20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosBatata-salsa: baixo custo e alta rentabilidade

Batata-salsa: baixo custo e alta rentabilidade

Foto: Shutterstock

Matheus Pereira Lima Costa
matheusgoiassdo@hotmail.com
Fernando Yuri Silva dos Anjos
fernandoyurii@hotmail.com
Mestrandos em Irrigação no Cerrado – IF Goiano
matheusgoiassdo@hotmail.com
Fellipe Kennedy Alves Cantareli
Doutorando em Agronomia – Universidade Federal de Goiás (UFG)
cantareli@discente.ufg.br

A mandioquinha, ou batata-salsa, é uma ótima alternativa para pequenos e médios produtores, especialmente para a agricultura familiar, em função da grande demanda por mão de obra nas fases de preparo de mudas, plantio e colheita, operações que exigem critério e capricho, além do relativo baixo custo de produção.

Por sua elevada valorização no mercado, oferece boa rentabilidade.

Por ser uma cultura mais rústica, caracterizada por fatores morfológicos e fisiológicos da planta que conferem a ela maior resistência, essa planta é pouco exigente em tratos culturais. As capinas são necessárias até o fechamento das linhas e no final do ciclo, para facilitar a colheita, e as irrigações são indispensáveis por garantirem mais produtividade, tornando-a uma ótima opção para pequenos e médios produtores.

Há, ainda, boa aceitação por parte do mercado consumidor, com consequente escoamento de produção e menos tratos culturais, quando comparado a outras hortaliças, como as folhosas (alface, rúcula, espinafre e outras) ou de frutos, como o tomate, que exigem, além de cuidados manuais, mais aplicações de defensivos agrícolas.

Mão de obra

No cultivo da mandioquinha, a maior demanda por mão de obra se dá durante a fase de preparo de solo para receber a cultura, preparo de mudas (escolha de cultivares mais viáveis e separação das mudas para plantio) e plantio, de fato.

As fases seguintes do cultivo são menos dependentes de mão de obra, salvo a limpeza dos canteiros e retirada de plantas daninhas durante o ciclo da cultura. Quando se pensa em agricultura familiar, que é caracterizada por áreas menores e cuidados mais intensivos, a viabilidade do cultivo da mandioquinha é muito promissora, por ser uma cultura de elevada produtividade.

Cuidados no cultivo

Para o cultivo da mandioquinha, os cuidados específicos necessários durante as fases de preparo de mudas são retirar as touceiras comerciais, as quais, depois de submetidas a rigorosa seleção quanto à fitossanidade (livres de pragas e doenças), devem ser cortadas em bisel simples, deixando-se o mínimo de reserva possível.

Vale salientar que, quanto menor o tamanho da muda, maior o risco de falhas no campo, no caso de o plantio ser feito diretamente e sem uso de irrigação. No plantio, além dos cuidados com preparo de solo, adubação e irrigação adequados, evitar solos de turfa e outros de coloração muito escura, que conferem mau aspecto visual às raízes, ocasionando, após a lavação, manchas escuras que depreciam o produto, reduzindo seu valor comercial.

Nas principais regiões produtoras brasileiras, a mandioquinha normalmente é colhida a partir de 10 meses de cultivo. O sucesso de uma boa colheita está associado a diversos fatores, como: tipo de muda, preparo do solo, adubação de plantio e cobertura, incidência de pragas e doenças, controle de plantas daninhas e irrigação.

Custo de produção

Quando se pensa em custo de produção da cultura da mandioquinha, a mão de obra necessária à implantação de um hectare representa custo substancial na atividade. O planejamento das atividades deve ser bem feito, pois o atraso nas operações implica em menor eficiência e, consequentemente, aumento no custo de produção ou redução da produtividade e da rentabilidade.

Foto: Shutterstock

Operações como preparo de solo e aquisição de mudas, bem como insumos agrícolas (fertilizantes e adubos) e embalagem para comercialização do produto final são uma parcela menor do total, em relação ao que se gasta com mão de obra para produzir a mandioquinha.

Segundo o portal da Embrapa Hortaliças, tendo-se custo de produção total estimado em R$ 11.000,00 e produção em cerca de 22 t/ha ou 1.000 caixas por ha, chega-se a um custo por volta de R$ 11,00 por caixa.

Entretanto, considerando a média nacional de 9,3 t/ha ou 420 caixas por ha, e o fato de que a maioria dos produtores não tem acesso à assistência técnica especializada, o custo fica em torno de R$ 9.500,00, equivalente a R$ 23,00 por caixa de mandioquinha produzida.

Isso representa um custo de produção inferior ao outras hortaliças, como tomate, repolho e brócolis, por exemplo, que, manejado de forma adequada e no período mais propício de mercado, a produtividade e rentabilidade da mandioquinha podem ser muito elevadas.

Rentabilidade

No que tange à melhorar rentabilidade, diferentemente da produtividade, que envolve os aspectos gerais de produção, encontramos outras variáveis importantes que vão além do campo, como a comercialização do produto, armazenagem e financiamentos.

No caso da mandioquinha, acrescenta-se a perecibilidade do produto, a embalagem de comercialização e a forma como a mesma é armazenada e transportada, que afetam diretamente esse índice.

Principais mercados

Assim como os demais produtos agrícolas, a mandioquinha é comercializada em um mercado competitivo, regido pelas leis da oferta e demanda. Algumas regiões de clima ameno permitem que o produtor programe sua oferta, de modo a aproveitar as melhores oportunidades, planejando sua colheita no período em que os preços sejam mais favoráveis.

Seu cultivo é mais expressivo nas regiões serranas do sul de Minas Gerais, no Paraná, em Santa Catarina e no Espírito Santo, sendo também explorada comercialmente nos stados de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Distrito Federal.

Por ser uma alternativa muito interessante na alimentação mais balanceada, rica em carboidratos e fácil de digerir, a aceitação da mandioquinha vem aumentando cada vez mais no mercado consumidor.

Algumas características são desejáveis para valorização da cultura frente ao mercado consumidor, como por exemplo o tamanho, de médio a grande (15 a 20 cm), não deve ser exagerado.

A cicatriz de destaque da planta deve ser diminuta, e o ápice (ponta da raiz) com bom fechamento (sem rabicho). A película, lisa e sem manchas, deve possuir, preferencialmente, coloração amarela intensa. Internamente, a coloração deve ser intensa e sem muita distinção do cilindro interno (floema). O sabor e odor devem ser característicos.

Problemas enfrentados pelos produtores

O sucesso econômico de uma cultura está na dependência de uma série de fatores que merecem ser analisados cuidadosamente. Nesse ponto, convém ressaltar a alta perecibilidade do produto e a necessidade de transporte rápido para os centros consumidores.

Como todas as hortaliças, a mandioquinha segue as regras de um mercado perfeitamente competitivo e, portanto, é também um “tomador de preços no mercado”. Dessa forma, o agricultor, além de atualizar suas informações acerca das oportunidades de mercado, tem que saber aproveitá-las, e ainda oferecer um produto de alta qualidade.

Para isso, toma-se necessário um manuseio tecnicamente correto do produto na colheita e pós-colheita, com vistas a evitar perdas em níveis econômicos inaceitáveis. Fatores relacionados ao clima e pluviosidade também afetam significativamente a cultura da mandioquinha, uma vez que o engrossamento das raízes está diretamente relacionado a uma adequada faixa climática e de disponibilidade de água no solo para a planta (a produção é afetada pelo excesso de água que interfere na tuberização das raízes).

Os principais problemas que impactam negativamente a cultura da mandioquinha, que são comuns a todos os produtores, situam-se principalmente na fase pós-colheita, associado à concentração e especialização regional da produção e da comercialização, longo ciclo de produção, alta perecibilidade do produto, ocasionando em curta vida de prateleira.

Foto: Shutterstock

Entretanto, é na comercialização que as distorções de mercado agravam ainda mais a situação do produto, tornando a oferta, aparentemente, sempre escassa e o consumo restrito às classes de renda mais elevada.

Práticas recomendadas

Práticas que visam a máxima produtividade da mandioquinha são extremamente importantes, sendo elas:

– Preparo de solo: a mandioquinha se desenvolve melhor e é mais produtiva quando cultivada em solos de textura média, com boa capacidade de drenagem e profundos, uma vez que essa espécie não tolera encharcamento;

– Adubação, principalmente com NPK e micronutrientes;

– Preparo de mudas, selecionadas e cortadas;

– Tratos culturais: capinas constantes dos canteiros, uso de espaçamentos indicados de 70 e 80 cm entre linhas e de 20 a 40 cm entre plantas, para plantio em camalhões, e de 40 cm x 50 cm em fileiras alternadas, para plantio em canteiros;

– Rotação de culturas: prática essencial para o cultivo da mandioquinha, por permitir, entre outros benefícios, o controle de pragas e doenças, entre outras relacionadas À comercialização e logística.

Oportunidades

Considerando o quão promissor é o mercado da mandioquinha, sendo uma alternativa de nutrição alimentar e uma planta originária da América do Sul (região dos Andes), as oportunidades de exportação dessa cultura se fazem muito promissoras, principalmente para os mercados que já consomem culturas semelhantes como a mandioca (fécula).

Os principais países exportadores de fécula no mundo são os asiáticos (Tailândia, principalmente), tendo a China como maior mercado consumidor. Ter uma alternativa de exportação, como a mandioquinha, abre o leque de possibilidades de exportação brasileira para os principais mercados consumidores, já que o comprometimento da produção dos países asiáticos deixa em aberto o atendimento a países da União Europeia, Estados Unidos e, principalmente, América Latina.

Nestes, o Brasil possui larga vantagem, devido a um momento favorável com larga demanda a ser atendida, a qual ainda não está fidelizada, além de outros fatores favoráveis, como localização geográfica (proximidade territorial).

Aproveitar políticas públicas e de fomento, assim como oportunidades referentes a empresas particulares em relação a parcerias comerciais com foco em exportação de produtos se faz interessante, quando pensamos em produção e venda de alimentos.

Essas oportunidades, para um produto com características já desejáveis pelo mercado consumidor externo, é uma alternativa interessante para os produtores brasileiros aproveitarem e explorarem o mercado da mandioquinha, que está em ascensão tanto no mercado interno quanto para exportação.

ARTIGOS RELACIONADOS

Benefícios do silício para batata-salsa

A mandioquinha-salsa, Arracacia xanthorrhiza, também conhecida como batata-baroa, batata-cenoura ou batata-salsa, é uma espécie nativa das montanhas andinas na América do Sul.

Batata-salsa apresenta melhor desempenho com aplicação de organominerais

Estudo aponta que a aplicação de organominerais pode melhorar significativamente o desempenho da batata-salsa.

Fertilizante organomineral na batata-salsa

A batata-salsa pertence à família botânica Apiaceae, ao gênero Arracacia e a espécie Arracacia ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!