27.7 C
São Paulo
quarta-feira, maio 18, 2022
- Publicidade -
- Publicidade -
Inicio Destaques Biológicos no tratamento de sementes

Biológicos no tratamento de sementes

Rafael Rosa Rocha Engenheiro agrônomo, mestrando em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola (UNEMAT) e assistente técnico rafaelrochaagro@outlook.com

Aline Maria Malacarne Engenheira agrônoma – IFMT

Milho – Foto: Rafael Rosa Rocha

O milho é uma das principais culturas cultivadas no Brasil, uma vez que se estende por todo o território nacional sob diversos níveis tecnológicos e interage com diversos setores do mercado financeiro.

Tamanha importância faz com que duas concentrações de cultivo sejam pertinentes no País: a primeira safra, ou safra de verão, que vai de agosto a novembro, dependendo da região e, posteriormente, a safrinha, sendo que esta última se dá após o cultivo de soja precoce nos meses de fevereiro a março.

Sementes sadias

O tratamento biológico de sementes, também descrito como micobiolização, refere-se à aplicação de microrganismos vivos nas sementes para o controle de doenças, pragas, fitonematoides, e pode, em alguns casos, promover o crescimento de plantas.

A utilização desses agentes biológicos no tratamento de sementes (TS) para milho safrinha ainda pode ser descrita como bioprotetora ou bioagente, e apresenta vantagens no estabelecimento da cultura, proteção das sementes e, em alguns casos, auxilia no processo de germinação, promovendo maior crescimento inicial.

O controle biológico no tratamento de sementes de milho safrinha se baseia na relação antagônica entre um microrganismo e um patógeno, por meio da redução da população do patógeno ou por outros tipos de ações.

O tratamento de sementes auxilia na proteção de danos causados por pragas e oferece garantia adicional ao estabelecimento da lavoura, pelo desenvolvimento de plantas vigorosas e sadias. Essa prática protege a semente desde o contato inicial com o solo até o início do crescimento das plantas.

Benefícios proporcionados

O tratamento biológico de sementes é mais uma ferramenta disponibilizada pelo mercado agrícola que agrega outros tipos de controle e aumenta o leque de opções no manejo, contribuindo para um sistema mais sustentável, com baixos impactos ambientais e aumento de produção das culturas, sendo o controle biológico extremamente viável.

Quem são eles

O fungo Trichoderma spp. representa um dos mais utilizados na agricultura mundial por sua eficácia no controle biológico de doenças de plantas, entre as quais se destacam fungos fitopatogênicos: Alternaria spp., Colletotrichum spp., Fusarium spp., Phytophthora spp., Pythium spp., Rhizoctonia spp., Sclerotinia e Verticillium, além dos fitonematoides do gênero Meloidogyne  e Pratylenchus.

O Trichoderma é um fungo filamentoso de vida livre, encontrado em praticamente todos os tipos de solos. Apresenta uma importante função ecológica, atuando como biofertilizante na decomposição de folhas, caules, raízes e de resíduos animais que, depois de decompostos, torna os nutrientes solúveis, permitindo assim uma maior e mais rápida absorção pelas plantas.

Algumas espécies desse fungo constituem-se importantes organismos de controle biológico de pragas e doenças, em função de apresentarem capacidade de produzir antibióticos, enzimas e hormônios.

Atuação

A promoção do desenvolvimento vegetal induzida por Trichoderma está relacionada ao estímulo da multiplicação celular, por meio do aumento da disponibilidade e absorção de nutrientes pela planta, produção de hormônios e aumento da área do sistema radicular.

Os mecanismos associados ao potencial controle biológico deste fungo envolvem o antagonismo, parasitismo, predação, antibiose, competição e indução de resistência. Além disso, alguns fungos têm a capacidade de promover o crescimento vegetativo por meio da colonização interna do sistema radicular, de forma que a planta possa absorver uma maior quantidade de água e nutrientes, além de tolerar outros estresses bióticos e abióticos.

Além do Trichoderma spp., outros fungos utilizados no controle biológico são: Bacillus spp., Metarhizium anisopliae, Beauveria bassiana, Nomuraea rileyi, e Isaria fumosorosea, considerados entomopatogênicos, ou seja, são microrganismos que prejudicam o desenvolvimento de insetos, principalmente pragas agrícolas. Por meio da utilização destes fungos no tratamento de sementes, tem-se encontrado resultados positivos no controle de diversas pragas.

As bactérias do gênero Bacillus possuem rápida colonização e boas características. Estas, além de promotoras de crescimento, são capazes de produzir metabólitos tóxicos aos nematoides, formando uma barreira de proteção no sistema radicular, desorientando os nematoides, além de competir por nutrientes e espaço com os patógenos, ou ainda, induzir resistência à planta.

As espécies de Bacillus mais utilizadas no controle de nematoides em diversas culturas são: B. subtillis, B. licheniformis, B. amyloliquefaciens e B. methylotrophicus.

Manejo

É preciso, antes de tudo, conhecer qual o alvo para as pragas de solo que atacam a semente e as raízes. O método mais eficaz de fazer o controle é pelo tratamento de sementes, que se baseia no controle biológico aumentativo, em que se adiciona ao tratamento de sementes os agentes de controle biológico em quantidades ideais para agir nas lavouras.

A escolha do produto para tratamento biológico de sementes de milho safrinha é o fator-chave que pode influenciar no desempenho, sanidade, segurança e impactos ambientais.

A seleção dos produtos e as combinações devem se basear exclusivamente em produtos registrados para a cultura-alvo e a qualidade do tratamento de sementes realizado também determinará a eficácia da técnica.

Além disso, é importante a precisão de doses dos produtos, a correta quantidade de sementes, a homogênea cobertura delas e o tempo de armazenamento para obter sucesso no TS, pois muitos produtos, por serem biológicos, possuem tempo de durabilidade – os conhecidos “shelf life”.

Portanto, as recomendações da bula devem ser seguidas de acordo com as empresas responsáveis pelos bioprodutos, que fornecem informações quanto às faixas de tolerância de seus agentes, principalmente em relação à temperatura, umidade e pH, para que o produtor escolha o produto mais apropriado às suas necessidades e que possa expressar todo seu potencial.

Em campo

O tratamento biológico de sementes foi segmentado por culturas, sendo elas trigo, soja, algodão, girassol, milho, vegetais e outros, como HF. O milho tem maior aplicação em geração de alimentos, ração e produção de etanol.

Este cultivo está sendo afetado por um número de patógenos, pestes e nematoides e é um grande fator que influencia o uso de tratamento biológico. As bactérias benéficas à cultura do milho, como o Azospirillum brasilense, podem trazer ganhos consistentes para o agricultor, sem a necessidade de grandes investimentos com fertilizantes químicos, particularmente os nitrogenados.

Pesquisas conduzidas pela Embrapa Soja em Londrina (PR) e pela Embrapa Milho e Sorgo, nos municípios de Sete Lagoas (MG), Goiânia (GO) e em Sinop (MT), revelam que pode haver redução de até 25% do uso de fertilizante nitrogenado de cobertura aplicado em plantios de altos rendimentos, onde há emprego de alta tecnologia.

A tecnologia de inoculação se baseia na capacidade promotora de crescimento do Azospirillum brasilense pela produção de vários hormônios que estimulam o crescimento das plantas, principalmente o sistema radicular, mas também por outros mecanismos, como a fixação biológica de nitrogênio.

Por isso, o Azospirillum faz parte de um grupo de bactérias denominadas de promotoras de crescimento vegetal. Segundo a Embrapa, grandes contribuições têm sido observadas pela produção de fitormônios, promovendo o crescimento das raízes. Com isso, as plantas absorvem melhor os nutrientes do solo, têm melhor aproveitamento dos fertilizantes aportados, com ênfase para os nitrogenados, cuja eficiência de aproveitamento é muito baixa; aumentam a tolerância à seca, pela maior capacidade de absorção de água, entre outros benefícios.

Resultados

 O produto biológico nas sementes garante eficiência no controle de nematoides e doenças de solo, revelando maior produção por unidade de área e aumento da produtividade das plantas de milho safrinha.

O Trichoderma harzianum apresenta redução significativa na incidência e severidade dos patógenos de solo (fungos e nematoides). Além disso, promove um maior crescimento de raiz e parte aérea das plantas, que proporciona um incremento médio 2,4 sc/ha.


Vantagens destacadas do uso de TS com biológico:

● A proteção contra doenças e a capacidade de colonizar efetivamente o sistema radicular e proteger as plantas contra o ataque de vários fitopatógenos;

● O combate a nematoides, sendo uma das principais estratégias atuais no manejo de algumas doenças causadas por nematoides em culturas economicamente importantes;

● O uso de menos agrotóxicos, por combater pragas e doenças, contribuindo para a redução de uso dos mesmos e, por consequência, dos danos causados por eles à saúde humana e ambiental;

● Garantia de sustentabilidade, por reduzir químicos, poluir menos e gerar uma agricultura de modo sustentável;

● A sua grande versatilidade, podendo ser pulverizado em diversas culturas em geral;

● Pelo fato de ser um controle natural, não deixa resíduos nos alimentos;

● A obtenção de grãos mais saudáveis, sendo empregado no tratamento de sementes a fim de evitar que doenças ataquem as plantas nesse estágio

Inicio Destaques Biológicos no tratamento de sementes