21.6 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiBeterraba híbrida possui mais qualidade e sabor no prato?

Beterraba híbrida possui mais qualidade e sabor no prato?

Autores

Talita de Santana Matos
Pós-doutoranda – PPG Ciência do Solo – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
Elisamara Caldeira do Nascimento
Pós-doutoranda – PPG Agricultura Tropical – Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT)
Glaucio da Cruz Genuncio
Doutor e professor – departamento de Fitotecnia – UFMT
glauciogenuncio@gmail.com
Fotos: Shutterstock

De acordo com a Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSem), em torno de 700 mil hectares de hortaliças são produzidas no Brasil. Deste total, uma fatia importante de cerca de 40% é cultivada com híbridos.

A beterraba híbrida consiste em um fruto gerado a partir da semente híbrida. O processo constitui-se no cruzamento de plantas, selecionando as melhores e mais desejadas características de cada uma, visando obter maior eficiência no manejo e produtividade.

Qualidade e sabor

As melhores características das variedades de plantas são escolhidas para aumentar a eficiência de produção e resistência a pragas e doenças, e ainda para atender as demandas e necessidades do mercado, como tamanho uniforme, coloração mais intensa, maior teor de açúcares, durabilidade e tempo de prateleira.

Os benefícios da beterraba híbrida são diversos, iniciando por adquirirem resistência a uma série de doenças que afetam as culturas, passando pelo ganho expressivo de produtividade e aumento na qualidade final do produto, pois há agregação de valor em quesitos como durabilidade pós-colheita, coloração, textura e sabor dos alimentos. Tais vantagens acabam por assegurar um produto diferenciado e com valor percebido nos diferentes elos da cadeia produtiva, até chegar à mesa do consumidor.

Quando se trabalha com sementes híbridas, a uniformidade de colheita é maior, havendo um melhor aproveitamento comercial das raízes. Também favorece a produção em todas as estações do ano.

O manejo

Esta produção consiste no plantio de sementes híbridas no lugar das comuns. Os investimentos necessários para conduzir a lavoura serão os mesmos, tanto para a variedade comum como para a híbrida, ou seja, a nutrição da cultura, o controle fitossanitário, a utilização de mão de obra, irrigação, entre outros.

Por ser uma hortaliça cuja semente não possui grande quantidade de reservas, é necessário o preparo adequado do solo, principalmente quando se tratar de solos argilosos e quando for realizada a semeadura direta.

A temperatura ótima para a germinação oscila entre 10 e 15ºC. Trata-se de uma planta típica de clima temperado, produzindo bem em temperaturas amenas ou baixas, com melhor desenvolvimento em temperatura ao redor de 20ºC, para a parte aérea.

A falta de água no solo é um dos fatores que afeta de forma drástica a produção da beterraba. O período crítico à falta de umidade no solo para a cultura estende-se durante os primeiros 60 dias.

A beterraba atinge o ponto de colheita de 70 a 110 dias após a semeadura, dependendo do sistema empregado, da época de semeio e da cultivar ou híbrido utilizado. O ponto de colheita é atingido quando as raízes estão com tamanho comercial, ou seja, de 6,0 a 8,0 cm de diâmetro transversal para consumo in natura.

Novidades

A demanda de sementes de beterraba no Brasil cresce a cada ano. No entanto, a dependência nacional de sementes importadas desta olerícola é praticamente total. Além da evasão de divisas, o risco de entrada de pragas e doenças exóticas via sementes importadas é muito grande.

Em um levantamento da qualidade sanitária de sementes de beterraba importadas, já se constatou uma elevada presença de microrganismos nas sementes. Diversos fatores têm influenciado a importação de sementes de hortaliças pelo Brasil.

A falta de tecnologias para a produção, o custo elevado e a inexistência de condições apropriadas para o florescimento e produção de sementes têm sido mencionados como os fatores mais importantes. No caso específico da beterraba, sabe-se que baixas temperaturas associadas a fotoperíodos longos favorecem o florescimento e, consequentemente, a produção de sementes. Estes fatores, no entanto, nem sempre ocorrem na maioria das regiões brasileiras.

A aplicação de hormônios e reguladores de crescimento (a exemplo da cenoura), os quais substituem a necessidade de baixas temperaturas para o florescimento, apresentam um grande potencial para a produção de sementes desta espécie nas nossas condições, e podem representar uma tecnologia eficiente para a produção.

Erros

É preciso contar com um conjunto de técnicas de manejo, orientação e acompanhamento de um profissional para extrair o potencial máximo da semente híbrida. O não investimento em tecnologias de manejo levará a uma baixa resposta do melhoramento genético realizado nestas sementes, assim como a não utilização de insumos para explorar o máximo potencial produtivo daquele híbrido.

Outro cuidado é com a qualidade da semente utilizada. Desconfie de sementes muito baratas. Garanta sempre a compra de empresas conhecidas e credenciadas junto aos órgãos competentes.

Custo

O investimento é alto – as sementes híbridas são muito mais caras que as comuns, portanto, é importante que o produtor avalie até onde vale investir nessa tecnologia, levando em consideração que seguramente o nível de produção e produtividade será amplamente superior nesta modalidade.

Resumindo, a efetividade da contribuição da semente é um investimento interessante, que certamente compensará todo o custo de produção ao longo do ciclo da cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Tomate pera amarelo e seus diferenciais

O tomate pera amarelo possui frutos de tamanho 35 x 25 mm e no formato de pequenas peras. O sabor é suave e doce e fica ótimo, tanto fresco, em conserva ou cozido.

Mulching em tomate facilita o controle de ervas daninhas

  Andréia Cristina Silva Hirata Pesquisadora científica " Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) andreiacs@apta.sp.gov.br As plantas daninhas competem com a cultura do tomate por água, luz...

Doenças do maracujá – Controle da bacteriose é urgente

Ivan Herman Fischer ihfische@apta.sp.gov.br Rosemary M. de Almeida Bertani Doutores e pesquisadores científicos da APTA/Polo Centro-Oeste Sueellen Pereira da Silva Mestranda " FCA/UNESP   A bacteriose, ou mancha bacteriana, causada por...

Poda de cafeeiros em sistema safra zero é a salvação da cafeicultura de montanha

José Braz Matiello Engenheiro agrônomo da Fundação Procafé   A poda de esqueletamento em cafeeiros, que leva a zerar a safra baixa, permitindo ter uma safra alta...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!