30.2 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiBiológico é a solução para mofo branco

Biológico é a solução para mofo branco

Autores

Daniele Maria do Nascimento daniele.nascimento@unesp.br

Marcos Roberto Ribeiro Junior marcos.ribeiro@unesp.br

Engenheiros agrônomos, mestres e doutorandos em Agronomia/Proteção de Plantas – UNESP – Botucatu

Adriana Zanin Kronka adriana.kronka@unesp.brEngenheira agrônoma, doutora em Agronomia/Fitopatologia e professor – UNESP – Botucatu

Mofo branco – Créditos: Embrapa

O mofo branco, causado por Sclerotinia sclerotiorum, está presente em várias regiões e possui uma ampla gama de hospedeiros. Considerada uma das mais sérias ameaças à agricultura.

Esse patógeno é capaz de formar estruturas de resistência (escleródios) que permanecem viáveis no solo por anos e também é um fungo necrotrófico, possibilitando sua sobrevivência em restos culturais, não necessitando de um hospedeiro vivo. Logo, o melhor controle é o preventivo: evitar a entrada S. sclerotiorum na área.

Uma vez presente na lavoura, se não manejado adequadamente, pode ocasionar altas perdas na produtividade. Na soja, essas perdas podem chegar a 70%. Nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás foram relatadas perdas de até 50%, em diversas culturas.

Presente nas regiões do centro-oeste, sudeste, sul e nordeste, o mofo branco tem seus danos acentuados em áreas com altitude elevada, temperaturas amenas, entre 18 a 20ºC, alta umidade, acima de 70%, e clima chuvoso. Áreas irrigadas favorecem a incidência do patógeno, proporcionando condições favoráveis para seu desenvolvimento.

Em épocas secas, o desenvolvimento do fungo pode cessar, mas o micélio permanece viável. Com o retorno das condições favoráveis, o patógeno retoma seu desenvolvimento e a doença progride.

Principais sintomas

Os sintomas dessa doença são bem característicos, com a ocorrência de lesões encharcadas nas partes aéreas da planta, principalmente no caule. Posteriormente, um micélio esbranquiçado e de aspecto cotonoso cresce sobre essas lesões, constituindo os sinais característicos do mofo branco. Por fim, esse micélio se transforma em uma massa negra e rígida, que são os escleródios, estruturas de sobrevivência do fungo.

Com a morte da planta hospedeira, os escleródios caem no solo, sobrevivendo pelo período de entressafra e aguardando o próximo plantio.

Na presença de um hospedeiro suscetível, condições de alta umidade, e temperatura variando entre 21 a 25ºC, os escleródios germinam, formando hifas que compõem o micélio, e penetram nos tecidos da base da planta. Primeiro são colonizadas as folhas senescentes, próximas ao solo e, posteriormente, os tecidos sadios.

Mofo branco na batateira

No Brasil, a batata é um alvo importante deste patógeno. Outras denominações também são usadas para a doença causada por S. sclerotiorum: podridão de Sclerotinia, podridão da cabeça e murcha de Sclerotinia.

Condições favoráveis ao desenvolvimento da doença podem causar prejuízos e dor de cabeça ao produtor. Em áreas com histórico de ocorrência de S. sclerotiorum, baixa temperatura (12-22ºC) e umidade elevada (95-100%), os danos à cultura da batata são severos. Lavouras irrigadas via pivô-central e épocas mais frias do ano também predispõem a batateira à infecção.

O patógeno se desenvolve rapidamente e os sintomas tornam-se mais evidentes na haste, com lesões encobertas por micélios e escleródios. Os tubérculos infectados apresentam podridões aquosas.

[rml_read_more]

Com a constatação do patógeno, a área pode tornar se inviável para o cultivo da batata e outros hospedeiros e, além dos danos diretos, através da redução no número de plantas, há também o custo com fungicidas que, em alguns casos, não são efetivos por não chegarem à base da planta.

Para evitar a entrada do patógeno na área, o produtor deve sempre optar pelo uso de sementes sadias e certificadas, garantindo assim a ausência de escleródios misturados às sementes, ou até mesmo de micélio interno nas sementes. No caso da batata, utilizar tubérculos sadios e/ou tratados. Variedades resistentes ainda não estão disponíveis.

Controle

O controle do mofo branco nas diversas culturas é dificultado pela capacidade do patógeno de formar estruturas de resistência, que permanecem viáveis no solo por anos. Práticas como a cobertura com palhada e revolvimento do solo impõem barreiras físicas ao fungo, impedindo que os escleródios recebam luminosidade e possam germinar.

O cultivo contínuo de hospedeiros suscetíveis contribui para a perpetuação de inóculo na área. Desse modo, os plantios devem ser rotacionados com não hospedeiros. As gramíneas, como braquiária, triticale, milho, sorgo e trigo, entre outras, são uma excelente opção e podem trazer benefícios ao solo. Plantas daninhas também podem abrigar o patógeno, principalmente na entressafra. Manter a área limpa pode ajudar a reduzir a incidência da doença.

Condições favoráveis à ocorrência da doença devem ser evitadas. Muitas lavouras de batata possuem irrigação e a mesma deve ser manejada adequadamente, pois o excesso de umidade irá beneficiar o desenvolvimento do patógeno.

O controle químico ainda é o método de controle mais empregado. São 21 produtos liberados pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), pertencentes às classes das fenilpiridinilamina, anilida e dicarboximida.

Durante o ciclo da batateira, são realizadas no máximo quatro aplicações. Contudo, apenas o controle químico não é suficiente. Após a formação do dossel da planta, os fungicidas muitas vezes não chegam à base da planta. O sucesso no controle deste patógeno está na adoção do manejo integrado.

Erros

O manejo equivocado da lavoura, com o cultivo contínuo da batateira e outros hospedeiros suscetíveis, tem aumentado a incidência da doença, principalmente nas áreas irrigadas. Fungicidas são amplamente utilizados, mas o emprego de um único princípio ativo pode tornar o patógeno resistente e aplicações futuras, pouco eficientes.

Diante desse cenário desolador, o controle biológico vem conquistando espaço. Microrganismos antagônicos aplicados na lavoura são efetivos até mesmo nos escleródios. Produtos à base de Trichoderma harzianum já se encontram registrados no MAPA para controle do mofo branco na batata e em diversas outras culturas. Outros patógenos de solo, como Fusarium spp., Rhizoctonia spp. e, em alguns casos, até mesmo nematoides (Pratylenchus zeae e Thielaviopsis paradoxa) também são eficientemente controlados.

O fungo Trichoderma é um dos mais conhecidos agentes de biocontrole, atuando através do micoparasitismo, antibiose, competição por substrato e indução de resistência na planta. Pode ser aplicado preventivamente em áreas com histórico de damping off. Mesmo sem a presença de patógenos, o Trichoderma irá promover o desenvolvimento do sistema radicular da planta, favorecendo o crescimento de raízes laterais.

Boa notícia aos produtores

No Brasil, já podemos contar com o primeiro fungicida microbiológico do País composto por um fungo (T. harzianum) e duas linhagens de bactéria (Bacillus amyloliquefaciens), com registro no MAPA para controle do mofo branco e também da rizoctoniose, doenças causadas por patógenos de solo.

O biofungicida possui três modos de ação: competição, antibiose e hiperparasitismo. A competição reduz o desenvolvimento de S. sclerotiorum através da disputa por espaço e nutrientes. Na antibiose, são produzidas substâncias que inibem o patógeno e, no hiperparasitismo, ocorre a interação entre os bioagentes e o fungo.

Mas, atenção! Para se obter sucesso com o uso de bioagentes, os mesmos devem ser aplicados em condições ambientais favoráveis (temperatura máxima de 30ºC e umidade relativa do ar acima de 55%). O controle biológico é mais um aliado disponível aos agricultores no combate ao mofo branco.

ARTIGOS RELACIONADOS

Como alcançar eficiência no controle da lagarta-do-cartucho

A cultura do milho é atacada por diversas pragas ao longo de seu desenvolvimento, e geralmente causam danos significativos à lavoura, levando a perdas em produtividade e, consequentemente, redução na produção. Entre as principais pragas que atacam a cultura do milho, destaca-se a Spodoptera frugiperda, conhecida popularmente como lagarta-do-cartucho ou lagarta-militar.

Técnica exclusiva de manejo Biopotente aumenta a produtividade nas plantações

Que a produção de grãos é uma das principais fontes de renda do Brasil não resta dúvidas. Só no biênio passado (2016/2017), a produção...

Complexo orgânico para recuperação da vida do solo é fundamental

  Estimulante da microbiologia já existente no solo para qualquer sistema de produção agrícola é desenvolvido por meio da nanotecnologia Uma tecnologia orgânica que promete ...

Panorama nacional da produção de melancia

A produção brasileira de melancia corresponde a 105.064 hectares de área colhida e a 2.314.700 toneladas. O Nordeste lidera em termos de área plantada e de produção, com 36.864 ha e uma produção de 663.458 toneladas, seguido pelas regiões sul, norte, centro-oeste e sudeste do País. Dentre os Estados, o Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional (18.551 ha).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!