23.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesÁrea irrigada por pivôs centrais

Área irrigada por pivôs centrais

Pivô – Crédito Shutterstock

Um estudo dos pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo, Daniel Pereira Guimarães e Elena Charlotte Landau, avaliou a atuação e expansão da irrigação por pivôs centrais no Brasil.

A tecnologia alcançou 1,6 milhão de hectares, mais do que a irrigação por inundação usada no cultivo do arroz. Hoje, as áreas de agricultura irrigada do país correspondem a menos de 20% da área total cultivada e produzem mais de 40% dos alimentos, fibras e cultivos bioenergéticos, números que evidenciam a contribuição desse método para a segurança alimentar.

O estudo também evidenciou o aumento da produtividade por unidade de área e possibilidade de produção fora de época com uso da tecnologia, o que contribui para reduzir a expansão da fronteira agrícola e abrir novas oportunidades de mercado.

Também foi identificada uma alta concentração onde apenas dez municípios mantêm 1/4 desses equipamentos, onde atinge mais de 400 mil hectares. Quatro municípios têm mais de 15% de suas áreas ocupadas por pivôs centrais: Itaí-SP (17,83%), Santa Juliana-MG (15,85%), Casa Branca-SP (15,39%) e Romaria -MG (15,08%). Por estados o que têm maior área irrigada é Minas Gerais, com mais de 500 mil hectares irrigados.

Mais da metade da área irrigada por pivôs centrais no Brasil está localizada nas bacias hidrográficas do Médio São Francisco, onde estão os polos municipais de Paracatu e Unaí, em Minas Gerais, e São Desidério, Barreiras e Mucugê, na Bahia. A essa área de concentração somam-se também o Alto Paranaíba, em Minas Gerais, e a bacia do Rio Paranapanema, em São Paulo.

[rml_read_more]

Além das grandes culturas, como soja e milho, sob os pivôs centrais é produzida grande parte do tomate industrial, batata, cenoura, café nas áreas de Cerrado, cebola, alho e cana-de-açúcar. “Esses equipamentos são também indutores do cultivo das culturas de inverno como o trigo e a cevada na região dos Cerrados. Sob condições irrigadas, o trigo tem apresentado altas produtividades, inclusive no Semiárido brasileiro, indicando o potencial da irrigação para a redução das importações desse cereal”, diz Guimarães.

Consumo consciente

O estudo também alerta para o uso de forma racional, em consonância com a natureza, para preservar recursos hídricos e mananciais. De acordo com o pesquisador da Embrapa, se todos os pivôs centrais atualmente instalados no País fossem ligados simultaneamente, usando água retirada dos mananciais, o volume demandado seria equivalente a toda a vazão do Rio São Francisco.

Uma ferramenta para mensurar isso é o sensoriamento remoto que abre caminhos para melhorar a eficiência na gestão dos recursos hídricos e expandir a agricultura irrigada em bases sustentáveis.

“Considerando a grande extensão territorial brasileira e a dinâmica e diversidade das áreas irrigadas, é preciso melhorar o nível de entendimento sobre a variabilidade sazonal da disponibilidade hídrica nas bacias hidrográficas. Bem como mensurar a previsão da disponibilidade hídrica nos períodos críticos, a eficiência no uso da água e a determinação das áreas aptas para a expansão da agricultura irrigada no País”, pondera.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como manejar a ferrugem do milho

Manejar a ferrugem do milho é uma arte da agricultura moderna, exigindo estratégias precisas para proteger a colheita e promover a saúde das plantas.

KWS Sementes é a marca que mais cresceu no Mercado

Segundo a última pesquisa realizada pela Kleffmann Group, a KWS Sementes é a marca de sementes de milho que mais cresceu em volume de vendas e em área plantada quando consideramos o mercado total de milho brasileiro, e considerando o plantio da Safrinha 2020.

Energia solar – Excelente opção para propriedades rurais

A energia solar instalada na fazenda pode promover a redução de mais de 90% na conta de energia e, dessa forma, minimizar os riscos associados à qualidade do fornecimento, uma vez que, diante de uma energização ainda muito precária na maioria das zonas rurais, o produtor rural sofre constantemente com a perdas decorrentes do fornecimento de energia instável. Portanto, vamos destacar que vale a pena investir nessa tecnologia, pois paga o investimento rápido e reduz os gastos

Trigo: Área no Brasil Central deverá atingir novo recorde

A região central do Brasil responde pelas primeiras semeaduras com o cereal no País, iniciadas ainda no mês de fevereiro com o trigo de sequeiro e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!