27.2 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosAntracnose - Doença de final de ciclo do feijoeiro

Antracnose – Doença de final de ciclo do feijoeiro

Carla Verônica Corrêa

Engenheira agrônoma e doutoranda em Agronomia, UNESP/Botucatu

cvcorrea1509@gmail.com

Letícia Galhardo Jorge

Graduanda em Ciências Biológicas, UNESP/Botucatu

leticia_1307@hotmail.com

Bruno Novaes Menezes Martins

Engenheiro agrônomo e doutorando em Agronomia, UNESP/Botucatu.

brunonovaes17@hotmail.com

Crédito Giovani Belutti Voltolini
Crédito Giovani Belutti Voltolini

A antracnose do feijoeiro (Colletotrichum lindemuthianum) é uma doença fúngica que afeta as lavouras cultivadas, principalmente em locais com temperaturas que variam de moderadas a frias e alta umidade relativa do ar.

Outro fator que auxilia o desenvolvimento da doença é a utilização de sementes contaminadas pelo fungo. Quanto mais precoce for o aparecimento da doença, maiores serão as perdas, que podem atingir 100%, quando são utilizadas sementes de baixa qualidade e quando as condições climáticas são favoráveis ao desenvolvimento do fungo.

Em geral, ocorre redução do rendimento da cultura, da sua produtividade e depreciação dos grãos, uma vez que ocasionam manchas, tornando-os impróprios para o consumo.

Sintomas do ataque

Os sintomas aparecem em todos os estágios de desenvolvimento da cultura. Nas folhas ocorre o aparecimento de lesões, inicialmente na face de baixo da folha, ao longo das nervuras, com pequenas manchas de cor pardo-avermelhada, que se tornam escuras.

A antracnose é mais fácil de ser reconhecida nas vagens, onde as lesões, que caracterizam os sintomas, se apresentam de forma arredondada, deprimida, de tamanho variável e com o centro claro, sendo delimitadas por um anel negro, um pouco saliente, rodeado por uma borda de cor café avermelhada.

Quando as condições de umidade e temperatura são favoráveis, forma-se no centro das lesões uma massa de esporos de coloração rosada. Nas sementes formam-se lesões nos tecidos dos cotilédones. As sementes contaminadas apresentam-se descoloridas e com lesões amarelas ou escuras.

A antracnose ocorre em todos os estágios de desenvolvimento da cultura. O ataque da doença é altamente favorecido pelas condições ambientais, como temperaturas amenas e alta umidade relativa do ar, ou seja, frio e chuva contribuem para a disseminação e desenvolvimento do patógeno.

A disseminação do patógeno ocorre a curta distância por meio de respingo de chuva, implementos agrícolas, insetos, e a longa distância por meio de sementes infectadas. Além disso, o patógeno sobrevive de um cultivo para o outro por meio de micélios dormentes no interior do tegumento de sementes ou nos restos culturais na forma de esporos.

Sintomas de antracnose na vagem do feijoeiro - Crédito Claudinei Kappes
Sintomas de antracnose na vagem do feijoeiro – Crédito Claudinei Kappes

Medidas para evitar prejuízos

Entre as principais medidas de controle estão: utilização de sementes sadias e/ou tratamento de sementes; rotação de culturas, uma vez que o patógeno produz micélios dormentes e permanece em restos culturais; utilização de cultivares resistentes e utilização de fungicidas indicados para a antracnose.

O produtor deve monitorar a lavoura, observando o aparecimento dos primeiros sintomas. Esse monitoramento deve ser intensificado em condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento do patógeno, ou seja, temperaturas baixas e umidade elevada.

Assim, realiza-se a primeira aplicação preventiva no estádio V1 e a segunda de 10 a 15 dias após a primeira aplicação,tanto para condições favoráveis à doença como em região com alta incidência e/ou aumento do progresso da doença. A terceira ou quarta aplicação deve ser feita após o florescimento, quando as condições ambientais forem favoráveis ao patógeno, ou região com alta incidência e em caso de aumento progressivo da doença.

Outro fator que deve ser levado em consideração é o manejo de resistência. Desta forma, deve-se utilizar a rotação de fungicidas com modo de ação diferente.

 

Todo cuidado é pouco

O investimento no manejo da antracnose envolve o emprego de sementes livres do patógeno ou o tratamento de sementes. Além disso, a utilização de fungicidas ao longo do ciclo da cultura é recomendável.

Outro cuidado que o produtor deve ter é a realização de rotação de cultura que não seja hospedeira do fungo, como por exemplo, com milho, permitindo a redução de inóculo do patógeno.

Também deve priorizar a utilização de genótipos adequados para a região de cultivo e que apresentem resistência à antracnose, permitindo a redução de custos com aplicação de fungicidas e, consequentemente, maior garantia de produção da cultura.

 

Detalhes que fazem a diferença

Atualmente, são vários os fungicidas indicados para o controle da antracnose. O produtor deve se atentar à dose, aos intervalos de aplicação e à rotação de moléculas, com o objetivo de garantir a eficiência do produto e o adequado controle da doença.

Os benefícios com o correto manejo é dependente das técnicas empregadas, como a utilização de sementes sadias, rotação de cultura, manejo dos fungicidas, emprego de genótipos resistentes que contribuam para a redução de custos com aplicação de fungicidas, redução da incidência da doença, alta produtividade da cultura, produção de grãos com qualidade para maior aceitabilidade no mercado e redução do inóculo para cultivos posteriores.

Custo

O custo do manejo é, principalmente, em função do emprego de fungicidas, o que dependerá do produto empregado e da quantidade de aplicação a ser efetuada. Assim, o produtor deve ficar atento a todas as formas de manejo descritas acima, com o objetivo de reduzir a incidência da antracnose. Os benefícios resultantes do manejo correto são a garantia da máxima produtividade do feijoeiro, uma vez que a antracnose pode resultar em perdas expressivas.

Essa matéria você encontra na edição de Agosto 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Frutos de café, amarelos e vermelhos no mesmo pé – O que será?

José Braz Matiello jb.matiello@yahoo.com.br Saulo Roque Almeida Engenheiros agrônomos da Fundação Procafé Luiz CarlosFazuoli Engenheiroagrônomo e pesquisador do IAC Corre por aí, na internet, uma foto, ao que nos parece,...

Safra zero do cafeeiro

O sistema safra zero do cafeeiro consiste na utilização da poda do tipo esqueletamento ...

Faturamento das lavouras cafeeiras está estimado em R$ 71,7 bilhões para 2022

Produção de café arábica ocupa 1,43 milhão de hectares, com produtividade média de 27,1 sacas por hectare, e a de café conilon 389,2 mil hectares.

Novidade – Sensor de solo oferece maior precisão

Na Agricultura de Precisão, os sensores de solo têm sido eficientes ferramentas, pois conseguem oferecer mais parâmetros além da análise de solo, bem como...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!