Análises biológicas: Quais as inovações previstas?

0
120

Autores

Elisamara Caldeira do Nascimento

Talita de Santana Matos

Doutoras em Ciência do Solo

Glaucio da Cruz GenuncioDoutor e professor – Departamento de Fitotecnia – UFMTglauciogenuncio@gmail.com

Solo – Fotos: Shutterstock

Até recentemente, o solo foi visto e analisado de forma química e física. Contudo, já faz algum tempo que os pesquisadores da Ciência do Solo e os próprios produtores já veem indicando que existe algo a mais além destes dois fatores.

O conceito de saúde ou de qualidade do solo está relacionado à sua capacidade de funcionar para fornecer importantes serviços ambientais, entre os quais: manter a capacidade de produção biológica, como a produção de grãos, carne, madeira, agroenergia, fibras; promover a saúde das pessoas, plantas e animais, considerando solos saudáveis e ambientes saudáveis; e também preservar a qualidade ambiental, incluindo armazenamento e filtragem de água, sequestrando carbono, entre outros.

Neste sentido, é possível ter um solo com baixa qualidade, mas cujas elevadas produtividades estejam relacionadas a entradas de insumos em doses muito acima das recomendadas para solos bem manejados, uma condição que não é sustentável em longo prazo, pois pode resultar em contaminações do ambiente e prejuízos aos agricultores.

Ligação estreita

Pode-se dizer que o funcionamento do solo está ligado aos seus aspectos de química, física e biologia, sendo que o componente biológico interliga os outros dois.

Apesar disso, os aspectos relacionados ao funcionamento biológico constituem a fronteira menos explorada e, portanto, mais desconhecida do solo. Graças a pesquisas desenvolvidas nos últimos 20 anos, dispomos de alguns indicadores microbiológicos ou bioindicadores, que atualmente podem nos auxiliar, destacando-se as avaliações de biomassa microbiana e de atividade enzimática.

A biomassa microbiana do solo, como o próprio nome diz, avalia a massa dos microrganismos no solo e é expressa como mg de C, N, e/ou P nos microrganismos por quilograma de solo. A biomassa é a parte viva e mais ativa da matéria orgânica do solo (MOS), sendo constituída, principalmente, por fungos, bactérias e actinomicetos. Infelizmente, para o Cerrado este indicador não é capaz de demonstrar as melhorias que diferentes sistemas de manejo podem trazer ao solo e ao ambiente de produção como um todo.

Nestes ambientes, as enzimas se mostraram muito mais eficientes. Elas participam como catalizadoras das reações metabólicas intracelulares, que ocorrem nos seres vivos. Além disso, as enzimas extracelulares desempenham papel fundamental, atuando em várias reações que resultam na decomposição de resíduos orgânicos, ciclagem de nutrientes, formação da MOS e da estrutura do solo.

Pesquisas

O potencial das análises de atividade enzimática como indicadores de grande sensibilidade, especialmente β-glicosidase e arilsulfatase, tem sido verificado no Cerrado (Mendes et al., 2003; Green et al., 2007; Peixoto et al., 2010) e no Sul do País (Balota et al., 2004; Lisboa et al., 2012; Mendes et al., 2015a).

Estas pesquisas demostraram que solos biologicamente ativos são mais produtivos e capazes de suportar melhor as situações adversas, principalmente relacionadas a veranicos. Isto é especialmente importante quando avaliamos as variações nos regimes de chuvas que veem ocorrendo nos últimos anos.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.