26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosBrasil apresenta maior crescimento global na adoção de transgênicos

Brasil apresenta maior crescimento global na adoção de transgênicos

Benefícios ambientais e socioeconômicos incluem a preservação da biodiversidade e o aumento da produtividade

 

O Brasil cultivou 49,1 milhões de hectares com culturas transgênicas em 2016, um crescimento de 11% em relação a 2015, ou o equivalente a 4,9 milhões de hectares. Nenhum outro país do mundo apresentou um crescimento tão expressivo.

Com essa área, a agricultura brasileira está atrás apenas dos Estados Unidos (72,9 milhões de hectares) no ranking global de adoção de biotecnologia agrícola. As informações são do relatório do Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia (ISAAA).

Gráfico 1 - Brasil apresenta crescimento em transgênicos

De acordo com a diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), Adriana Brondani, a expressiva adoção da biotecnologia agrícola no País está relacionada aos seus benefícios. “A agricultura tropical precisa superar diversos obstáculos e, em virtude disso, o produtor brasileiro tem uma demanda natural por ferramentas que o ajudem a superar esses desafios; a transgenia faz isso com eficiência e segurança“.

No País, a taxa de adoção para a soja geneticamente modificada (GM) é de 96,5%, para o milho (safras de inverno e verão) 88,4% da área foi plantada com variedades transgênicas e no algodão o índice foi de 78,3%.

 

Brasil apresenta crescimento em transgênicos
Brasil apresenta crescimento em transgênicos

Benefícios

O levantamento do ISAAA também revela que a biotecnologia agrícola resultou em benefícios ambientais e socioeconômicos. A adoção de organismos geneticamente modificados (OGM) globalmente gerou uma redução das emissões de dióxido de carbono (CO²) equivalente à retirada de cerca de 12 milhões de carros das ruas em um ano.

Esses dados mostram que a biotecnologia agrícola é uma das ferramentas que contribui para que os países cumpram a recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) de reduzir significativamente a emissão de gases do efeito estufa até 2030.

Além disso, se a biotecnologia não estivesse disponível para as culturas de soja, milho, algodão e canola plantadas em todo o mundo em 2016, seriam necessários 19,4 milhões de hectares a mais para obter a mesma produção.

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Mais renda no mundo

Do ponto de vista socioeconômico, nos países em desenvolvimento, essa tecnologia contribuiu para o aumento de renda de aproximadamente 18 milhões de agricultores.

Para o presidente do conselho do ISAAA, Paul S. Teng, as culturas transgênicas se tornaram um recurso essencial tanto para iniciativas de preservação da biodiversidade quanto para a melhoria da rentabilidade dos agricultores.

No Brasil, um levantamento da consultoria britânica PG Economics revelou que, entre 2013 e 2015, os benefícios econômicos acumulados chegaram a R$ 52 bilhões. Em todo o mundo, 26 países plantaram 185,1 milhões de hectares com variedades GM, um crescimento de 03% se comparado com os 179,7 cultivados em 2015.

Além de Estados Unidos e Brasil, se sobressaem as áreas plantadas com OGM na Argentina (23,8 milhões/ha), no Canadá (11,6 milhões /ha) e na Índia (10,8 milhões /ha).

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Destaques

  • Adoção sem precedentes: a transgenia é a tecnologia mais rapidamente adotada na história da agricultura moderna. Se em 1996 (ano em que os OGM foram cultivados pela primeira vez) a área plantada era de 1,7 milhão de hectare, em 2016 passou a ser 185,1 milhões de hectares.
  • Países desenvolvidos x países em desenvolvimento: pelo quinto ano consecutivo, países em desenvolvimento adotaram mais transgênicos (54% ou 99,6 milhões/ha) do que os industrializados (46% ou 85,5 milhões/ha). Além disso, das 26 nações que utilizam a biotecnologia, 19 estão em desenvolvimento.
  • Estados Unidos: em 2016 o País aprovou novas culturas transgênicas com características inéditas – duas variedades de batata e uma de maçã, que podem contribuir para a redução do desperdício de alimentos.
  • Europa: quatro países da Europa plantaram OGM em 2016. Ao todo, Espanha, Portugal, Eslováquia e República Checa cultivaram aproximadamente 136 mil hectares de milho transgênico resistente a insetos.
  • Comércio Internacional: diversos países que não cultivam OGM importam grãos transgênicos de outras partes do mundo. O país que mais conta com aprovações no mundo é o Japão, com 311 autorizações.

Sobre o CIB

O Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), criado no Brasil em 2001, é uma organização não governamental, cuja missão é atuar na difusão de informações técnico-científicas sobre biotecnologia e suas aplicações. Na Internet, você pode conhecer melhor a instituição por meio do site www.cib.org.br e dos perfis no Facebook, no LinkedIn e no YouTube.

Essa matéria você encontra na edição de setembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fertiláqua leva tecnologia de análise de sementes para produtores

A Fertiláqua realiza nos meses de setembro e outubro a segunda edição do Circuito de Análise de Sementes que tem como objetivo auxiliar o...

FiberMax e a cadeia produtiva do algodão

  A semente de algodão FiberMax foi desenvolvida por meio de cruzamentos e seleção das melhores linhagens de algodão adaptadas para o Brasil O setor algodoeiro...

Tratamento de sementes – Alternativa contra nematoides na safrinha

São várias as espécies de nematoides já observadas nas raízes do milho causando sérios prejuízos, sendo as mais nocivas ao milho Pratylenchus brachyurus e P. zeae. Segundo a Sociedade Brasileira de Nematologia (SBN), os prejuízos anuais provocados pelos fitonematoides chegam a R$ 35 bilhões, alcançando também outras culturas, sobretudo a soja em plantio sucessivo com milho safrinha.

Salto evolutivo dos híbridos de milho

O primeiro grande salto da genética de milho no Brasil ocorreu com o lançamento do primeiro milho híbrido no País, em 1945, resultado dos esforços do melhorista Antônio Secundino, fundador da Agroceres.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!