27.2 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosBIOENERGY® EM CANA SUPERANDO OS ESTRESSES AMBIENTAIS

BIOENERGY® EM CANA SUPERANDO OS ESTRESSES AMBIENTAIS

Renato Passos Brandão

Gerente Especialista em Nutrição de Plantas

Rafael Bianco Roxo Rodrigues

Gerente Técnico de São Paulo e Sul de Minas

Crédito Miriam Lins
Crédito Miriam Lins

O Brasil é o maior produtor mundial no setor sucroalcooleiro. Na safra 2018/19, a área colhida de cana-de-açúcar é estimada em 8,61 milhões de hectares, sendo São Paulo responsável por 5,172 milhões de hectares, representando 60% da área cultivada, seguido pelos Estados de Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. A estimativa de produção é de 625,96 milhões de toneladas de colmo (Conab, 2018).

A produtividade da cana-de-açúcar na safra 2018/19 está prevista para 72 t/ha. É considerada relativamente baixa em comparação ao potencial genético das atuais variedades de cana. Um dos fatores que vem contribuindo para a baixa produtividade da cana-de-açúcar é a expansão da cultura para áreas com solos de baixa fertilidade e as condições climáticas desfavoráveis nas últimas safras em determinadas fases da cultura – veranicos.Além disso, a produção de açúcar por hectare também está aquém do potencial da cultura, reflexo do baixo ATR – açúcar total recuperável.

O objetivo deste artigo é abordar a influência doBioenergy®aplicado via foliar na produtividade da cana-de-açúcar em dois ambientes de produção.

O que é Bioenergy®?

É um fertilizante fluido organomineral, classe A, contendo extratos de algas marinhas marrons (Ascophyllumnodosum) e aditivos, melhorando a performance do produto nas culturas. Possui 5% de K2O, 6% de carbono orgânico total ” COT e densidade de 1,31 g/mL. O pH do Bioenergy® varia de 7,0 a 8,0.

“O nome da alga colocar em itálico“.

Bioestimulantes na agricultura

Segundo Du Jardin (2016), um bioestimulante é qualquer substância ou microrganismo aplicado às plantas com o objetivo de melhorar a sua eficiência nutricional, a tolerância a estresses abióticos, e/ou a qualidade dos cultivos, independente do seu conteúdo nutricional.

Em outubro de 2017, o Parlamento Europeu definiu os bioestimulantes como produtos que estimulam os processos de nutrição de plantas, independentemente do teor de nutrientes do produto, com o objetivo de melhorar uma ou mais das seguintes características das plantas: (a) eficiência do uso de nutrientes, (b) tolerância a estresses abióticos, ou (c) qualidade do cultivo (Stadnik et al., 2017).

O Bioenergy® atua na fisiologia da cana, melhorando qualidade e produtividade - Crédito Shutterstock
O Bioenergy® atua na fisiologia da cana, melhorando qualidade e produtividade – Crédito Shutterstock

As principais fontes de bioestimulantesàs plantas estão especificadas abaixo.

  Ácidos fúlvicos e ácidos húmicos
   
  Hidrolisados proteicos
   
  Aminoácidos
   
Bioestimulantes Hormônios
   
  Extratos de algas e vegetais
   
  Microrganismos benéficos às plantas – fungos e bactérias
   
  Polímeros como a quitosana

Na legislação brasileira, o termo bioestimulante não é contemplado, ou seja, não há a classe de produtos bioestimulantes para registro de produtos. Os produtos com as características apontadas acima podem ser registrados como fertilizantes, na classe de estimulantes ou biofertilizantes.

Bioenergy® em cana-de-açúcar

 

Foram instalados dois experimentos em cana-soca para a avaliação do Bioenergy® ” bioestimulante formulado com extratos de algas marinhas ” em diferentes ambientes edafoclimáticos de importantes regiões canavieiras no Estado de São Paulo e Triângulo Mineiro ” Guaíra e Uberlândia, respectivamente.Os locais dos experimentos, as variedades de cana-de-açúcar e as datas da aplicação do Bioenergy® estão na tabela 1.

Tabela 1. Local dos experimentos, variedades de cana-de-açúcar e data da aplicação do Bioenergy®via foliar em Guaíra/SP e Uberaba/MG.

Local Variedade – nº corte Data da aplicação
Guaíra/SP RB 966928 ” 3º corte 14 de dezembro de 2016
Uberlândia/MG RB 867515 ” 2º corte 24 de janeiro de 2017

Os ensaios com os bioestimulantes constaram de cinco tratamentos sendo duas doses doBioenergy®” 0,5 e 1,0 L/ha e duas doses de um produto similardenominado de biofertilizante” 0,5 e 1,0 L/ha, adotando-se um tratamento (controle) sem a aplicação de bioestimulantes.

Utilizou-se delineamento experimental em blocos casualizados (DBC) com quatro repetições. As parcelas foram constituídas por 5 linhas de cana-de-açúcar com 10 m de comprimento e espaçadas 1,5 m entre si, totalizando área total de 75 m2, com espaçamento de 3 m nas cabeceiras.Em Guaíra/SP, a área útil foi composta pelas 3 linhas centrais totalizando 30 m2 e em Uberlândia/MG, a área útil constou de 3 linhas centrais totalizando 9 m2.

Em ambos os locais, o molhamento das folhas da cana-de-açúcar com os tratamentos foi realizado utilizando cilindro pressurizado a CO2, após 90 dias de crescimento vegetativo sem estresse, com um volume de calda de 267 L/ha.

A colheita da cana em Guaíra/SP foi realizada em novembro de 2017 ” 330 dias após a aplicação via foliar dos bioestimulantes. Em Uberlândia/MG, a colheita da cana foi realizada em novembro de 2017 ” 191 dias após a aplicação via foliar dos bioestimulantes.

O Bioenergy® proporciona aumento na produtividade e na produção de açúcar - Crédito Miriam Lins
O Bioenergy® proporciona aumento na produtividade e na produção de açúcar – Crédito Miriam Lins

Tonelada de cana por hectare – TCH

As produtividades da cana-de-açúcar foram superiores em Guaíra/SP demonstrando um ambiente de produção mais adequada à cultura.

Em Uberlândia/MG, o Bioenergy® na dose de 0,5 e 1,0 L/ha proporcionou aumento de 6,8 e 19,8 t/ha na produtividade da cana-de-açúcar, respectivamente(Figura 1).

No gráfico abaixo ” começar com 0 e eliminar as produtividades ímpares.

 

0 ” 20 ” 40 -60 ” 80

 

Lateral ” Toneladas de cana por hectare – TCH

Figura 1. TCH em função da aplicação de doses de bioestimulantesem Uberlândia /MG.

Em Guaíra/SP, o Bioenergy® na dose de 0,5 e 1,0 L/ha proporcionou aumento de 19,0 e 15,6 t/ha na produtividade da cana-de-açúcar, respectivamente (Figura 2).

No gráfico abaixo ” começar com 80 e terminar com 140

 

80 ” 100 ” 120″ 140

 

Lateral ” Toneladas de cana por hectare – TCH

Figura 2. TCH em função da aplicação de doses de bioestimulantesem Guaíra/SP.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

ARTIGOS RELACIONADOS

Daymsa – Sempre atenta às necessidades do campo

A Daymsa do Brasil participa da Hortitec desde 2007, e completa agora oito anos de atuação nesse evento. “A Hortitec é um evento de...

Green Has – Versatilidade em nutrição vegetal

A Green Has Brasil importa e comercializa fertilizantes produzidos pela sua matriz na Itália, em Canale d’Alba. As linhas de fertilizantes da Green Has Brasil têm registro para uso no solo, aplicação na folha, uso via irrigação ou em culturas hidropônicas.

Programa de apoio nutricional para a uva na região sul

ClevisonMichelon Gerente de Vendas & Marketing " Sul da Green Has   A Green Has Brasil distribui em todo o País a linha de fertilizantes especiais produzida...

Falhas na pulverização comprometem controle da Helicoverpa armigera

  Manoel Ibrain Lobo Junior Engenheiro agrônomo e consultor em Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas, Auditor GlobalGAP IFA (Boas Práticas Agrícolas) lobo@pulverizador.com.br Há cerca de 40...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!