17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosApaga-fogo: como manejar essa planta daninha?

Apaga-fogo: como manejar essa planta daninha?

Alfredo Junior Paiola Albrecht
Doutor em Fitotecnia – ESALQ/USP
ajpalbrecht@yahoo.com.br
Ana Ligia Giraldeli
Doutora em Fitotecnia – ESALQ/USP e pós-doutoranda – Universidade Estadual de Londrina (UEL)
analigia_giraldeli@hotmail.com
André Felipe Moreira Silva
Doutor em Fitotecnia – ESALQ/USP
afmoreirasilva@hotmail.com
Leandro Paiola Albrecht
Doutor em Produção Vegetal – Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Lpalbrecht@yahoo.com.br

As culturas agrícolas são bastante suscetíveis às interferências das espécies de plantas daninhas. A apaga-fogo (Alternanthera tenella Colla) (Figura 1) é uma planta daninha com ampla distribuição geográfica, presente em todas as regiões do Brasil.

Figura 1. Área infestada com apaga-fogo

Ela tem maior ocorrência na entressafra, além de se disseminar com facilidade e infestar áreas de lavoura e pastagem.

Biologia e identificação

A apaga-fogo é uma planta daninha da família Amaranthaceae, mesma do caruru (Amaranthus sp.). Apresenta porte herbáceo, perene, formando grandes colônias em áreas cultivadas, pastagens e terrenos abandonados, em função da propagação facilitada e do incremento do crescimento.

A massa vegetal formada por ela dificulta o avanço do fogo durante a época seca da entressafra, sendo esta uma possível explicação para o seu nome popular mais conhecido no Brasil (Figura 2).

Figura 2. Detalhe para o crescimento prostado da planta apaga-fogo, com a formação de grandes colônias.

Apresenta caule prostrado, com os ramos terminais ascendentes. No início do desenvolvimento, o caule principal apresenta ramificação radial e estes se ramificam em dicotomia ou em três ramos.

O caule é liso e pode atingir de 0,5 m a 1,2 m de comprimento. As folhas são simples e têm de 2,0 a 3,0 cm (Figura 3), não apresentam pecíolo, têm limbo lanceolado, com margem inteira e uma pontinha curta e aguda na folha. Com relação às flores (Figura 4), elas formam um aglomerado, são brancas, secas e livres entre si.

Figura 3. Detalhe para as folhas de uma plântula de apaga-fogo em início de desenvolvimento.
Figura 4. Detalhe para a inflorescência da apaga-fogo.

Propagação

O sistema radicular é pivotante e bem robusto, as sementes são lisas e têm coloração castanha. A propagação da planta ocorre por sementes. As plantas se alastram na área pelo enraizamento dos nós do caule, quando em contato com o solo, diferente de outras plantas daninhas famosas, como a buva ou caruru.

A germinação das sementes pode ser afetada pela luz e temperatura, com germinação máxima entre 25 e 30 graus. Sob menores temperaturas, a luz pode incrementar bastante a germinação.

A profundidade no solo também pode afetar a germinação, não se tendo germinação em profundidades próximas ou maiores que 10 cm e com maior germinação quando na superfície do solo, independente da presença ou ausência de palha.

Principais danos às culturas

Uma característica marcante da apaga-fogo é promover intenso sombreamento sobre a cultura. Ela forma uma barreira física à penetração da luz solar, o que afeta diretamente a produtividade da cultura principal.

Além disso, ela reduz a disponibilidade de espaço e compete com a cultura principal por água e nutrientes, podendo reduzir significativamente a produtividade de cultivos de grãos. Ainda, pode ser hospedeira de pragas como percevejos e doenças, como por exemplo, é hospedeira natural do ácaro Brevipalpus, vetor da doença leprose dos citros.

A presença plantas daninhas como a apaga-fogo no momento da colheita também é um problema. Ela pode causar o embuchamento da colhedora, maior gasto de combustível, além de depreciar o produto colhido e elevar os custos de beneficiamento dos grãos.

Como manejá-la?

É muito importante que as plantas daninhas sejam manejadas de forma integrada. A adoção de diferentes estratégias garante maior eficiência no controle da comunidade infestante. As técnicas envolvidas no controle das plantas infestantes são divididas em manejo preventivo, cultural, mecânico/físico e químico.

O manejo químico é o mais utilizado para o controle de plantas daninhas em grandes áreas. Pensando em herbicidas aplicados em pré-emergência, podem ser eficazes no controle de apaga-fogo: alachlor, chlorimuron, metribuzin, clomazone, flumetsulam, sulfentrazone, trifluralin, amicarbazone, pendimethalin, oxyfluorfen, ametryn, diuron, imazapic e s-metolachlor.

Já como herbicidas pós-emergentes são eficazes 2,4-D, carfentrazone, chlorimuron, diquat, glyphosate, saflufenacil e glufosinate. Isso pensando-se em plantas jovens, dentro do estádio ideal de controle, pois esta espécie ainda não tem casos de resistência a herbicidas no Brasil.

Mas, para plantas bem desenvolvidas, é válida a associação de herbicidas, bem como a realização de aplicação sequencial, em alguns casos, para otimizar seu controle. Em plantas bem desenvolvidas, a roçada pode auxiliar no controle, estimulando a brotação e propiciando melhores condições para a aplicação do herbicida.

Muito destes herbicidas possuem registro para a utilização em soja, milho e/ou pastagens. Nestes cultivos, a apaga-fogo é uma das plantas daninhas mais encontradas, logo, estes herbicidas são grandes ferramentas para o seu manejo.

MIP

Como já mencionado, é importante a integração de diferentes métodos de controle para um manejo eficaz. No caso do uso dos herbicidas, é fundamental a rotação de mecanismos de ação. Essa estratégia dificulta a seleção de plantas daninhas resistentes aos herbicidas. Isto é válido para todas as espécies de plantas daninhas.

Orientações importantes

A eficácia da aplicação dos herbicidas envolve uma série de fatores. Por isso, sempre siga as orientações da bula do produto quanto à dose e ao modo de aplicação. Também é preciso se atentar ao estágio de desenvolvimento da planta daninha e às condições climáticas no momento da aplicação.

Especialmente no cultivo de grãos, como a soja, nas aplicações de dessecação pré-semeadura é importante priorizar herbicidas sistêmicos, principalmente na primeira aplicação, uma vez que a apaga-fogo se alastra facilmente pela área, inclusive com enraizamento dos nós do caule, quando em contato com o solo.

A apaga-fogo apresenta potenciais barreiras foliares que podem comprometer a absorção foliar dos herbicidas e, consequentemente, a eficácia de herbicidas aplicados em pós-emergência. Logo, a adição de adjuvantes que possibilitem maior grau de contato de calda com a superfície foliar poderia se constituir em estratégia importante para maximizar a absorção foliar dos herbicidas.

Importante lembrar sempre da importância do pré-emergente no sistema para o controle desta e de outras plantas daninhas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Estresse de plantas e algas marinhas

Autora Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do...

Produtor deve ter atenção

O seguro rural é um importante mecanismo de gestão de riscos para o produtor, sobretudo com ...

Mais produtividade em grãos

Uma técnica de plantio aplicada nas terras baixas gaúchas foi capaz de garantir uma ...

Ácidos húmicos disponibilizam nutrientes retidos no solo

Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica do Centro...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!