14.3 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosFlorestasBiorrefinaria - Diversidade e riqueza florestal

Biorrefinaria – Diversidade e riqueza florestal

A riqueza dos 7,7 milhões de hectares de florestas plantadas brasileiras vai muito além do uso da madeira para a produção de papel, energia e móveis. A biorrefinaria possibilita obter uma gama infinita de produtos, como biocombustíveis, solventes, rações animais, plásticos e fibra de carbono, além de centenas de outros insumos para as indústrias química, farmacêutica, têxtil e cosmética. Muitos desses produtos renováveis têm aplicações que podem, inclusive, substituir derivados de petróleo no setor químico

Biorrefinaria é uma planta industrial que utiliza a biomassa como matéria-prima, convertendo-a em diversos produtos comerciais e energia. Além disso, explica Bruno Brasil, PhD em Microbiologia e pesquisador do Laboratório de Processos Bioquímicos da Embrapa Agroenergia, uma biorrefinaria busca otimizar o uso de recursos e minimizar a geração de resíduos, o que contribui positivamente para sua sustentabilidade econômica e ambiental.

As biorrefinarias são, portanto, a concretização da bioeconomia no setor industrial e contribuem para a consolidação da economia circular, conceito onde o resíduo/rejeito de um processo serve de matéria-prima para um produto gerado subsequentemente.

A evolução da consciência

A pesquisa avança a passos largos no segmento da biorrefinaria - Crédito Fibria
A pesquisa avança a passos largos no segmento da biorrefinaria – Crédito Fibria

O conceito de biorrefinaria vem se consolidando e concretizando na prática industrial deste novo século, uma vez que se harmoniza muito bem com a tendência mundial de substituição de produtos derivados de recursos naturais denominados fósseis (carvão, petróleo, gás natural e outros) por aqueles provenientes de recursos naturais renováveis (florestais, agrícolas, cultura de algas e afins).

“Os altos preços dos combustíveis ditos ‘fósseis’ e os graves problemas ambientais gerados pelo seu uso, sem os devidos cuidados, fez com que voltássemos a pensar na tradicional indústria química de produtos naturais, agora segundo a ideia de uma plataforma integrada (incluindo a petroquímica), que reunisse e harmonizasse processos de conversão de recursos naturais (florestais, agrícolas, etc.) em produtos demandados pela moderna química industrial mundial“, avalia Ayrton Figueiredo Martins, doutor e professor da Universidade Federal de Santa Maria e chefe do Laboratório de Pesquisa em Tratamento de Efluentes e Resíduos/LATER.

Neste novo “ecossistema industrial“, continua o especialista, as trocas tecnológicas de produtos energéticos, insumos e resíduos, integraria o setor rural ao urbano, o artesanal ao automatizado, o verde ao plástico ” a biorrefinaria integrada.

O professor lamenta as sucessivas crises econômicas vivenciadasem um passado recente, o que arrefeceu muito a concretização desta utopia em várias partes do mundo. Contudo, ele diz que a fábrica de celulose e papel de hoje é um dos melhores exemplos de biorrefinaria que temos ” além de celulose e papel, logicamente, comercializa um grande número de produtos derivados, desde lignina, produtos químicos, essências, extrativos, solventes e, para arrematar, um grande número de sais e subprodutos de processo.

Produtos originados da biorrefinaria

São vários produtos derivados de uma biorrefinaria - CréditoFibria
São vários produtos derivados de uma biorrefinaria – CréditoFibria

Segundo Bruno Brasil, os produtos derivados de uma biorrefinaria são energia, biocombustíveis, biomateriais, químicos renováveis, fertilizantes, compostos bioativos, alimentos, dentre outros.

Limitando o campo da biorrefinaria enfocado aqui, que é essencialmente o da biorrefinaria florestal, lignocelulósica, Ayrton Martins destaca alguns pontos. Historicamente, trata-se de um retorno às origens, ao século 19, quando a maioria dos produtos de fabricação industrial, digamos “orgânicos“, provinha da natureza.Era, basicamente, uma “química industrial de produtos naturais“. Os processos e as escalas de produção de então eram muito limitados, comparados aos da química industrial moderna.

“Se no passado extraíamos látex, terebintina, metanol, etanol, essências, perfumes, óleos diversos e vários outros produtos para a então nascente indústria química-farmoquímica (eainda continuamos fazendo isto), agora as escalas são fantásticas, e o leque de produtos inumerável. Com o advento dos derivados do carvão e do petróleo, baratos no início, progressivamente foi sendo criada uma incrível estrutura industrial, totalmente dependente destas fontes fósseis, e mais recentemente do gás natural. Pois bem, a meta da biorrefinaria, utopicamente, é satisfazer este mercado extremamente diversificado de produtos químicos, substituindo fontes de insumos e de energia não-renováveis por renováveis“, explica Ayrton Martins.

A seguir, Sílvio Vaz Jr., químico e doutor em química analítica, pesquisador da Embrapa Agroenergia, aponta os principais bioprodutos, mas ele acrescenta que existe todo um universo de possibilidades a ser explorado.

Bioprodutos da biorrefinaria

Energia Eletricidade obtida pela cogeração via queima do bagaço de cana-de-açúcar.
Biocombustíveis Etanol, biodiesel e biogás.
Insumosquímicos Fertilizantes.
Materiais Painéis e placas, fibras, compósitos e resinas.
Produtos químicos de alto valor Moléculas bloco-construtoras, intermediários de síntese, especialidades.

Da madeira à biorrefinaria

O pesquisador Bruno Brasil cita como exemplos de tipos de madeiras utilizadas aquelas derivadas de eucalipto e pinus. “Porém, materiais lignocelulósicosnão-lenhosos, como o bagaço de cana-de-açúcar, também são amplamente utilizados pela indústria sucroalcooleira dentro do conceito de biorrefinaria“, aponta.

Em princípio, todos os tipos de madeira poderiam ser utilizados pela biorrefinaria, inclusive resíduos da industrial florestal e o próprio lixo urbano. Trata-se, em última análise, de matéria-prima lignocelulósica. Particularmente, o professor da UFSM preconiza o aproveitamento do lixo urbano e de rejeitos agroflorestais como matéria-prima lignocelulósica para biorrefinaria. “Além do presumível baixo ou nenhum custo, pode-se promover ainda a mitigação de graves problemas ambientais regionais“, justifica.

Porém, ele acrescenta que quanto mais altos os teores de celulose, hemicelulose, lignina e de extraíveis, maiores podem ser os rendimentos em produtos de alto valor agregado. Tudo depende de um conjunto de fatores contribuintes para o perfil da biorrefinaria ” não existe um modelo acabado a seguir.

“Os benefícios da biorrefinaria são evidentes: ganhos ambientais e para a economia rural inestimáveis, geração de emprego, salário e renda, contribuição para o uso mais eficiente de recursos não-renováveis, expansão, diversificação e internacionalização da economia, etc.“, destaca Ayrton Martins.

A fabricação de celulose e papel de hoje é um dos melhores exemplos de biorrefinaria - Crédito Fibria
A fabricação de celulose e papel de hoje é um dos melhores exemplos de biorrefinaria – Crédito Fibria

Oportunidades imensuráveis

As maiores oportunidades da biorrefinaria residem no aproveitamento de resíduos e subprodutos para produção de novos produtos de valor agregado. Um exemplo citado por Bruno Brasil seria o aproveitamento da lignina, um subproduto da indústria de papel e celulose, para produção de ligantes, dispersantes, emulsificantes e outros produtos químicos.

Outro exemplo é o aproveitamento do bagaço de cana-de-açúcar para cogeração de energia ou produção de etanol celulósico nas indústrias sucroalcooleiras.

“Como as biorrefinarias utilizam matéria-prima renovável (biomassa) em substituição a matérias-primas fósseis, elas contribuem para a sustentabilidade ambiental e mitigação das ameaças promovidas pelas mudanças climáticas em andamento neste século. Além disso, o aproveitamento dos resíduos e a diversificação dos produtos gerados contribuem para a redução de custos e o acesso a novos mercados. Trata-se, portanto, de uma tendência promovida pela necessidade da atividade industrial se manter competitiva e sustentável no contexto econômico atual e futuro“, avalia Bruno Brasil.

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Floresta, edição de novembro/dezembro 2016. Adquira a sua para leitura completa.

ARTIGOS RELACIONADOS

Arysta LifeScience leva conhecimento sobre maximização de resultados para cana no 11º Congresso Nacional da Bioenergia, em Araçatuba (SP)

A Arysta LifeScience fará apresentação sobre “Tecnologias para incremento de produtividade e qualidade da matéria- prima“, no 11º Congresso Nacional da Bioenergia, no dia...

Algas marinhas evitam estresse na lavoura

Tiago Henrique Costa Silva Engenheiro agrônomo, mestrando em Proteção de Plantas " IFG Urutaí-GO tiago@agronomo.eng.br O estresse hídrico na soja pode resultar em problemas na germinação, com...

Aminoácidos fornecem energia à alface

Lucas Anjos de Souza Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, campus Rio Verde lucasanjos22@yahoo.com.br Os aminoácidos são biomoléculas extremamente importantes para todos os...

Sipcam Nichino lança inseticida de ponta para controle de lagartas

Inseticida Takumi® foi alvo de quase 200 trabalhos de Pesquisa & Desenvolvimento; companhia prevê lançar 22 produtos em quatro anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!