista que a distribuição espacial-horizontal desses patógenos é agregada.

É necessário coletar amostras compostas de várias subamostras. Recomenda-se coletar de 10-30 amostras para cada hectare. Áreas muito grandes recomenda-se subdividir a área em quadrantes com no máximo 10 ha. No entanto, tudo é variável, o que vale ressaltar é que quanto mais subamostras forem coletadas, maior será a representatividade da área.

Especificidades

O responsável por realizar a coleta do material deve se atentar às condições do solo, que não pode estar encharcado, nem seco. É necessário realizar a coleta em condições de solo próximo à capacidade de campo.

As raízes das plantas precisam ser coletadas também para auxiliar na diagnose, principalmente as radicelas (raízes secundárias e terciárias). Normalmente, nos solos encontramos os ovos dos nematoides e nas raízes conseguimos encontrar os juvenis e adultos vivos, possibilitando a identificação e quantificação. Isso acontece por se tratar de organismos parasitas obrigatórios, ou seja, requerem uma planta hospedeira viva para sua sobrevivência.

Em relação à quantidade de material que precisa ser coletado, sugere-se a coleta de aproximadamente 1,0 kg de solo e aproximadamente 200 g de raízes. Este material será suficiente para a realização das análises laboratoriais. O material precisa ser corretamente identificado, conter informações do histórico da área e informar de qual planta são as raízes enviadas.

Assim que o material é coletado, as raízes precisam ficar inseridas no meio do solo coletado para garantir uma melhor conservação até o dia de serem analisadas. O material deve ser colocado em saco plástico, devidamente identificado, e armazenado em local fresco e arejado, quando possível, em caixa de isopor ou geladeira e deve ser encaminhado o mais rápido possível para o laboratório responsável. Temperaturas entre 10 – 15ºC prolongam a sobrevivência dos nematoides nas amostras.

Falso negativo, fuja dele

 O material vai ser representativo e mostrar o que realmente existe na área apenas quando todo o processo de coleta, armazenamento e transporte forem realizados da forma correta. Caso contrário, podemos encontrar laudos com resultados apresentando falso negativo de nematoide na área ou apresentando resultados subestimados.

O melhor momento para realizar a coleta das amostras de solo e raízes é no período reprodutivo das plantas. Neste período a planta encontra-se bem desenvolvida, não iniciou seu período natural de senescência, atuando como uma boa hospedeira para o patógeno.

Nesses casos são encontrados mais nematoides nas análises, expressando de forma mais representativa a população de nematoides na área. Por meio desse resultado é possível determinar, da melhor forma, o cultivo seguinte.

Em áreas que apresentam reboleiras, é necessário realizar a coleta nas bordas delas. Assim, realiza-se a coleta de plantas vivas e que trarão resultados representativos para sua área. Quando a coleta é realizada no centro da reboleira, normalmente as plantas já não se encontram em boas condições, devido ao ataque do patógeno, e as raízes já estão em processo de decomposição.

Assim que o material chega ao laboratório são realizadas extrações do solo e das raízes obtendo suspensões de ovos e nematoides. A quantificação e identificação realizada em microscópio óptico ou eletrônico permite obter um resultado a nível de gênero. No entanto, o produtor pode requerer uma análise molecular para receber o resultado a nível de gênero e a nível de espécie. Atualmente, sabe-se da importância de se conhecer um nematoide a nível de espécie para determinar as melhores medidas de manejo e obter os melhores resultados.

Por onde começa o perigo

O principal nematoide no Brasil é o Meloidogyne spp. (nematoide-das-galhas), seguido pelo nematoide Pratylenchus spp. (nematoide-das-lesões-radiculares). Em ambos os casos mencionados acima, os patógenos são polífagos, capazes de se hospedarem em diversas culturas.

A depender da espécie do nematoide presente na área, é possível estabelecer uma estratégia de manejo. É preciso escolher culturas ou cultivares resistentes a esses nematoides no sistema de rotação associando com outras medidas de controle disponíveis.

Nos casos de populações mistas de nematoides na área, o controle requer mais cuidado e atenção. Muitas vezes, ao reduzir a população de um determinado nematoide, você possibilita o aumento da população de outra espécie no local.

Desse modo, fica evidente a necessidade da realização de análises nematológicas periódicas. Os nematoides são patógenos que expressam sintomas no campo e perdas de produtividades apenas quando já se encontram em altas populações. Por meio das análises periódicas o produtor consegue acompanhar a sua área e detectar a presença de nematoide em níveis menores, impedindo grandes danos às lavouras.

Necessidade de monitoramento

Por se tratar de um patógeno de difícil controle e impossível erradicação, a necessidade de monitoramento se torna um aliado no processo produtivo. Somente com uma avaliação qualitativa (a nível de gênero e espécie do nematoide) e quantitativa (níveis populacionais do nematoide na área) é possível determinar medidas de controle eficientes, minimizando os prejuízos para o produtor.

ARTIGOS RELACIONADOS

Queda na safra de trigo argentino tem reflexo no Brasil

Segundo pesquisa realizada pela agtech SIMA, os danos causados pela estiagem resultaram em queda de 35% no rendimento do cereal. Com diminuição da oferta, consequentemente haverá aumento de preços, o que pode afetar negativamente o consumidor final brasileiro

Agricultura 5.0 rumo a uma viagem para o futuro

O Brasil do Século XX assistiu uma intensa movimentação interna da sua população nas migrações rurais a partir da década de 1950.

Vantagens da enxertia para o cafeeiro

Ramiro Machado Rezende Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia/Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), consultor técnico e professor do curso de Agronomia da Universidade Vale...

Aminoácidos: Vigor para o girassol

O Brasil apresenta uma grande diversidade climática, tendo um território extenso ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!