17.7 C
Uberlândia
sexta-feira, julho 12, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiBrócolis: Dobra produção em duas décadas

Brócolis: Dobra produção em duas décadas

Brócolis – Crédito: shutterstock

No mundo, a área plantada e a produção de brócolis e couve-flor quase dobrou nos últimos 20 anos (Gráficos 1 e 2). Atualmente, a área mundial plantada com estas duas hortaliças é de 1.395.152 hectares, produzindo-se cerca de 25.984.758 toneladas e com produtividade média estimada em 18,62 toneladas por hectare.

China, Índia e Estados Unidos se destacam como os maiores produtores mundiais (Faostat, 2019). Estimativas recentes apontam, ainda, que a América do Sul produz cerca de 10% do brócolis consumido no mundo, destacando-se o Brasil como o maior produtor nesta região.

Produção brasileira

Estudos feitos pela Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM) e por empresas privadas especialistas na produção de sementes de brócolis indicam evolução crescente da área plantada, com uma produção de 290 mil toneladas anuais e um crescimento de mercado de 4,0 e 5% ao ano, com movimentação anual de cerca de R$ 1,2 bilhão no varejo.

A produção de brócolis tem sido vantajosa para os produtores de hortaliças devido ao seu maior valor agregado, comparado ao de outras brássicas, como repolho, couve e rúcula, o que permite maiores ganhos por unidade de área.

No mercado brasileiro existem dois tipos de brócolis que podem atender a mercados complementares: o brócolis do tipo ramoso e o de inflorescência (cabeça) única. O tipo ramoso é comercializado em maços e pode ser obtido de colheitas múltiplas. Já o tipo cabeça única, que também é conhecido em algumas regiões, como americano, japonês ou ninja, apresenta maior flexibilidade na comercialização por ter maior longevidade pós-colheita e ser tolerante ao congelamento e processamento mínimo.

Comercialização

A produção e consumo de brócolis americano, ou de inflorescência única, é o que mais tem crescido no mercado brasileiro. Segundo o último levantamento disponibilizado pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), foram comercializadas no último ano 15.364,01 toneladas de brócolis no Estado de São Paulo, o que posiciona esta hortaliça como o 40° produto mais comercializado no CEAGESP. Deste total, 45,4% foi de brócolis americano e 54,6% de brócolis ramoso.

Regiões produtoras

Em função do melhoramento genético, a produção de brócolis tem sido possível durante praticamente o ano todo em algumas regiões. A sua produção tende a se concentrar principalmente no Centro-Sul brasileiro. Dados do último Censo Agropecuário do IBGE (Instituto Brasileiro de Geográfica e Estatística, 2006) indicam as regiões sudeste e sul e o Distrito Federal como os maiores produtores desta hortaliça. Nos últimos anos, a cultura tem avançado em novas regiões, como o Sul de Minas Gerais.

No Estado do Rio de Janeiro, um dos maiores produtores nacionais da cultura segundo o IBGE, a produção de brócolis e de couve-flor concentra-se na região Serrana, em função das temperaturas mais amenas. Estimativas da Emater-RIO (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio de Janeiro) indicam que, no último ano, a produção estadual de brócolis foi de 28.087,61 toneladas, em área colhida de 1.273,10 hectares, com produtividade média de 22,0 toneladas por hectare (Emater-RIO, 2019).

Custo de produção

Estimativas recentes feitas pela Emater do Distrito Federal indicam que os custos da produção de brócolis ramoso são de R$ 0,24 por maço e R$ 20.779,59 por hectare, considerando uma produção média de 87.500 maços de 0,4 kg por hectare. Já para o brócolis de cabeça única, o custo unitário seria de R$ 1,05 por cabeça, e R$ 18.904,75 por hectare, considerando 18.000 plantas por hectare (Emater-DF, 2019).

O que esperar

Para o ano de 2020, é esperado um aumento na produção e no consumo de brócolis no Brasil. De acordo com dados da FAO, o consumo médio per capita de brócolis no Brasil ainda é baixo, cerca de 1,04 kg por pessoa ao ano. Na liderança do consumo mundial estão os italianos, que consomem 7,24 kg por pessoa ao ano, isto é, a cultura apresenta ainda um grande  potencial de ampliação de mercado.

Dentre os desafios a serem superados na produção de brócolis está a ampliação da oferta no período de verão, redução das perdas na fase de pós-colheita e ampliação do mercado, especialmente em regiões fora do eixo sul-sudeste. 

Gráfico 1. Área colhida com brócolis e couve-flor no mundo (em hectares) no período de 1994 a 2017.

Fonte: Adaptado de FAOSTAT (2019).

Gráfico 2. Produção mundial de brócolis e couve-flor (em toneladas) no período de 1994 a 2017.

Fonte: Adaptado de FAOSTAT (2019).

Autoria:

Carlos Antônio dos SantosEngenheiro agrônomo e doutorando em Fitotecnia – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)carlosantoniods@ufrrj.br

Margarida Goréte Ferreira do CarmoEngenheira agrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJgorete@ufrrj.br

Júlio César RibeiroEngenheiro agrônomo e doutor em Ciência do Solo – UFRRJjcragronomo@gmail.com

ARTIGOS RELACIONADOS

Safra de soja supera as expectativas

Lavouras avaliadas na BA e no RS pelas últimas equipes do Rally da Safra surpreendem ...

A importância dos micronutrientes na cultura da batata

  Daniela Vitti Engenheira agrônoma, doutora em Ciências e Coordenadora Técnica da Bio Soja Emanuel Alexandre Coutinho Pereira Consultor de Vendas da Agrozap, Uberaba (MG) Renato Passos Brandão...

Tutoramento do tomateiro: As técnicas que têm dado certo

Na cultura do tomateiro (Solanum lycopersicum Mill.), no cenário mundial, o Brasil destaca-se como o 9º maior produtor, sendo o 3º em produtividade, com consumo “in natura” e processado.

Como a densidade influi na produtividade dos cafezais

A cultura do café sofreu inúmeras modificações quanto à densidade de plantio (número de pés de café por hectare) com o passar dos anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!