Bioestimulante favorece enchimento da soja

0
34

Bioestimulante na soja: benefícios para o enchimento. Confira nesse artigo como ter uma nutrição equilibrada, quais os benefícios do bioestimulante e qual a época de aplicação. Para mais informações como custo-benefício e outros cuidados, leia.

Por:
Natanael Motta Garcia
natanaelmottagarcia@outlook.com
Bruno Englerth Pedrozo
bruno_englerth@hotmail.com
Graduandos em Engenharia Agronômica – Centro Universitário de Ourinhos (Unifio)


Adilson Pimentel Júnior
Doutor e professor de Agronomia – Unifio
adilson_pimentel@outlook.com

Vista de baixo para cima de pés de soja uma plantação de soja.
Vista de baixo para cima de pés de soja uma plantação de soja.

Os bioestimulantes são misturas de dois ou mais reguladores vegetais com outras substâncias (aminoácidos, nutrientes e vitaminas). Durante o ciclo de desenvolvimento da soja, esses produtos podem estimular o crescimento vegetal por meio de uma maior divisão celular, elongação e diferenciação celular e, dessa forma, aumentar a capacidade de absorção de nutrientes e água, refletindo diretamente no desenvolvimento e na produtividade da soja.

Nutrição equilibrada

Os bioestimulantes oferecem uma solução saudável para o cultivo da lavoura, uma vez que o solo é nutrido, eliminando os danos sofridos com o cultivo em grande escala.
Classificados como reguladores de crescimento, os bioestimulantes são um produto cuja composição é formada por hormônios vegetais ou sintéticos, aminoácidos, nitrogênio, fósforo, potássio, vitaminas, algumas algas marinhas e também ácido ascórbico.
Todos esses elementos atuam diretamente no desenvolvimento da planta, sendo um dos promotores de crescimento muito utilizado na pulverização agrícola, possibilitando à planta a extração de mais nutrientes e água do solo, aumentando assim o seu desenvolvimento e qualidade.
Esses produtos podem conter auxinas, citocininas, giberelinas, etileno, entre outros hormônios, e por isso são classificados hormônios vegetais.

Benefícios do bioestimulante

Um dos pontos mais atraentes aos produtores ao utilizarem bioestimulantes é a segurança para a sua lavoura, uma vez que o produto mantém as plantas livres de pragas, com substâncias naturais, sem utilização de agrotóxicos, o que protege a colheita sem expor a planta a princípios nocivos ao seu desenvolvimento, permitindo uma colheita linear e, consequentemente, mais produtiva.
Por se tratar de um regulador de crescimento livre de defensivos agrícolas, o bioestimulante proporciona um rápido desenvolvimento das plantas, pois age em toda a estrutura do vegetal, estimulando sua formação e possibilitando um crescimento rápido e vigoroso.
Além disso, proporciona um melhor desenvolvimento radicular e ganho de massa verde, relacionado à ação hormonal, principalmente pela citocinina, sendo responsável pela regulação da divisão celular. Quando em conjunto com auxinas, pode atuar em vários aspectos de crescimento e desenvolvimento vegetal.
O bioestimulante também atua como um agente protetor. Com ele a cultura fica menos vulnerável ao estresse hídrico, causado por pequenos períodos de seca. A lavoura fica mais bonita, com plantas mais saudáveis e prontas para serem colhidas, gerando um produto final com mais uniformidade, qualidade e saúde.
Ainda, o transporte e armazenamento do produto na propriedade rural é facilitado, já que o bioestimulante apresenta material não inflamável e pertence à categoria de não perigoso.

Benefícios do bioestimulante na soja

Diante as adversidades ambientais e climáticas que potencializam problemas de produtividade enfrentados pelos produtores brasileiros nos últimos meses, no início de 2022, o sojicultor, para a nova safra investiu no uso de bioestimulantes para garantir o melhor rendimento da sua lavoura.
Trata-se de um produto organomineral, com aminoácidos e nutrientes eficazes na sua formulação, que entrega ao produtor plantas com capacidade fotossintética elevada e grãos mais pesados durante a colheita.

Época de aplicação

Em busca de melhorar a fisiologia da planta, refletindo em aumento de produtividade, o uso de bioestimulantes na cultura da soja tem sido amplamente estudado em diferentes estádios fenológicos da cultura.
Cada bioestimulante possui uma época de aplicação específica, para que o produto seja absorvido e atue de forma correta. Esse crescimento de qualidade ocorre devido ao bioestimulante ser um produto estimulante, como o próprio nome indica, e não nutricional.
A utilização planejada desse conjunto de soluções, nas diferentes fases da soja, ativa sistemas de defesa da oleaginosa, amplia os índices de absorção de água e nutrientes, gera plantas mais resistentes a adversidades do ambiente e auxilia o sojicultor que persegue mais produtividade e rentabilidade.

LEIA TAMBÉM:

Cuidado

Existem relatos de que o uso de dosagens de bioestimulantes acima do recomendado em tratamento de sementes pode causar efeito fitotóxico, o qual se caracteriza pela baixa germinação, resultando em efeito contrário ao esperado.
A quantidade adequada de produto a ser utilizada depende de qual bioestimulante será adquirido, e essas informações deverão ser analisadas na bula, onde haverá indicação da dosagem ideal.

Via semente

O bioestimulante pode ser utilizado via semente de soja, com o tratamento de sementes, pouco antes da semeadura. A aplicação irá estimular a germinação e emergência de maneira uniforme, beneficiando principalmente o crescimento do sistema radicular, logo, melhorando o aproveitamento de água e nutrientes no perfil do solo pelas plantas.
Isso impulsiona o crescimento da parte aérea, que irá refletir na produção. Lembrando que plantas com sistema radicular mais profundo e desenvolvido suportam por mais tempo condições de déficit hídrico.

Via foliar

A aplicação via foliar pode ser realizada em diferentes estádios da cultura, tanto no vegetativo quanto no reprodutivo, e a sua função é continuar o desenvolvimento radicular, além de incrementar o número de vagens e o número de grãos por planta, acarretando em aumentando de produção.

Aminoácidos

Os benefícios alcançados com uso de aminoácidos estão associados com a melhoria da germinação, raízes mais fortes, plantas mais vigorosas e firmes, enchimento mais uniforme de grãos e, consequentemente, uma produtividade mais elevada.
É importante ressaltar que a aplicação de aminoácidos em culturas não possui o objetivo de suprir a necessidade das plantas para a síntese proteica, mas sim agir como ativadores do metabolismo fisiológico.

Custo-benefício

Mesmo que seu uso não reflita sempre em um aumento significativo de produtividade, o uso de bioestimulante ainda se faz favorável, pois ele contém elementos que equilibram o balanço hormonal da planta.
Por isso, sua empregabilidade em algum momento durante o desenvolvimento vegetal da soja tem se tornado uma prática cada vez mais frequente, principalmente em momentos que o produtor não consegue prever com antecedência, como por exemplo, alguma condição ambiental que irá causar estresse na planta.

Viabilidade para uso de bioestimulante na soja

Na ponta do lápis, a prática de aplicação do bioestimulante, via semente ou foliar, não impacta consideravelmente o custo de produção, pois utilizaria o produto em operações que o produtor rural já realiza.
Por exemplo, se o bioestimulante for aplicado nas sementes de soja, ele pode entrar junto com a inoculação, e caso seja via foliar, poderá ser aplicado junto com as pulverizações de agroquímicos para controle de pragas e doenças, ou seja, o aumento seria apenas do valor do bioestimulante em si.
Vale ressaltar que os benefícios do bioestimulante para a planta, mesmo que não haja grandes ganhos financeiros, mantêm a lavoura saudável e isso é fundamental para uma boa produção.