23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosAnvisa mantém proibição do uso do herbicida Paraquat

Anvisa mantém proibição do uso do herbicida Paraquat

Autores

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)idalinepessoa@hotmail.com

Anne Carolline Maia LinharesLicenciada em Ciências Agrárias e doutoranda em Ciência do Solo – UFPBanemaia-16@hotmail.com

José Celson Braga Fernandes Engenheiro agrônomo, doutorando em Biocombustíveis – UFU/UFVJM e Fundador da Agro+celsonbraga@yahoo.com.br

Lavoura – Crédito: Case-IH

Produtos químicos, como os herbicidas, são amplamente utilizados na agricultura no controle de plantas daninhas. O paraquat é um herbicida amplamente utilizado, por apresentar atividade de amplo espectro em detrimento de uma ação de baixa seletividade. É classificado como composto tóxico moderado (Classe II) pela Organização Mundial de Saúde, que relata uma dose letal (DL50) de 150 mg/kg (OMS, 2020).

Os compostos são altamente solúveis em água e, portanto, podem ser transportados para as águas ambientais e acarretar vários danos. O herbicida paraquat tem servido por mais de cinco décadas e, apesar dos benefícios agrícolas, sua toxicidade para os ambientes terrestres e aquáticos suscita sérias preocupações.

No Brasil, o paraquat é aplicado em culturas perenes, dessecação para colheita de culturas anuais e na dessecação de pré-semeadura no plantio direto, no combate a ervas daninhas e para acelerar a maturação das lavouras.

Mas, devido ao seu grau de toxicidade, e por ferir uma lei federal ao não possuir antídoto em caso de contaminação, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) manteve a decisão pelo banimento do ingrediente ativo paraquat, um dos mais utilizados no Brasil.

O paraquat compõe a formulação de alguns agrotóxicos utilizados no controle de plantas daninhas e no manejo do plantio que entrou em vigor no dia 22 de setembro, conforme as regras da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 177/2017, que “dispõe sobre a proibição do ingrediente ativo paraquat em produtos agrotóxicos no País e sobre as medidas transitórias de mitigação de riscos”. Com isso, o produto não poderá ser produzido ou usado no Brasil, assim como também ficará proibida a importação desse ingrediente ativo.

Desde então, essa proibição segue gerando grandes discussões. De um lado, especialistas defendem o herbicida como forma de manter economicamente viável a agricultura e argumentam que o produto não deixa resíduo na planta nem no solo.

De outro, ações na Justiça pedem a proibição do agrotóxico, alegando seu grau de toxicidade e por ferir lei federal ao não possuir antídoto em caso de contaminação. Para completar, o uso é proibido em seu país de origem, a Inglaterra, e até na China, maior produtora mundial do produto.

Situação real e alternativa

A preocupação atual é que, com a retirada do paraquat do mercado agrícola brasileiro, haveria aumento de cerca de R$ 400 milhões (130%) no custo dos produtores no manejo do plantio direto.

[rml_read_more]

O valor se refere à média de preços de outros agrotóxicos que poderiam ser utilizados em substituição ao paraquat, mas com períodos de ação e características diferentes, e que, com a proibição, elevará o uso de outros herbicidas e, por consequência, o problema da resistência das plantas daninhas a esses agrotóxicos.

Com o mesmo modo de ação do paraquat, acaba restando apenas o diquat, que é o ingrediente ativo que atua da mesma forma que o paraquat nos cultivos, principalmente de soja. Nesse modo de ação, é a única alternativa semelhante, mas a grande questão é o custo, pois a diferença é bem significativa.

O que se espera é que se tenha um impacto significativo para algumas modalidades de uso de paraquat. A principal preocupação atualmente é a demora na ação do diquat em relação ao paraquat, devido ao tempo de ação e causar atrasos na lavoura, acarretando em prejuízos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cultivo superprecoce de feijão

O cultivo superprecoce de feijão é a mais importante inovação do melhoramento genético dessa cultura no Brasil.

Electro Plastic antecipa soluções contra a seca

  A Electro Plastic divulgou, no Bejo a Campo, o uso do mulching, destacando a prioridade mais urgente da atualidade, que é a falta de...

Agro é responsável por 27% dos empregos gerados no Brasil

Dados do primeiro trimestre de 2023 revelam a contribuição do setor para a economia nacional.

Onde se formam os ciclones no Brasil?

O meteorologista Ruibran dos Reis explica como ocorre a formação dos ciclones extratropicais, como os registrados no Sul do Brasil em julho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!