Bioinseticida controla lagartas

0
36

Fernando Hercos ValicentePesquisador da Embrapafernando.valicente@embrapa.br

Dano causado pela lagarta do cartucho – Crédito: Fernando Valicente

Um pesticida composto por uma mistura inédita de dois isolados da bactéria Bacillus thuringiensis (Bt) é o mais novo bioproduto indicado para controlar a lagarta-do-cartucho, Spodoptera frugiperda, e a falsa-medideira, Chrysodeixis includens. O produto foi desenvolvido com tecnologia da Embrapa, concebido em parceria com a inciativa privada, que o comercializará.

Quem é ele

O biopesticida Acera é composto de duas cepas da bactéria Bacillus thuringiensis (Bt) eficientes no controle da lagarta do cartucho Spodoptera frugiperda, e lagarta falsa medideira Chrysodeixis includens.

Essas duas cepas vêm sendo estudadas pela Embrapa Milho e Sorgo há muito tempo, tendo sido comprovada a alta eficiência no controle dessas duas pragas. O B. thuringiensis possui genes que produzem proteínas tóxicas específicas para insetos durante o processo de fermentação.

O produto com duas cepas foi desenvolvido com tecnologia da Embrapa, e as duas cepas de Bt foram repassadas para a Ballagro sob contrato, sendo desenvolvida a parte do escalonamento industrial, fermentação e registro do produto.

A Ballagro irá comercializar o produto. Cada cepa é produzida separadamente num processo fermentativo, com nutrientes balanceados para uma melhor qualidade das proteínas tóxicas.

Ao final do processo de fermentação, cada produto é estabilizado e formulado separadamente e, as duas cepas são misturadas nas suas devidas proporções e envasadas para o mercado. As duas cepas possuem proteínas muito eficientes no controle das referidas pragas, incluindo uma diversidade de proteínas Cry e Vip. As proteínas tóxicas das duas cepas se complementam como biopesticida.


Cuidado!

 A lagarta-do-cartucho é uma das principais pragas desfolhadoras da cultura do milho (safra e safrinha). Ataca a soja, algodão e é relatado o ataque a mais de 200 culturas. Seu prejuízo é estimado em torno de US$ 400 milhões anuais.

É uma praga que ocorre em todas as regiões produtoras de milho do Brasil. A lagarta-do-cartucho ataca desde a emergência até a formação das espigas. A lagarta falsa-medideira é uma das principais desfolhadoras da lagarta-da-soja e algodão, atacando também mais de 170 espécies de plantas.

É relatada a ocorrência em todas as regiões onde se planta soja. Atenção deve ser dada para essas duas pragas nas regiões de plantios extensos do MT, Sul e Sudoeste de Goiás, Oeste da Bahia, Piauí, etc.


Controle

As duas pragas podem ser controladas com o uso de inseticidas químicos e por meio dos agentes de controle biológico. Dentre as técnicas inovadoras podemos citar o produto biológico Acera, à base do Bt, com a junção de duas cepas de Bt eficientes no controle dessas lagartas, onde as proteínas tóxicas se complementam.

Este é um produto inovador, pelo uso de duas cepas, que além de mais eficiente, pode combater a biopirataria.

Não se engane

O primeiro erro mais frequente é tratar o produto biológico como químico. Produto biológico é biológico e químico é químico – cada um possui suas características específicas.

Os produtos à base de Bt têm ação por ingestão e não por contato. Então a lagarta deve raspar a planta para se tornar infectada. O segundo erro mais frequente é o posicionamento do produto.

O produto Acera, à base de Bt, mata lagartas pequenas, e para isso a área de plantio deve ser monitorada observando-se a presença de mariposas e posturas (ovos). Num país de clima tropical, com três cultivos anuais, a presença dessas pragas se tornou constante durante quase todo o período das safras.

Todo o cuidado com lagartas desfolhadoras deve ser tomado e o monitoramento deve ser uma rotina em propriedades rurais. 

Como evitar erros

Entre as recomendações para evitar erros estão: melhor posicionamento do produto biológico, usar vazão adequada e recomendada pelo fabricante, lembrando que a lagarta deve raspar a folha, então a pulverização deve ser bem-feita (vazão e bicos adequados) e a folha deve ficar molhada.

Sempre usar um espalhante e verificar se o pH da calda ficou entre 5 e 7. O pH da calda nunca deve ser básico.

Detalhes

 O uso de produtos biológicos traz inúmeras vantagens, como a não degradação do meio ambiente, não causa intoxicação de aplicadores, rios e riachos, gerando um produto com valor agregado sem resíduos.

Esse custo é minimizado pelos benefícios gerados pelo Acera. O Acera pode ser usado por pequenos, médios e grandes produtores. Com o uso de produtos biológicos toda a paisagem agrícola brasileira tende a ganhar com os benefícios de um produto que não causa danos ao meio ambiente, preservando os ecossistemas.