16.6 C
Uberlândia
quinta-feira, junho 13, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiBacterioses - Terror da alface no plantio de verão

Bacterioses – Terror da alface no plantio de verão

Marina Guimarães Pacifico

Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia e doutoranda em Proteção de Plantas (UNESP Botucatu)

ma_pacifico1@hotmail.com

 

Créditos Marina Guimarães
Créditos Marina Guimarães

O período chuvoso, aliado às altas temperaturas e umidade, é o clima perfeito para o ataque das bactérias em hortaliças, principalmente pseudomonas, Xanthomonas e Erwinia.

No caso da alface de verão, os principais problemas são: podridão mole (Pectobacteriumcarotovorumsubs. carotovorum = Erwinia spp.), mancha bacteriana (Xanthomonasaxonopodispv. vitians) e mancha cerosa = mela (Pseudomonascichorii).

Prejuízos

Sintomas de pectobacterium em alface - Créditos Marina Guimarães
Sintomas de pectobacterium em alface – Créditos Marina Guimarães

A podridão mole causa murcha nas folhas externas, sendo que plantas próximas à colheita são mais suscetíveis. Com o progresso da doença, a medula do caule torna-se encharcada, macerada e esverdeada. Em estágios avançados, toda a planta torna-se apodrecida, e dessa maneira fica inviável para consumo.

As perdas causadas por essas bactérias são muito grandes. Dependendo de sua incidência na área, pode inviabilizar a produção. As alfaces com sintomas de podridão mole ficam inviáveis para comercialização e consequentemente para o consumo.

No caso da macha bacteriana, a bactéria penetra por aberturas naturais (estômatos e hidatódios) e provoca manchas angulares de aspecto encharcado, sendo delimitadas pela nervura, observadas nas folhas baixeiras.

Quando as lesões começam pelas margens, têm o formato da letra ‘V’. Dependendo da severidade da doença e das condições ambientais, há relatos de perdas de mais de 50% na produção devido à sua ocorrência.

As plantas com sintomas ainda podem ser comercializadas, desde que as folhas danificadas sejam retiradas. De qualquer forma, a doença causa diminuição da produção, devido ao menor peso das alfaces.

A mancha cerosa pode ocorrer em todas as regiões produtoras, pois a bactéria tem capacidade de se desenvolver em amplo espectro de temperatura (05 a 35ºC). Os sintomas são manchas necróticas isoladas no centro ou bordos do limbo foliar, podendo também atingir extensas áreas da nervura central e destruir extensas áreas do limbo foliar.

Os sintomas podem surgir como uma podridão marrom escura ao longo da nervura central das folhas mais internas, sem afetar as folhas externas. Assim, a doença é percebida na época de colheita, e dependendo das condições climáticas favoráveis, como elevada umidade e quantidade de inóculo existente na área de plantio, podem ocorrer perdas parciais ou totais para o produtor, pois as alfaces atingidas ficam inviáveis para consumo.

Condições para a doença

Sintomas de pectobacterium em alface - Créditos Marina Guimarães
Sintomas de pectobacterium em alface – Créditos Marina Guimarães

A podridão mole ocorre principalmente no verão, pois há condições ideais para o crescimento da bactéria, como temperatura elevada, próxima de 30°C, e alta umidade do solo, principalmente onde há irrigação em excesso.

Ferimentos na planta provocados pelos tratos culturais, insetos e vento favorecem a infecção. A bactéria não é transmitida pela semente, mas pode sobreviver no solo em restos de culturais, favorecendo o aparecimento dos sintomas em cultivos sucessivos. Os solos mal drenados favorecem o ataque, pois a alta umidade possibilita o desenvolvimento da bactéria.

A mancha bacteriana ataca em condições de alta umidade (90%), provocadas por neblina, irrigação por aspersão ou chuva. A bactéria penetra por aberturas naturais. A faixa ótima para desenvolvimento da bactéria é de 25 a 28°C. A dispersão da bactéria ocorre por meio de água da chuva, a qual ocasiona ferimentos nas folhas de alface, facilitando a penetração das bactérias.

A mancha cerosa é favorecida por amplo espectro de temperatura (5 a 35°C) e por excesso de umidade. A doença pode se originar em restos culturais de plantas infectadas, solo infestado ou a partir de outras hospedeiras presentes na lavoura ou arredores. A disseminação e a severidade da doença são favorecidas pela irrigação por aspersão e adensamento de plantas.

Medidas preventivas

Para prevenir a podridão mole, recomenda-se plantar em espaçamentos que permitam a aeração entre plantas e evitar o excesso de nitrogênio na adubação, assim como solos encharcados e ferimentos nas plantas durante o manuseio,que serão porta de entrada para a bactéria.

Indica-se a rotação de culturas com gramíneas para reduzir a população do patógeno no solo e evitar temperaturas muito quentes no verão, utilizando irrigação nos horários mais quentes do dia (altas temperaturas favorecem o desenvolvimento da bactéria).

Contra a mancha bacteriana é importante plantar sementes e mudas de boa qualidade, adquiridas de empresas idôneas (esta bactéria pode ser transmitida por sementes), fazer rotação de culturas com espécies de família botânica diferente da alface e eliminar os restos de cultura e as folhas atacadas pela doença, pois estas serão fonte de inóculo para plantas sadias ou para o próximo plantio (retirar da área).

Essa matéria completa você encontra na edição de Agosto 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cupins – Qual a melhor forma de prevenção?

Thalles Cardoso Mattoso Engenheiro agrônomo e doutor em Produção Vegetal Richard Ian Samuels Doutor e professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Campos dos...

Substratos enriquecidos se mostram opção interessante

    Ivar Wendling PhD. e pesquisador da Embrapa Florestas ivar.wendling@embrapa.br A produção de mudas é o primeiro passo para o sucesso do plantio e, consequentemente, para o sucesso...

Recomendações de calagem e adubação

Um sistema desenvolvido pela Embrapa em conjunto com a Universidade Federal ...

Em roteiro pela América do Sul, Expedição Safra confere colheita da soja

Equipe de técnicos e jornalistas vai visitar as principais regiões produtoras do Paraguai, Argentina e Uruguai Assim como no Brasil, os agricultores do Paraguai, Argentina...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!