22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasAplicação aérea - Os benefícios para as florestas

Aplicação aérea – Os benefícios para as florestas

 

André Guilherme Mardegan

Engenheiro agrônomo e chefe da Divisão de Mecanização e Aviação Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

 

Foto 1 Foto 2

A aviação agrícola pode ser utilizada em todas as fases do manejo florestal, desde a pulverização de herbicidas pré-emergentes antes do plantio, adubação de cobertura em qualquer estágio da cultura e posteriormente na pulverização de inseticidas e fungicidas, para o controle de pragas e doenças, respectivamente. E, finalmente, no combate a incêndios florestais.

Os principais benefícios da utilização da aplicação aérea são:

üRapidez: é a característica mais evidente da aplicação aérea e a maior responsável pela eficácia no tratamento de doenças e combate a pragas, pois permite tratar grandes áreas no momento adequado, ou seja, uma vez detectada a praga ou doença em uma parte da lavoura, toda a lavoura pode ser tratada em um curto espaço de tempo, evitando a disseminação do fungo.

üUniformidade: como o avião aplica em velocidade praticamente constante e não sofre influência das condições do terreno (umidade, irregularidades), a uniformidade de distribuição é excelente. Melhor resultado ainda é obtido se o avião estiver equipado com sistema DGPS para orientação e um sistema de controle de vazão a ele acoplado.

üOperação em qualquer condição de solo: o avião não sofre a influência de condições adversas, principalmente o encharcamento do solo devido às chuvas ou irrigação. Tão logo cesse a chuva, os aviões já podem iniciar a operação de tratamento, não necessitando aguardar que o solo seque.

üAusência de danos à cultura: o tratamento aéreo não causa perdas por danos diretos à cultura (“amassamento”) ou indiretos, como a compactação do solo. Alguns dados indicam que a redução de colheita devido a danos ocasionados pelo uso de equipamentos terrestres pode chegar a 5%.

üNão disseminação da doença: pelo fato de não entrar em contato com a cultura, o avião não contribui para a disseminação da doença, o que é comum nas aplicações terrestres, sendo o transporte dos esporos a única forma de transmissão da doença. Assim, um pulverizador pode estar contribuindo para o alastramento de uma praga ou doença de uma área infectada para o restante da lavoura.

üMaior concentração de produto: por utilizar volumes de aplicação muito mais baixos que as aplicações convencionais, resulta que as gotas, na aplicação aérea, contêm uma grande concentração de princípio ativo, o que as torna mais eficazes e reduz a possibilidade de degradação do produto em função de impurezas contidas na água, em especial sais, argila e matéria orgânica.

Outras características vantajosas

A utilização de pessoal especializado (piloto agrícola, técnico executor em aviação agrícola, engenheiro agrônomo como responsável técnico) e, ainda, uma completa regulamentação e fiscalização da atividade fazem da aviação agrícola uma ferramenta segura e eficaz para a aplicação de defensivos agrícolas.

No caso específico das florestas, tem-se, normalmente, terreno bastante acidentado, o que dificulta o acesso, tornando o avião a ferramenta mais eficaz para a maioria das tarefas de pulverização de líquidos ou sólidos, assim como para o monitoramento da cultura e de possíveis focos de incêndio.

Casos específicos de utilização de aeronaves ocorrem em larga escala e já existem há bastante tempo em países como Estados Unidos, Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

Evolução constante

A aviação agrícola utiliza atualmente modernos equipamentos, como DGPS, controle eletrônico de vazão, atomizadores rotativos altamente eficientes, mapeamento das áreas aplicadas, além de equipes de técnicos agrícolas para planejamento e apoio de solo antes, durante e depois da aplicação, tornando o serviço extremamente seguro e eficiente.

Devido à alta produtividade da aplicação aérea, é possível a execução de tais serviços com custos inferiores aos das soluções terrestres.

Essa matéria você encontra na revista Campo & Negócios Floresta, edição de agosto/setembro. Adquira o seu exemplar.

ARTIGOS RELACIONADOS

Hortiflora comemora mais um ano de muito sucesso

A Hortiflora completa 20 anos e é uma revenda muito reconhecida na região do Triângulo Mineiro, em Minas Gerais, e disponibiliza para os produtores...

Três Lagoas é oficialmente a capital mundial da celulose

  De capital brasileira do gado, a cidade de Três Lagoas (MS) se transformou, recentemente, na metrópole global da celulose. Com os novos projetos da...

Por que o mercado consumidor aposta no trigo mineiro?

A qualidade do trigo produzido em Minas Gerais conquistou o mercado consumidor, desde a grande indústria moageira até a panificação artesanal. O trigo também é aposta para...

Técnicas que evitam pragas no cafeeiro

Júlio Cesar Freitas Santos Engenheiro agrônomo e pesquisador fitotecnista da Embrapa Café julio.cesar@embrapa.br   A broca-do-café, Hypothenemushampei (Ferrari, 1867) (Coleoptera: Scolytidae), é uma das pragas que causa danos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!