18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Mercado As possibilidades de alta da soja no Brasil são poucas

As possibilidades de alta da soja no Brasil são poucas

Crédito Adrielle Teodoro

Em plena janela de exportação de soja, o volume a ser embarcado com soja-grão nos portos brasileiros recuou 2,57% para 5,34 milhões de toneladas, contra 5,48 MT programadas na semana anterior. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, o farelo/pellets de soja teve recuo maior, de 17,37%, passando de 1,35 milhão de toneladas para 1,12 milhão de toneladas.

“Estes dados só confirmam as previsões feitas pela T&F em março último, de que os volumes a serem exportados seriam menores durante este ano comercial, diante da redução da demanda chinesa, pelo grande abate de suínos no país”, aponta o analista Luiz Fernando Pacheco.

De acordo com ele, a principal consequência desta redução de volume é o provável aumento dos estoques finais: “Precisa ver o quanto o mercado interno vai consumir a mais de soja para aumentar a indústria de carnes do país. Se o mercado interno consumir menos do que iria para a exportação, a tendência é a de os preços caírem”.

“De qualquer maneira, não vemos muitas possibilidades a curto e médio prazos de os preços da soja voltarem a subir significativamente, porque o dólar tem clara tendência de baixa e há uma nítida compensação entre os aumentos em Chicago e queda nos prêmios nos portos do Brasil”, conclui o especialista de mercado da T&F.

Comercialização

A comercialização da soja disponível no estado brasileiro do Mato Grosso foi a mais baixa do ano, com um avanço para 84%. Restam, portanto, apenas 16% para comercializar nos próximos 6/7 meses até a colheita da próxima safra, informa ainda a T&F. “A queda do dólar e dos prêmios mais que suplantaram as altas de Chicago. Já da safra nova de 2020, foi comercializado 23% da produção estimada, contra 21% de um ano atrás”, afirma Pacheco.

Inicio Mercado As possibilidades de alta da soja no Brasil são poucas