12.6 C
Uberlândia
quarta-feira, maio 29, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesBioestimulante induz melhor desenvolvimento do milho safrinha

Bioestimulante induz melhor desenvolvimento do milho safrinha

Talis Melo ClaudinoEngenheiro agrônomo e mestre em Agronomia – UNESP/FCA de Botucatut.claudino@unesp.br

Milho – Crédito Shutterstock

Os bioestimulantes são substâncias com capacidade de estimular processos fisiológicos e metabólicos, em que a presença de nutrientes na pulverização não é necessária. Diversos grupos são caracterizados como bioestimulantes, como aminoácidos, extratos vegetais e extratos de algas, hidrolisados proteicos, microrganismos e substâncias húmicas.

Tendo em vista que a cultura do milho safrinha é uma atividade de alto risco, pelo baixo índice pluviométrico e o risco de geadas na época do ano em que é semeado, a utilização de substâncias húmicas apresenta funcionalidade importante na tolerância de estresses, crescimento de planta e incremento na produtividade.

Quem são as substâncias húmicas?

As substâncias húmicas são estruturas supramoleculares formadas principalmente pela decomposição de restos animais, vegetais e microbianos por outros microrganismos, através de um longo ou curto período. O delta tempo irá resultar no teor de carbono da substância húmica final e na sua bioatividade. Claudino (2021) afirma que, quanto maior o delta tempo de decomposição do carbono, menor o índice de bioatividade nas células vegetais.

A bioatividade nada mais é do que o efeito culminado nas plantas pela aplicação de compostos bioestimuladores. Desta forma, podemos comparar bioatividades por diversos parâmetros, desde a síntese de auxina expressa, enraizamento, até a expressão gênica de inibidores de estresses, muito comuns quando utilizamos substâncias húmicas.

Mas, como implementar tal tecnologia no milho safrinha para obter mudanças fisiológicas que correspondam em melhor desenvolvimento e produtividade?

O desenvolvimento inicial do milho é fundamental para o desempenho de altas produtividades, e como uma C4 e com alta demanda de CO2 para produção de fotoassimilados em seu crescimento, pode-se auxiliar que esse esforço seja aumentado por meio de maior protonação do protoplasma e maior crescimento das plantas por meio da teoria do crescimento ácido, comumente relatado quando utilizamos substâncias húmicas nas aplicações foliares.

Lembrando que a dose deve ser adequada, entre 20 e 60 mg C L-1 de substâncias húmicas, mas por que esta variação? Bioatividade é a resposta para a dose. Quanto mais bioativo, menos carbono na aplicação. Mas, vamos lá, 30 mg C L-1 é uma boa faixa de trabalho.

Estímulos

[rml_read_more]

Além de notar a estimulação celular, outras formas de determinar que nossa cultura está sendo estimulada a crescer e se desenvolver, passando por possíveis estresses ambientais, como falta de precipitações, é conhecendo as variáveis fisiológicas quando se aplicam substâncias húmicas, ou seja, bioestimulantes nas plantas de milho.

As plantas tratadas com substâncias húmicas e microrganismos têm a capacidade de realizar maior taxa fotossintética diária quando tratadas, e desta forma produzirão mais fotossintatos, garantindo maior produção.

Além disso, a condutância estomática também teve aumento gradativo, garantindo o fluxo de água, nutrientes e CO2, contribuindo assim com o aumento e a eficiência desta fotossíntese.

Vale ressaltar que o uso de substâncias húmicas é mais eficaz na cultura do milho quando aplicadas de V3 até V6, em pH de, no mínimo, 5,8. Então, deve-se atentar aos detalhes para atingir patamares adequados de produção.

Desta forma, conclui-se que a utilização de bioestimulantes é fundamental para obtenção de altas produtividades na cultura do milho, quando tratada da forma correta, na dose ideal e com a fonte certa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Qual a hora certa de utilizar os aminoácidos?

Todas as culturas são beneficiadas com a aplicação de aminoácidos, visto que eles ajudam a planta a se recuperar de algum estresse sofrido. As plantas sintetizam todos os 21 aminoácidos por ela demandadas, e a ciência moderna já consegue identificar em quais momentos dentro da fenologia da planta eles são mais demandados.

Falta de controle da lagarta spodoptera no milho pode reduzir em até 40% a oferta nacional

Com o início do plantio da segunda safra de milho na região Centro-Sul, os produtores se voltam para os tratos culturais e manejos necessários para garantir a produtividade do cereal.

Estação agrometeorológica fornece dados para tomada de decisões agrícolas no Leste do MS

Parceria viabiliza a instalação de estação agrometeorológica em Ivinhema, que está integrada a rede Guia Clima da Embrapa. Os dados climáticos estão disponíveis para...

A viabilidade da adubação foliar para as florestas

José Geraldo Mageste Doutor e professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) jgmageste@ufu.br Fernando Simoni Bacilieri Engenheiro agrônomo e doutorando em Produção Vegetal, ICIAG-UFU ferbacilieri@zipmail.com.br Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!