18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Bacillus protegem hortifrútis na pós-colheita

Bacillus protegem hortifrútis na pós-colheita

Clarice Aparecida Megguer Engenheira agrônoma, doutora em Fisiologia Vegetal e professora no IF Goiano – Campus Morrinhosclarice.megguer@ifgoiano.edu.br

Rodrigo Vieira da Silva Engenheiro agrônomo, doutor em Fitopatologia e professor do IF Goiano – Campus Morrinhosrodrigo.silva@ifgoiano.edu.br

Felipe de Oliveira Bonifácio Engenheiro agrônomo e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Olericultura do IF Goiano – Campus Morrinhosbonifacioagronomo@gmail.com

Nathália Nascimento Guimarães nathalianascimento92@gmail.com

Lara Nascimento Guimarães laranascimentoguimaraes96@gmail.com

Engenheiras agrônomas e mestrandas em Fitopatologia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Tomate – Crédito: Shutterstock

A crescente preocupação da sociedade com os impactos ambientais e com a contaminação de alimentos pelo uso intensivo de agroquímicos na agricultura tem provocado uma evolução nas formas de controle de doenças.

Neste cenário, umas das alternativas que se encontra em expansão é a utilização de agentes de controle biológico. Este constitui-se no uso de um ou mais agentes antagonistas com a finalidade de reduzir a quantidade e a viabilidade de microrganismo patogênico ou da atividade determinante da doença.

As perdas pós-colheita de hortifrutigranjeiros (HF) podem chegar a 30%, devido a fatores de natureza biológica, fisiológica, fitopatológica, química, bioquímica, mecânica e física. Assim, cuidados durante o ciclo de cultivo, colheita, transporte, armazenamento e classificação são importantes para a preservação da qualidade e segurança alimentar de frutas e hortaliças.

No caso dos microrganismos patogênicos, podem acarretar danos à qualidade visual e nutricional dos alimentos. Neste sentido, técnicas de controle fitossanitário químicos ou biológicos devem ser empregadas para a redução ou inibição do desenvolvimento de fungos e bactérias.

Nos últimos anos, o controle biológico tem recebido atenção por parte dos pesquisadores e produtores para a entrega aos consumidores de um produto com qualidade fisiológica e segurança alimentar.

Bactérias do gênero Bacillus

Os agentes biológicos que atuam naturalmente na proteção dos produtos hortifrúti (HF) contra doenças podem se desenvolver durante o processo de armazenagem e transporte. Com o objetivo de controle de patógenos em HF pós-colheita, o gênero Bacillus se destaca.

Estas são bactérias promotoras de crescimento de plantas, pois estimulam o crescimento e aumentam o rendimento e a qualidade final de frutas e hortaliças. Estes microrganismos são encontrados naturalmente no solo, principalmente na região de contato com as raízes.

Além de exibirem a capacidade de inibir ou retardar o desenvolvimento de patógenos, possuem a capacidade de promover o crescimento de plantas, de maneira direta e indireta. Por esse motivo, são denominados rizobactérias promotoras de crescimento de plantas.

As principais espécies de Bacillus para uso de controle biológico em HF são: Bacillus subtilis, B. licheniformis, B. pumilus e B. amyloliquefaciens, que atuam no controle de diversas doenças em diferentes espécies de plantas. Na literatura são encontrados bons exemplos de sucesso com os agentes biológicos: B. subtilis no controle do mofo cinzento (cereja, morango, maçã, kiwi, tomate, abacate, batata, cenoura), bolor verde (citrus), mancha de alternaria (lichia, melão) e antracnose (maçã).

B. licheniforms atua no controle de antracnose (manga) e mofo cinzento (maçã). B. pumilus controla o mofo cinzento em pera. B. amyloliquefaciens controla podridão parda, doença comum em frutas de caroço.

Ação de Bacillus pós-colheita em hortifrútis

As bactérias do gênero Bacillus controlam doenças fúngicas e bacterianas, e a efetividade no controle se deve aos múltiplos mecanismos de ação, como: competição por nutrientes entre os agentes fitopatogênicos e as bactérias benéficas; produção de metabólitos com atividade antibiótica; síntese de enzimas que degradam a parede celular; e indução de resistência.

A ação principal desta bactéria no controle pós-colheita encontra-se na multifuncionalidade, interferência na aderência e desenvolvimento dos patógenos, além de produzir enzimas hidrolíticas, como as celulases, proteases e pectinases, além de outras características de biocontrole associadas.

Figura 1. Mecanismo de ação do Bacillus após a infecção pelo fitopatógeno.

Benefícios proporcionados

Estudos têm demonstrado que plantas inoculadas com Bacillus subtilis produziram frutos mais firmes e de maior tamanho e tiveram uma extensão da vida pós-colheita de frutas e hortaliças. Essas respostas têm sido associadas a síntese de hormônios.

O Bacillus spp. impede a germinação dos esporos e com isso o crescimento do patógeno, devido à capacidade de absorção de nutrientes mais rápida do que o patógeno. O controle do crescimento dos fungos pode se dar pela degradação da parede celular, inibição da síntese de proteínas ou pela inibição das enzimas que atuam na respiração, isso devido à ação dos antibióticos.

No caso da degradação da parede celular, a bactéria sintetiza enzimas quitinases e β1,3-glucanases, que levam à desestruturação da parede celular do fungo, suprimindo assim o desenvolvimento de patógenos.

Detalhes do manejo com Bacillus

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Bacillus protegem hortifrútis na pós-colheita