17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesBioestimulante ideal para cada fase do tomateiro

Bioestimulante ideal para cada fase do tomateiro

Patrocinado por Enza Zaden

Crédito: Shutterstock

Marcos José Bernardo
Marco Aurélio Casari
Graduandos em Engenharia Agronômica – Faculdade de Ensino Superior Santa Bárbara (FAESB)
Ana Paula Preczenhak Doutora, pós-doutoranda e professora – FAESBprof.anapaula@faesb.edu.br

O tomateiro é uma solanácea herbácea, de caule piloso e flexível, que apresenta abundante ramificação lateral. As cultivares são separadas em dois principais grupos de acordo com o tipo de crescimento e destino comercial: 1) o tomate de mesa, de crescimento indeterminado, sendo conduzido com tutoramento das plantas; 2) o tomate industrial (rasteiro), sem tutoramento, utilizado na indústria principalmente na produção de molhos ou para consumo fresco.

O mercado brasileiro apresenta alta demanda da hortaliça e manejos diversificados, visando garantir essa demanda, vêm sendo implementados pelos produtores. Um deles é a utilização de bioestimulantes, que cada vez mais estão sendo integrados ao sistema de produção da cultura.

Os bioestimulantes são misturas que contêm uma ou mais substâncias e/ou microrganismos capazes de incrementar a absorção de nutrientes e que atuam nos diversos processos fisiológicos das plantas para estimular o crescimento das raízes e da parte aérea, mitigar as limitações induzidas pelo estresse e, assim, aumentar a produtividade e qualidade dos frutos.

Além disso, podem acrescer a atividade microbiana da rizosfera e enzimas do solo, assim como a produção de reguladores de crescimento no solo e nas plantas.

Fases fenológicas

A planta passa por vários estádios de crescimento desde a semeadura até a colheita e para cada um deles há necessidades nutricionais e dificuldades de manejo específicas. As fases fenológicas do tomateiro podem ser divididas em: 1) Emergência e desenvolvimento das primeiras folhas verdadeiras, da semeadura ao transplante (três a quatro semanas); 2) Desenvolvimento das folhas e aparecimento do órgão floral, do transplante das mudas até o início do florescimento (quatro a cinco semanas); 3) Floração e desenvolvimento do fruto, do florescimento ao início da colheita (cinco a seis semanas) e; 4) Formação do fruto, do início ao final da colheita.

A duração exata de cada fase depende principalmente do genótipo, sanidade, nutrição e condições climáticas. Fatores bióticos e abióticos têm influência significativa em todas as fases da cultura, sendo necessário o manejo ideal para obter resultados satisfatórios requeridos pelo mercado.

Os produtos disponíveis no mercado com substâncias usadas como atenuadores de estresses abióticos podem incluir constituintes orgânicos, minerais e fitormônios. Dentre os principais constituintes deste tipo de produto estão:

1) Bioestimulantes à base de algas marinhas, que dependendo da espécie podem liberar substâncias que mimetizam hormônios, como a auxina, apresentar aminoácidos e macronutrientes (nitrogênio, potássio e fósforo);

2) Bioestimulantes à base de aminoácidos podem conter uma mistura de aminoácidos ou aminoácidos específicos, dentre os principais estão a prolina, betaína e glicina;

3) Bioestimulantes à base de hormônios estão presentes, principalmente a auxina (desenvolvimento de raízes, crescimento de folhas e caule), citocininas (crescimento e divisão celular) e giberelinas (desenvolvimento dos frutos e indução da brotação de gemas);

4) Bioestimulantes à base de ácidos húmicos podem ser aplicados via foliar ou no solo. Neste último caso, atuam indiretamente, por favorecer a estrutura e permeabilidade.

Recomendações

O aumento do desempenho agrícola do tomateiro, com a utilização de bioestimulantes, pode ser observado quando há intervenção nos estádios de maior necessidade de seus constituintes.

Alguns exemplos serão relatados sobre o uso dos diferentes tipos de produtos e estratégias de aplicação durante o manejo da cultura. Os bioestimulantes específicos podem ser aplicados nas sementes, mudas, via foliar, via solo e hidroponia.

No tratamento de sementes produtos que fornecem os componentes minerais necessários para a germinação das sementes e o desenvolvimento inicial de plântulas podem ser a melhor escolha, pois disponibilizam prontamente os nutrientes para a germinação e desenvolvimento inicial.

Neste sentido, produtos que apresentam macronutrientes, micronutrientes, hidrolisados de proteínas, substâncias húmicas e microrganismos são os mais recomendados. Neste caso, os microrganismos, como exemplo o Bacillus subtilis, são responsáveis pela produção de substâncias antibióticas e metabólitos que ativam a defesa da planta e melhoram a absorção de nutrientes.

Desta forma, sua aplicação pode levar a melhorias, desde a germinação, emergência, formação das plântulas até o crescimento e desenvolvimento da planta. Pesquisas mostraram que o tratamento de sementes com produtos à base de Bacillus subtilis tem efeito no desenvolvimento da planta, com incremento da massa fresca.

Durante a fase inicial da cultura, desenvolvimento das primeiras folhas (mudas), os bioestimulantes mais recomendados são os relacionados ao aumento da capacidade de divisão, diferenciação e alongamento celular da parte aérea e, em especial, da porção radicular.

O desenvolvimento satisfatório de raízes nesta fase favorece o maior pegamento das mudas e, posteriormente, o adequado suprimento de água e nutrientes para a planta em crescimento. Os hormônios vegetais estão entre as substâncias que promovem estes resultados, sendo assim, produtos à base de fitormônios, como auxina, giberelina e citocinina ou componentes ativos que mitigam estas substâncias (algas marinhas que liberam compostos semelhantes à auxina) são estratégias que podem trazer bons resultados.

Entre as algas marinhas que apresentam esta funcionalidade podemos citar Ascophyllum nodosum e Ecklonia maxima, e entre rizobactérias Azospirillum spp. e Bacillus subtilis. Estas algas também apresentam aminoácidos que são importantes substâncias para impulsionar o desenvolvimento inicial das mudas.

Resultados em campo

A aplicação de bioestimulantes à base de aminoácidos no solo (colo da planta) após transplantio do tomateiro mostrou aumento da massa seca da parte aérea e de nitrogênio e fósforo no solo.

A aplicação de aminoácidos no solo ativa os microrganismos no perfil, que ao aumentar sua atividade são responsáveis pela mineralização do solo. Estas reações dos aminoácidos liberam nitrato e ácidos orgânicos, que melhoram a mobilidade do solo. Aliado a isso, foi observado aumento dos teores de enxofre, boro e manganês. 

Porém, vale ressaltar que nenhum bioestimulante tem a capacidade de reverter as condições de um solo de baixa fertilidade. Estes produtos via solo funcionam como incrementadores da disponibilidade e assimilação dos nutrientes.

Pesquisas mostram que a aplicação exógena de glicina-betaína via foliar em tomateiros sujeitos a estresse salino e/ou altas temperaturas resultam no aumento de 40% do rendimento de frutos em comparação ao controle (plantas não tratadas).

A aplicação ocorreu desde os 15 dias após o transplantio e foi conduzida até a frutificação, com aplicações quinzenais. Além disso, estes aminoácidos podem reverter parcialmente os efeitos de hormônios de senescência, como o etileno e ácido abscísico. O elevado estresse abiótico pode sinalizar a senescência precoce nas plantas, que ocasiona a abscisão de flores e frutos.

Cuidados

O início da floração requer cuidados para assegurar o pegamento dos frutos, sendo uma das etapas de maior demanda hídrica. Os produtos mais recomendados aqueles capazes de revigorar o sistema de defesa natural da planta, tornando-a menos suscetível aos fatores de estresses abióticos e mais eficaz na recuperação dos danos provocados por fatores ambientais.

Ainda, auxilia na manutenção ou incremento da capacidade fotossintética, o que garante o crescimento da planta.

A aplicação de produtos à base de algas, como Ascophyllum nodosum, impulsiona a produção de aminoácidos elicitores osmoprotetores, como glicina-betaína e prolina. A sua aplicação no início da floração de tomates submetidos ao estresse hídrico durante 15 dias (50% da capacidade de retenção de água do solo) foi capaz de manter a atividade fotossintética e proporcionar incremento de 40% na produção em comparação as plantas sem aplicação do produto.

Estes resultados foram observados tanto ao aplicar no início da floração quanto no início da frutificação. É importante enfatizar que a aplicação deve ser realizada no início da floração ou da frutificação, para que os ativos dos produtos (aminoácidos) possam agir na formação/qualidade dos frutos.

Neste sentido, produtos capazes de estimular a absorção de nutrientes pelas plantas, sua capacidade de defesa contra os estresses ambientais e aumentar a capacidade fotossintética do tomateiro são os mais adequados para o período de início da frutificação.

Nesta fase, a planta precisa acumular o máximo de fotoassimilados e receber o suprimento adequado de água para produzir frutos de alta qualidade. Para isso, precisa do sistema radicular bem desenvolvido e da parte aérea saudável e funcional.

Eficácia

Os bioestimulantes à base de aminoácidos (por exemplo: glicina-betaína, prolina, arginina, glutamato), algas Ascophyllum nodosum, extratos de algas, fertilizantes foliares, organominerais (macro e micronutrientes mais extratos de algas ou aminoácidos), mostraram efeitos positivos nesta fase de desenvolvimento do tomateiro.

O uso de bioestimulantes à base de polissacarídeos, polipeptídeos, aminoácidos, ácidos húmicos, complexos vitamínicos, precursores de hormônios, macronutrientes e ferro, ou Ascophyllum nodosum e macronutrientes, ou betaína, ácido algínico, caidrina, macronutrientes, ferro e zinco, foram eficazes no aumento de até 18% da produtividade de tomates, com maior número de frutos nas classes Extra AA e Extra A.

Muitos resultados positivos são encontrados com a utilização destes produtos, que estão disponíveis em variadas formulações no mercado. O que se sabe, e é garantido pelas empresas, é que os bioestimulantes podem ser aplicados em diferentes órgãos das plantas, como folhas, sementes, frutos e até mesmo via solo, priorizando as raízes; e ainda, que devem ser seguidas as recomendações de uso, como dosagens, momento e forma de aplicação.

A Enza Zaden Brasil possui um portfólio de sementes de folhosas que garantem mais benefícios e rendimento ao produtor, acesse aqui. Para mais conteúdos como este, acesse o blog da Enza Zaden.

ARTIGOS RELACIONADOS

Aminoácidos protegem lavoura do estresse

Hugo Reis Vidal Engenheiro agrônomo da HVIDAL " Consultório Agronômico Fruticultura " Olericultura " Paisagismo hugovidal.agro@gmail.com Marli de Jesus dos Santos Engenheira agrônoma da Boava& Delta Seg Consultoria...

Controle biológico é eficiente em cultivos protegidos, hortaliças, frutas e plantas ornamentais

O manejo integrado de pragas e doenças em hortifrutis e plantas ornamentais, utilizando inimigos naturais, apresenta excelentes resultados de produtividade e rentabilidade, além de não causar impactos...

Como aplicar os fertilizantes organominerais?

Autores Regina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) rmqlana@ufu.br Miguel Henrique Rosa Franco Doutor...

Quais são os derivados proteicos utilizados na produção vegetal?

Autora Nilva Terezinha Teixeira Engenheira agrônoma, doutora em Solos e Nutrição de Plantas e professora de Nutrição de Plantas, Bioquímica e Produção Orgânica...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!