21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosAutomatização da fertirrigação: aliada na florada da manga

Automatização da fertirrigação: aliada na florada da manga

Glaucio da Cruz Genuncio
Doutor e professor de fruticultura – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
lauciogenuncio@gmail.com

A indução floral é uma prática agronômica que associa técnica e tecnologia e, atualmente, é o que possibilita a produção de frutas com frequência, volume e padrão exportação.

O resultado é que, por vezes, conseguem-se duas colheitas por ano em regiões de adequadas latitudes e altitudes, como o semiárido nordestino (Juazeiro, BA e Petrolina, PE).

Conhecimento é fundamental

A indução floral se destaca como técnica agronômica demandante de treinamento e conhecimento técnico-científico de quem a domina. Já a tecnologia, conceitualmente, referencia-se pela ferramenta que possibilita a aplicação da técnica.

A indução floral mescla conceitos de ecofisiologia, nutrição mineral de plantas e tratos culturais (poda e irrigação). O uso de conhecimentos ecofisiológicos dar-se pela aplicação de reguladores vegetais em busca de respostas fisiológicas adequadas quanto aos fluxos vegetativos, formação de gemas florais, brotação e pegamento de frutos da mangueira.

Para isto, produtos comerciais como paclobutrazol (PBZ), etefon e unicolazole são aplicados em determinadas condições ambientais (ecofisiologia) e associados a, por exemplo, déficit hídrico induzido e controlado associado ao uso de fertilizantes minerais como sulfato de potássio, nitratos de cálcio e potássio e, fontes de micronutrientes como o Zn e B, além do uso de aminoácidos (técnica recente em determinadas regiões) são fundamentais para a obtenção de gemas reprodutivas com flores perfeitas (hermafroditas).

Ao se adequar doses e épocas de aplicação e o uso de podas programadas, o produtor de manga consegue colher de forma programada, o que se torna uma grande vantagem comercial, pois produzir na entressafra é o almejado para aumento da rentabilidade de um pomar de manga.

Estresse hídrico x florada da manga

O estrese hídrico é parte integrante de um manejo a ser adotado para a indução floral da mangueira. É importante ressaltar que ele, sozinho, não é responsável pela floração induzida da mangueira.

A água em excesso prolonga o desenvolvimento vegetativo, enquanto o estresse controlado favorece o florescimento, principalmente em ramos maduros, parte essa essencial para a obtenção de produção da mangueira em climas tropicais.

O controle da água, com a geração de um estresse hídrico, pode substituir a ausência do frio em determinadas regiões e épocas do ano.

Assim, torna-se evidente que o estresse hídrico tem como premissa a encurtamento do estádio vegetativo, abrindo janela para a entrada do estádio reprodutivo e floração e, consequentemente, de frutificação na mangueira.

Água na medida certa

O conhecimento da lâmina de água a ser aplicada, em função da demanda da planta relacionada ao seu porte, época e objetivos também configura o conjunto de informações decisórias para a obtenção da safra.

O estresse hídrico não deve afetar o crescimento e desenvolvimento da mangueira e sim, ser fator diferencial para o direcionamento de um processo fisiológico, que é a formação de gemas florais.

Benefícios da automação da fertirrigação

Muitos creem que todo o manejo de indução floral seja aplicado pelo sistema de fertirrigação, entretanto, a maioria dos produtos que induzem a floração são aplicados via foliar ou na copa (PBZ).

A fertirrigação se caracteriza pela adequação quanto à aplicação de água por demanda hídrica e pelo parcelamento eficiente dos nutrientes, em atendimento às curvas de absorção das mangueiras, que se diferem em variedades, idade e porte.

Por outro lado, ao se utilizar um sistema automatizado, pressupõe-se que o controle da irrigação, geralmente por tensiometria, seja eficiente. Assim, este é o grande benefício do uso de fertirrigação para a indução floral, que é a regulação da aplicação de água, sem que o estresse possibilite a abscisão foliar, em função da técnica de indução floral com uso de reguladores vegetais e fertilizantes à base de N e K.

Já aplicação de adubos (fertilização) se torna interessante, dada a possibilidade de parcelamento e menor dependência de mão de obra, que já se encontra com a demanda alta em relação à poda, aplicação de PBZ e preparo de caldas para aplicação foliar.

Parâmetros a serem controlados

Além do conhecimento das curvas de absorção dos 14 elementos essenciais, o sistema automatizado de fertirrigação tem como ferramenta a precisão do ajuste da lâmina de água no processo de regulação do estresse hídrico.

Na realidade, nesta parte tratamos de sistema de irrigação e não propriamente fertirrigação, pois o controle preciso da aplicação de água no processo de indução floral fará toda a diferença no resultado esperado.

Exemplificando: em um dos manejos adotados para a indução floral da mangueira, primeiramente aplica-se o PBZ, após 30 dias faz-se pulverizações sequenciadas de sulfato de potássio a 2,5%, e aos 42 dias aplica-se etefon.

Já aos 80 dias da aplicação do PBZ, induz-se o estresse hídrico, o qual deve ser controlado de tal forma que seu resultado não induza à queda das folhas. Assim, o estresse hídrico tem que ser parcial e controlado para que, na medida certa, seja fator agregador na indução floral.

Cabe ressaltar que, seguidamente ao estresse hídrico, adota-se pulverizações dos nitratos de cálcio e potássio, uma vez que favorecem a quebra da dormência das gemas floríferas.

Percebam que, somando-se a todo este manejo de indução floral, o produtor deve ter atenção à nutrição da planta, pois haverá uma demanda crescente de nutrientes, uma vez que flores e frutos são drenos, e estes demandam um equilíbrio nutricional da planta, assim, a fertirrigação tem seu papel fundamental consagrado para este sistema de cultivo altamente tecnológico.

Por fim, há que se dizer que sim, existem diferenças na produtividade e na qualidade da manga entre sistemas automatizados e métodos tradicionais de fertirrigação, em função da acurácia obtida pelo uso sistematizado da fertirrigação.

ARTIGOS RELACIONADOS

Preparo do solo, plantio e nutrição da mangueira

O conceito de qualidade do solo está relacionado à sua capacidade de manter a produtividade dentro dos limites naturais de um ecossistema, levando em consideração o equilíbrio do meio ambiente, a manutenção da biodiversidade de plantas, animais e de proporcionar a qualidade da água e do ar, além de contribuir para a saúde humana.

Ácidos húmicos melhoram a germinação do feijoeiro

Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo, mestre e doutorando em Agronomia - Universidade Federal de Uberlândia (UFU) ferbacilieri@zipmail.com.br Eli Carlos Oliveira Engenheiro agrônomo, doutor e professor - Universidade...

Inixia – Especialista em nutrição de plantas

A Inixia é uma divisão de produtos exclusivos para fertirrigação da Defensive, criada em 2017 para trabalhar com um portfólio de especialidades na área...

Adubação ideal para o mamoeiro

Os solos mais adequados para o desenvolvimento do mamoeiro são os de textura areno-argilosa, com pH variando de 5,5 a 6,7. Deve-se evitar os solos muito argilosos e os pouco profundos, assim como os localizados em baixadas, pelo fato de encharcarem com facilidade na época de chuvas intensas, sendo desfavoráveis ao desenvolvimento do sistema radicular do mamoeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!