Bioativadores aumentam a produtividade da batata

0
235

Fernando Simoni Bacilieri

Engenheiro agrônomo, mestre e doutorando em Agronomia na Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

ferbacilieri@zipmail.com.br

Roberta Camargos de Oliveira

Engenheira agrônoma, doutora e PhD – Universidade Federal de Sergipe (UFS)

robertacamargoss@gmail.com

Eli Carlos Oliveira

Engenheiro agrônomo, doutor e professor na Universidade Estadual de Londrina (UEL)

elioliveira.agro@gmail.com

 

No Brasil, a batata (Solanum tuberosum) é a primeira olerícola em importância econômica e a mais cultivada, com uma área aproximada de 140,3 mil hectares, produção de 4,2 milhões de toneladas e rendimento médio de 30.050,4 kg/ha, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2018).

Entre os fatores capazes de aumentar a produtividade, destacam-se o uso cultivares mais produtivas, maior eficiência na utilização de nutrientes (fertilizantes de liberação gradual, fertilizantes organominerais, bioestimulantes, substâncias húmicas, condicionadores de solo, fertilização biológica), controle mais eficaz de plantas daninhas, pragas e doenças (com o uso de diferentes princípios ativos e controle biológico), além da adoção de técnicas de manejo a campo.

 

Produtividade

 

A produtividade da batateira depende da maximização fisiológica das quatro principais fases de desenvolvimento da cultura. A primeira fase (I) inicia com o plantio da batata-semente e vai até a emergência; a fase II compreende o intervalo entre a emergência e o início da tuberização; a fase III abrange o início da tuberização até o enchimento dos tubérculos e a última fase (IV) abarca o período de maturação ou senescência da planta.

Bioativadores são substâncias complexas normalmente empregadas no manejo fitossanitário (inseticidas, fungicidas e nematicidas), que além da atuação na proteção de plantas são promotoras de crescimento e vigor, capazes de induzir a síntese de hormônios vegetais.

 

Manejo

 

Entre as possibilidades de uso de bioativadores na cultura da batata, o tratamento de tubérculos em sulco de plantio antes de cobrir as batatas-sementes com o solo é uma alternativa. Além do controle de insetos como larva-arame, larva-alfinete, vaquinha e pulgão, trabalhos na literatura verificaram incrementos de até 63% no comprimento de raízes.

Com sistema radicular mais desenvolvido, há maior absorção de água, nutrientes e produção de citocininas, que são os hormônios que promovem resistência a estresse.

Outra opção de uso de produtos com efeito bioativador é a aplicação imediatamente antes da amontoa para proteger a parte do caule que será coberta durante esta operação.

Os benefícios desta aplicação partem do maior vigor das hastes para o adequado desenvolvimento da parte aérea e do aparato fotossintético das plantas. Assim, há estímulo ao desenvolvimento de estolões que proporcionarão maior número e tamanho de tubérculos.

 

Recomendação

 

Como a cultura da batata pode ser afetada por várias doenças fúngicas que podem comprometer seriamente a emergência, o crescimento vegetativo, a tuberização e a pós-colheita, as práticas de manejo como o plantio em áreas isentas de patógenos ou sem histórico de ocorrência, a rotação de cultura, o enterrio ou destruição de restos de cultura, plantio raso (para favorecer a rápida emergência dos brotos), o uso de sementes sadias e o controle químico com fungicidas são medidas que devem ser integradas ao sistema de produção.

 

Efeito plus

 

Algumas moléculas fungicidas podem proporcionar não só a proteção das plantas contra doenças, mas também efeitos fisiológicos para a cultura. Isso é confirmado em áreas onde mesmo sem incidência de doenças a aplicação de fungicidas resultou em incrementos de produtividade que foram atribuídos ao efeito bioativador destes produtos.

As explicações para o efeito bioativador de fungicidas consideram alterações em processos fisiológicos, como aumento da atividade da enzima nitrato redutase e, consequentemente, maior assimilação de nitrogênio, que é um dos elementos mais exigidos pela cultura, redução da síntese de etileno (hormônio do envelhecimento de plantas) com influência sobre a senescência foliar e manutenção da fotossíntese ativa por mais tempo, oque permitiria maior enchimento dos tubérculos.

 

Direto ao ponto

 

Por se tratarem de defensivos agrícolas, ao optar por produtos com efeito bioativador os agricultores devem seguir recomendações das boas práticas agrícolas. Exemplos de práticas importantes são o uso correto e seguro dos produtos fitossanitários, adquirir produtos apenas sob receituário agronômico, usar apenas produtos fitossanitários registrados para a cultura, usar as doses recomendadas na rotulagem, respeitar os períodos de carência (intervalo de segurança), utilizar os equipamentos de proteção individual (EPI), calibrar adequadamente os equipamentos aplicadores, realizar a tríplice lavagem das embalagens e descartar adequadamente as embalagens vazias

 

Essa matéria você encontra na edição de junho da Revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira o seu exemplar.

 

Ou assine