23.3 C
São Paulo
quinta-feira, julho 7, 2022
- Publicidade -
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos BIOENERGY® EM CANA SUPERANDO OS ESTRESSES AMBIENTAIS

BIOENERGY® EM CANA SUPERANDO OS ESTRESSES AMBIENTAIS

Renato Passos Brandão

Gerente Especialista em Nutrição de Plantas

Rafael Bianco Roxo Rodrigues

Gerente Técnico de São Paulo e Sul de Minas

Crédito Miriam Lins
Crédito Miriam Lins

O Brasil é o maior produtor mundial no setor sucroalcooleiro. Na safra 2018/19, a área colhida de cana-de-açúcar é estimada em 8,61 milhões de hectares, sendo São Paulo responsável por 5,172 milhões de hectares, representando 60% da área cultivada, seguido pelos Estados de Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. A estimativa de produção é de 625,96 milhões de toneladas de colmo (Conab, 2018).

A produtividade da cana-de-açúcar na safra 2018/19 está prevista para 72 t/ha. É considerada relativamente baixa em comparação ao potencial genético das atuais variedades de cana. Um dos fatores que vem contribuindo para a baixa produtividade da cana-de-açúcar é a expansão da cultura para áreas com solos de baixa fertilidade e as condições climáticas desfavoráveis nas últimas safras em determinadas fases da cultura – veranicos.Além disso, a produção de açúcar por hectare também está aquém do potencial da cultura, reflexo do baixo ATR – açúcar total recuperável.

O objetivo deste artigo é abordar a influência doBioenergy®aplicado via foliar na produtividade da cana-de-açúcar em dois ambientes de produção.

O que é Bioenergy®?

É um fertilizante fluido organomineral, classe A, contendo extratos de algas marinhas marrons (Ascophyllumnodosum) e aditivos, melhorando a performance do produto nas culturas. Possui 5% de K2O, 6% de carbono orgânico total ” COT e densidade de 1,31 g/mL. O pH do Bioenergy® varia de 7,0 a 8,0.

“O nome da alga colocar em itálico“.

Bioestimulantes na agricultura

Segundo Du Jardin (2016), um bioestimulante é qualquer substância ou microrganismo aplicado às plantas com o objetivo de melhorar a sua eficiência nutricional, a tolerância a estresses abióticos, e/ou a qualidade dos cultivos, independente do seu conteúdo nutricional.

Em outubro de 2017, o Parlamento Europeu definiu os bioestimulantes como produtos que estimulam os processos de nutrição de plantas, independentemente do teor de nutrientes do produto, com o objetivo de melhorar uma ou mais das seguintes características das plantas: (a) eficiência do uso de nutrientes, (b) tolerância a estresses abióticos, ou (c) qualidade do cultivo (Stadnik et al., 2017).

O Bioenergy® atua na fisiologia da cana, melhorando qualidade e produtividade - Crédito Shutterstock
O Bioenergy® atua na fisiologia da cana, melhorando qualidade e produtividade – Crédito Shutterstock

As principais fontes de bioestimulantesàs plantas estão especificadas abaixo.

  Ácidos fúlvicos e ácidos húmicos
   
  Hidrolisados proteicos
   
  Aminoácidos
   
Bioestimulantes Hormônios
   
  Extratos de algas e vegetais
   
  Microrganismos benéficos às plantas – fungos e bactérias
   
  Polímeros como a quitosana

Na legislação brasileira, o termo bioestimulante não é contemplado, ou seja, não há a classe de produtos bioestimulantes para registro de produtos. Os produtos com as características apontadas acima podem ser registrados como fertilizantes, na classe de estimulantes ou biofertilizantes.

Bioenergy® em cana-de-açúcar

 

Foram instalados dois experimentos em cana-soca para a avaliação do Bioenergy® ” bioestimulante formulado com extratos de algas marinhas ” em diferentes ambientes edafoclimáticos de importantes regiões canavieiras no Estado de São Paulo e Triângulo Mineiro ” Guaíra e Uberlândia, respectivamente.Os locais dos experimentos, as variedades de cana-de-açúcar e as datas da aplicação do Bioenergy® estão na tabela 1.

Tabela 1. Local dos experimentos, variedades de cana-de-açúcar e data da aplicação do Bioenergy®via foliar em Guaíra/SP e Uberaba/MG.

Local Variedade – nº corte Data da aplicação
Guaíra/SP RB 966928 ” 3º corte 14 de dezembro de 2016
Uberlândia/MG RB 867515 ” 2º corte 24 de janeiro de 2017

Os ensaios com os bioestimulantes constaram de cinco tratamentos sendo duas doses doBioenergy®” 0,5 e 1,0 L/ha e duas doses de um produto similardenominado de biofertilizante” 0,5 e 1,0 L/ha, adotando-se um tratamento (controle) sem a aplicação de bioestimulantes.

Utilizou-se delineamento experimental em blocos casualizados (DBC) com quatro repetições. As parcelas foram constituídas por 5 linhas de cana-de-açúcar com 10 m de comprimento e espaçadas 1,5 m entre si, totalizando área total de 75 m2, com espaçamento de 3 m nas cabeceiras.Em Guaíra/SP, a área útil foi composta pelas 3 linhas centrais totalizando 30 m2 e em Uberlândia/MG, a área útil constou de 3 linhas centrais totalizando 9 m2.

Em ambos os locais, o molhamento das folhas da cana-de-açúcar com os tratamentos foi realizado utilizando cilindro pressurizado a CO2, após 90 dias de crescimento vegetativo sem estresse, com um volume de calda de 267 L/ha.

A colheita da cana em Guaíra/SP foi realizada em novembro de 2017 ” 330 dias após a aplicação via foliar dos bioestimulantes. Em Uberlândia/MG, a colheita da cana foi realizada em novembro de 2017 ” 191 dias após a aplicação via foliar dos bioestimulantes.

O Bioenergy® proporciona aumento na produtividade e na produção de açúcar - Crédito Miriam Lins
O Bioenergy® proporciona aumento na produtividade e na produção de açúcar – Crédito Miriam Lins

Tonelada de cana por hectare – TCH

As produtividades da cana-de-açúcar foram superiores em Guaíra/SP demonstrando um ambiente de produção mais adequada à cultura.

Em Uberlândia/MG, o Bioenergy® na dose de 0,5 e 1,0 L/ha proporcionou aumento de 6,8 e 19,8 t/ha na produtividade da cana-de-açúcar, respectivamente(Figura 1).

No gráfico abaixo ” começar com 0 e eliminar as produtividades ímpares.

 

0 ” 20 ” 40 -60 ” 80

 

Lateral ” Toneladas de cana por hectare – TCH

Figura 1. TCH em função da aplicação de doses de bioestimulantesem Uberlândia /MG.

Em Guaíra/SP, o Bioenergy® na dose de 0,5 e 1,0 L/ha proporcionou aumento de 19,0 e 15,6 t/ha na produtividade da cana-de-açúcar, respectivamente (Figura 2).

No gráfico abaixo ” começar com 80 e terminar com 140

 

80 ” 100 ” 120″ 140

 

Lateral ” Toneladas de cana por hectare – TCH

Figura 2. TCH em função da aplicação de doses de bioestimulantesem Guaíra/SP.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de julho de 2018 da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar para leitura completa.

Ou assine

Inicio Revistas Grãos BIOENERGY® EM CANA SUPERANDO OS ESTRESSES AMBIENTAIS