18.1 C
São Paulo
quinta-feira, agosto 11, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Biológicos no manejo de Pratylenchus brachyurus

Biológicos no manejo de Pratylenchus brachyurus

Vanessa Alves Gomes
Engenheira agrônoma, mestre em Fitopatologia, doutoranda em Proteção de Plantas – UNESP e professora – Centro de Ensino Superior de São Gotardo (CESG)
vavvgomes@gmail.com
Carolina Alves Gomes
Engenheira agrônoma e mestranda em Produção Vegetal – Universidade Federal de Viçosa (UFV/CRP)
carol.agomes11@gmail.com

Grandes reduções na produção agrícola mundial são oriundas da presença de nematoides parasitas de plantas. Cerca de 10% da produção pode ser reduzida na presença destes patógenos. O elevado número de casos, evidenciados em diversas culturas, alerta a capacidade desses patógenos causarem grandes prejuízos aos produtores.
O nematoide das lesões radiculares (Pratylenchus spp.), com foco na espécie Pratylenchus brachyurus, é um nematoide relevante e requer atenção especial no manejo. É o segundo nematoide mais importante no Brasil, devido a apresentar características de polifagia. Além de possuir uma alta gama de hospedeiros, apresenta uma ampla distribuição geográfica em climas temperado, tropical e subtropical.
As perdas econômicas causadas por P. brachyurus no Brasil não são precisas. Isso se dá, principalmente, pelas interações com danos provocados por outros fitopatógenos e/ou insetos-pragas.

Prejuízos

Segundo Ferrari et al. (2015), no ano de 2013, em Sinop (MT), um plantio de soja e milho safrinha em área infestada com P. brachyurus enfrentou redução de uma saca de soja por hectare a cada 65 nematoides/g de raiz.
Os prejuízos na produtividade do milho ficaram em torno de 12% e, na segunda safra de soja, de 19%. Outro estudo, desenvolvido por Franchini et al. (2014), mostrou uma diminuição em até 50% na produtividade de grãos de soja, em lavouras no centro-oeste infestadas com P. brachyurus.
Por ser um nematoide endoparasita migrador, locomovendo-se no interior das raízes do hospedeiro enquanto se alimenta, isto faz com que comecem a aparecer os primeiros sintomas, pontos necróticos nas raízes, de coloração escura.
São microrganismos que se alimentam das células do córtex e da epiderme, destruindo os tecidos radiculares. Nestes locais, as raízes começam a se deteriorar e podem servir de porta de entrada para outros patógenos de solo, se presentes no local.

Causas

O aumento de áreas infestadas com nematoides fitoparasitas se deve à dificuldade dos agricultores em prevenir a introdução nas áreas de cultivo, que se dá, principalmente, pelo transporte de solo infestado e/ou material vegetal contaminado. A utilização de mudas sadias, em geral, é bem aceita pelos produtores, no entanto, ainda existe resistência quanto à limpeza de máquinas e equipamentos, além de contenção de erosões.
Uma vez estabelecidos no campo, a erradicação dos nematoides é praticamente impossível. Assim, o manejo deve visar a redução da população em níveis abaixo do limiar de dano econômico. No entanto, algumas culturas não toleram os nematoides, mesmo em baixas populações, pelo fato de o patógeno atingir o produto comercial, como exemplos, algumas olerícolas.

Controle biológico

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.

Inicio Revistas Grãos Biológicos no manejo de Pratylenchus brachyurus