17.6 C
Uberlândia
sábado, junho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiBenefícios da calagem e gessagem na couve-flor

Benefícios da calagem e gessagem na couve-flor

Autores

Carlos Antônio dos SantosEngenheiro agrônomo e mestre em Fitotecnia – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)carlosantoniods@ufrrj.br

Nelson Moura Brasil do Amaral Sobrinhonelmoura@ufrrj.br

Margarida Goréte Ferreira do Carmogorete@ufrrj.br 

Engenheiros agrônomos, doutores e professores – UFRRJ

Caio Soares DinizGraduando em Agronomia – UFRRJ – caiosoaresdiniz@gmail.com

Couve-flor _ Créditos: Shutterstock

A couve-flor (Brassica oleracea var. botrytis) é uma planta exigente em fertilidade do solo e requer cuidados quanto ao manejo da fertilidade do solo. Para o cultivo, recomendam-se solos férteis, com pH próximo à neutralidade (pH=6,5), alta saturação por bases (V =80%), e teores de cálcio e magnésio superiores a 3,0 cmolc dm-3.

Esta espécie também é pouco tolerante ao alumínio trocável (tóxico), que pode comprometer o desenvolvimento das raízes e limitar a absorção de água e de nutrientes e, consequentemente, prejudicar o desenvolvimento da planta.

A maioria dos solos agrícolas brasileiros apresenta condições desfavoráveis ao cultivo de couve-flor, ou seja, são ácidos, apresentam baixa saturação de bases (V%), baixos teores de Ca e Mg e elevados teores de alumínio trocável. 

Desta forma, a correção da acidez do solo, por meio da prática conhecida como calagem, é essencial para a obtenção e manutenção de rendimentos satisfatórios da cultura. A calagem produz uma série de benefícios diretos e indiretos ao cultivo de couve-flor, por fornecer dois importantes macronutrientes, o cálcio e o magnésio, ambos extraídos em grandes quantidades pela cultura.

Benefícios da calagem

A calagem eleva o pH do solo, ou seja, corrige a sua acidez e neutraliza o alumínio trocável. Ainda, aumenta a disponibilidade de macronutrientes, principalmente o fósforo, e aumenta a atividade microbiana no solo.

A aplicação de gesso agrícola (sulfato de cálcio) denominado, genericamente, de gessagem, também tem sido recomendada como condicionador de solo, pois fornece dois macronutrientes: cálcio e enxofre, muito importantes na produção de brássicas, no geral, e para a couve-flor, em especial. 

Em média, o gesso agrícola possui de 15-16% de enxofre em sua composição. O gesso agrícola, apesar de não corrigir a acidez do solo, como os calcários, apresenta a vantagem de favorecer o crescimento radicular das plantas, pois apresenta uma maior solubilidade do que os calcários, favorecendo a penetração do cálcio no solo, aumentando o aproveitamento em profundidade de nutrientes e absorção de água.

Desta forma, a gessagem apresenta benefícios potenciais e complementares à calagem.

Manejo

[rml_read_more]

O primeiro passo antes da realização da calagem e da gessagem em uma área é fazer um levantamento, com antecedência, de sua fertilidade. Para isso, inicialmente devem ser feitas coletas de amostras de solo, nas profundidades de 0-20 cm e de 20-40 cm.

Estas amostras devem ser enviadas a laboratórios credenciados que realizam análises de fertilidade e, a partir do resultado da análise, efetuar os cálculos para determinar as doses de calcário a serem aplicadas para atingir pelo menos 70% de saturação de bases (V%) e a soma de cálcio e magnésio de 3 cmolc dm-3. Nessa etapa, é recomendado que o produtor receba assistência de um profissional técnico. 

As características do corretivo, como o seu valor neutralizante (VN) e a sua granulometria (ER), i.e, o “Poder Relativo de Neutralização Total” (PRNT) do corretivo, também devem ser considerados para correção da quantidade de calcário a ser aplicada por hectare, já que a recomendação é baseada no CaCO3 quimicamente puro, ao qual se atribui um PRNT de 100%.

As doses de gesso agrícola a serem aplicadas também devem ser calculadas com base nas características do solo como a textura, saturação por bases e capacidade de troca catiônica (CTC). 

A dose de gesso agrícola é, normalmente, calculada tendo como base a dose de calcário. É possível substituir até um terço da quantidade de calcário recomendada por gesso. A aplicação de calcário e de gesso pode ser realizada, simultaneamente, sem que haja prejuízos na correção da acidez do solo.

É importante salientar que quantidades de gesso superiores às recomendadas podem favorecer as perdas por lixiviação de potássio e magnésio.

Dicas

A aplicação do calcário e do gesso pode ser feita a lanço, seguida de incorporação. A distribuição da aplicação precisa ser feita da forma mais uniforme possível utilizando-se implementos específicos ou adaptados.

Para melhor efeito, recomenda-se parcelar a aplicação em duas doses, sendo a primeira incorporada com o uso de arado (50%) e a segunda com a grade (50%). Entretanto, em áreas com alta declividade (regiões montanhosas) esta forma de incorporação pode favorecer as perdas de solo por erosão.

Nestas condições, recomenda-se a aplicação da metade da dose recomendada (no máximo 2 t ha-1) e a incorporação apenas em uma etapa utilizando uma grande pesada. Neste caso, deve-se aumentar a frequência de aplicação por meio do monitoramento da fertilidade, que deverá ser realizado por análise do solo.

Outra opção é a aplicação nas covas de plantio. Vale ressaltar, ainda, que em ambos os casos a aplicação dos corretivos deve ser feita com antecedência mínima de dois a três meses em relação ao transplantio das mudas de couve-flor para que ocorra a reação de neutralização da acidez. 

Em campo

Resultados obtidos por Santos et al. (2017) e Santos et al. (2020) em áreas de produção de couve-flor na região serrana do Rio de Janeiro demonstraram resultados positivos com a realização da calagem e gessagem.

Os tratamentos com calcário, ou calcário combinado com o gesso agrícola, resultaram em melhorias substanciais nas condições da fertilidade do solo, como o aumento do pH, da saturação por bases e dos teores de cálcio e magnésio, e redução dos teores de alumínio tóxico.  Nas plantas de couve-flor, foi observado: redução dos sintomas da hérnia das crucíferas (Plasmodiophora brassicae), aumento do crescimento radicular e de acúmulo de biomassa. A produtividade obtida na lavoura chegou a aumentar 85%.

Como evitar erros

Para que se alcance os efeitos benéficos da calagem e da gessagem, é necessário que ocorra reação de neutralização da acidez, que é lenta. Portanto, a aplicação de calcário deve ser feita com antecedência mínima de dois a três meses em relação ao transplantio das mudas.

A utilização de corretivos mais reativos com maior PRNT reduz o tempo de reação e é mais interessante para áreas cultivadas intensivamente, como as comumente utilizadas no cultivo da couve-flor.

A aplicação de doses excessivas de calcário pode ser prejudicial ao desenvolvimento das plantas por reduzir a disponibilidade de micronutrientes a couve-flor. Também pode favorecer as perdas de bases trocáveis por lixiviação (K e Mg). Portanto, os cálculos dever ser orientados por um agrônomo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Recomendações de calagem para o café

Na maioria dos solos brasileiros onde estão implantadas lavouras cafeeiras que apresentam boas características físicas, porém, com características químicas inadequadas, como acidez, altos teores de alumínio, baixos teores de cálcio, magnésio e fósforo.

Sistemas hidropônicos: inovações no cultivo de morango

Ao utilizar o cultivo em ambiente protegido, a cultura do morangueiro tem proteção contra várias intempéries. As inovações trazem, ainda, outros benefícios ao cultivo.

Lithothamnium – A solução vem do mar

Capaz de aumentar a produtividade agrícola em até 50%, a alga Lithothamnium tem chamado a atenção pelos diversos benefícios que seu uso comprova O Lithothamnium...

Condições para o cultivo orgânico de chuchu

O cultivo orgânico de chuchu pode ser um desafio, mas os resultados são gratificantes. Conheça as exigências.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!