18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Destaques Bioestimulante induz melhor desenvolvimento do milho safrinha

Bioestimulante induz melhor desenvolvimento do milho safrinha

Talis Melo ClaudinoEngenheiro agrônomo e mestre em Agronomia – UNESP/FCA de Botucatut.claudino@unesp.br

Milho – Crédito Shutterstock

Os bioestimulantes são substâncias com capacidade de estimular processos fisiológicos e metabólicos, em que a presença de nutrientes na pulverização não é necessária. Diversos grupos são caracterizados como bioestimulantes, como aminoácidos, extratos vegetais e extratos de algas, hidrolisados proteicos, microrganismos e substâncias húmicas.

Tendo em vista que a cultura do milho safrinha é uma atividade de alto risco, pelo baixo índice pluviométrico e o risco de geadas na época do ano em que é semeado, a utilização de substâncias húmicas apresenta funcionalidade importante na tolerância de estresses, crescimento de planta e incremento na produtividade.

Quem são as substâncias húmicas?

As substâncias húmicas são estruturas supramoleculares formadas principalmente pela decomposição de restos animais, vegetais e microbianos por outros microrganismos, através de um longo ou curto período. O delta tempo irá resultar no teor de carbono da substância húmica final e na sua bioatividade. Claudino (2021) afirma que, quanto maior o delta tempo de decomposição do carbono, menor o índice de bioatividade nas células vegetais.

A bioatividade nada mais é do que o efeito culminado nas plantas pela aplicação de compostos bioestimuladores. Desta forma, podemos comparar bioatividades por diversos parâmetros, desde a síntese de auxina expressa, enraizamento, até a expressão gênica de inibidores de estresses, muito comuns quando utilizamos substâncias húmicas.

Mas, como implementar tal tecnologia no milho safrinha para obter mudanças fisiológicas que correspondam em melhor desenvolvimento e produtividade?

O desenvolvimento inicial do milho é fundamental para o desempenho de altas produtividades, e como uma C4 e com alta demanda de CO2 para produção de fotoassimilados em seu crescimento, pode-se auxiliar que esse esforço seja aumentado por meio de maior protonação do protoplasma e maior crescimento das plantas por meio da teoria do crescimento ácido, comumente relatado quando utilizamos substâncias húmicas nas aplicações foliares.

Lembrando que a dose deve ser adequada, entre 20 e 60 mg C L-1 de substâncias húmicas, mas por que esta variação? Bioatividade é a resposta para a dose. Quanto mais bioativo, menos carbono na aplicação. Mas, vamos lá, 30 mg C L-1 é uma boa faixa de trabalho.

Estímulos

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Destaques Bioestimulante induz melhor desenvolvimento do milho safrinha